Pular para o conteúdo principal

COMO UM CONTO DE FADA EM UM DIA DE CHUVA

Assim que girou a chave da porta da quitinete em que morava no centro velho da cidade, ela soltou um suspiro de alívio e jogou a sua bolsa no meio do monte de almofadas sujas e vermelhas que ficavam ao lado da tv “meia” polegada que entulhava a sala. Chovia muito e já era bem tarde da noite. E ela estava lá, com fome, com frio, desesperada, cansada e com o saco cheio de tudo aquilo. Era tarde da noite. Ela estava ensopada e o dia não tinha sido nada bom. Nada bom. Ainda mais uma vez, ela não havia conseguido o maldito emprego, agora por causa das malditas tatuagens que tinha no braço. – Lamento, mas a senhorita não devia ter tatuado o nome de uma banda de rock no seu braço esquerdo inteiro. Nossa empresa não aceita esse tipo de perfil – disse a senhora gentil e gorda e velha para ela. Fodam-se eles, eu adoro as minhas tatuagens – ela pensou. Mas seu pensamento “foda-se” durou o tempo suficiente de ela abrir a geladeira. Ela TINHA que arrumar um emprego, ela tinha que arrumar dinheiro, ela tinha que pagar o aluguel até sexta feira, ela tinha que pagar a luz e, ela tinha que comprar alguma comida. Teve vontade de chorar. Nem uma toalha limpa para se secar ela tinha em casa. Tirou a roupa molhada e limitou-se a colocar sobre o corpo ainda úmido uma camiseta velha do The Clash, presente de seu último namorado. Um imbecil, por sinal, cuja única qualidade era o seu gosto musical. Estava com uma vontade incrível de chorar. Mas não chorou. Acendeu um Marlboro e sentou ao lado da secretária eletrônica semi-funcionando – único bem de valor que realmente possuía – e percebeu que havia uma mensagem. Coisa rara desde que ela havia se mudado. Apertou o play, rezando para que fosse alguma resposta de qualquer das dezenas de agência de emprego que andou freqüentando nos últimos meses.
"Hey, sou eu...lembra de mim? Cadu? Aquele seu velho amigo da época do colegial. Talvez você nem seja a Ana Maria que eu conheço, já que só Deus sabe como foi difícil chegar até esse número. Mas, enfim, de qualquer forma, eu estou aqui e com saudades e pensando em você e...isso pode parecer idiota, mas estou precisando ouvir alguma voz amiga, alguém que eu saiba quem eu sou, mesmo tendo passado uns...dez, doze anos, é isso?...bem, de qualquer forma eu ligo outra hora então e espero que você esteja em casa...e não me ache estúpido...beijos”. E desligou, simples assim...
E ela ficou lá, com aquele cigarro queimando sua mão e com a boca aberta pela surpresa de ter sido descoberta por um velho amigo e com os olhos cheios de lágrimas, esperando o telefone tocar, esperando o telefone tocar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis