Pular para o conteúdo principal


USE OS HEADPHONES
SUMMER´S GONE - PLACEBO


- Hey, hoje não é o último dia do verão? – ela perguntou, enquanto observava o sol se pôr pela janela. Precisamos celebrar.
- Que dia é hoje? – ele perguntou.
- Dia 20 – ela respondeu, enquanto deixava a paisagem do pôr do sol para lá e se concentrava em um casal de velhinhos fantásticos que andavam de mãos dadas na rua.
- Não. Amanhã é o último dia do verão, então – ele disse, com um sorriso adorável, indo em sua direção.
- Eu detesto quando o verão termina. Eu simplesmente detesto quando as coisas, no geral, terminam. Eu não gosto disso. Não gosto do fim das coisas, não gosto de encerramentos. Não gosto de términos. Eu sempre choro nas cerimônias de encerramento das olimpíadas – disse, com um sorriso. Lindo, por sinal, e prosseguiu – Veja aquele casal na rua. Não é lindo? É lindo perceber que o amor existe em pessoas tão vividas. É uma prova de que o amor pode resistir a tudo, quer dizer, a quase tudo, já que certamente um deles morrerá logo e o outro sentirá dor. Muita dor.
- Que pensamento macabro. Você não deve pensar dessa forma no futuro. Isso é cruel. Você tem que pensar em algo mais imediato. Felicidade imediata. Não deixe o futuro ser a sua vida. Foda-se a idade deles. O importante é que eles estão juntos e felizes e se amando, andando de mãos dadas em pleno fim de tarde de um dia comum de fim de verão. As coisas às vezes acabam. Simples assim. É necessário isso. Por pior que possa parecer. Por mais dolorido que seja. Mas é preciso e você não deve simplesmente esperar esse fim. Definitivamente. Viva, enquanto isso.
Ela o olhou com um carinho intenso, indescritível em palavras - Foi o nosso melhor verão – ela afirmou, ao mesmo tempo em que o abraçava forte e carinhosamente.
- Foi nosso verão – ele sorriu.
- O primeiro de muitos.
- Foi o nosso verão. Isso que importa – ele disse, para depois beijá-la com todo o amor possível, como se não houvesse mais Brian Maolkos, como se não houvesse mais dias de verão, como se não houvesse mais dias, sejam lá eles quais forem.



Summer’s gone
(Placebo)

Kitty your face so forsaken
Crushed by the way that you cry
Kitty your face so forsaken
What a surprise

You try to break the mould
Before you get too old
You try to break the mould
Before you die

Kitty your heart that it racing
Stung by the love in your eye
Kitty your heart that is racing
What a surprise

You try to break the mould
Before you get too old
You try to break the mould
Before you die

Kitty your face so forsaken
Crushed by the way that you cry
Kitty your face so forsaken
Say goodbye

Sing for your lover like blood from a stone
And sing for your lover who’s waiting at home
If you sing when you’re high and you’re dry as a bone
Then you must realise that you’re never alone
And you’ll sing with the dead instead
.......instead

You try and break the mould,
Before you get too old
You try and break the mould,
Before you die

Sing for your lover like blood from a stone
And sing for your lover who’s waiting at home
If you sing when you’re high and you’re dry as a bone
Then you must realise that you’re never alone
And you’ll sing with the dead instead
...... instead

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis