Pular para o conteúdo principal

COMO UM CONTO DE FADA EM UM DIA DE CHUVA

Assim que girou a chave da porta da quitinete em que morava no centro velho da cidade, ela soltou um suspiro de alívio e jogou a sua bolsa no meio do monte de almofadas sujas e vermelhas que ficavam ao lado da tv “meia” polegada que entulhava a sala. Chovia muito e já era bem tarde da noite. E ela estava lá, com fome, com frio, desesperada, cansada e com o saco cheio de tudo aquilo. Era tarde da noite. Ela estava ensopada e o dia não tinha sido nada bom. Nada bom. Ainda mais uma vez, ela não havia conseguido o maldito emprego, agora por causa das malditas tatuagens que tinha no braço. – Lamento, mas a senhorita não devia ter tatuado o nome de uma banda de rock no seu braço esquerdo inteiro. Nossa empresa não aceita esse tipo de perfil – disse a senhora gentil e gorda e velha para ela. Fodam-se eles, eu adoro as minhas tatuagens – ela pensou. Mas seu pensamento “foda-se” durou o tempo suficiente de ela abrir a geladeira. Ela TINHA que arrumar um emprego, ela tinha que arrumar dinheiro, ela tinha que pagar o aluguel até sexta feira, ela tinha que pagar a luz e, ela tinha que comprar alguma comida. Teve vontade de chorar. Nem uma toalha limpa para se secar ela tinha em casa. Tirou a roupa molhada e limitou-se a colocar sobre o corpo ainda úmido uma camiseta velha do The Clash, presente de seu último namorado. Um imbecil, por sinal, cuja única qualidade era o seu gosto musical. Estava com uma vontade incrível de chorar. Mas não chorou. Acendeu um Marlboro e sentou ao lado da secretária eletrônica semi-funcionando – único bem de valor que realmente possuía – e percebeu que havia uma mensagem. Coisa rara desde que ela havia se mudado. Apertou o play, rezando para que fosse alguma resposta de qualquer das dezenas de agência de emprego que andou freqüentando nos últimos meses.
"Hey, sou eu...lembra de mim? Cadu? Aquele seu velho amigo da época do colegial. Talvez você nem seja a Ana Maria que eu conheço, já que só Deus sabe como foi difícil chegar até esse número. Mas, enfim, de qualquer forma, eu estou aqui e com saudades e pensando em você e...isso pode parecer idiota, mas estou precisando ouvir alguma voz amiga, alguém que eu saiba quem eu sou, mesmo tendo passado uns...dez, doze anos, é isso?...bem, de qualquer forma eu ligo outra hora então e espero que você esteja em casa...e não me ache estúpido...beijos”. E desligou, simples assim...
E ela ficou lá, com aquele cigarro queimando sua mão e com a boca aberta pela surpresa de ter sido descoberta por um velho amigo e com os olhos cheios de lágrimas, esperando o telefone tocar, esperando o telefone tocar.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend - Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre ele