Pular para o conteúdo principal


DANÇANDO EM PISTAS SUPOSTAMENTE VAZIAS

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(BEN HARPER – WALK AWAY)


O Clube Varsóvia estava quase vazio naquela noite. Era feriado na cidade e, portanto, as poucas almas que habitavam o Clube haviam partido para outros endereços, outros lugares, outras vidas. Mas, apesar disso, dessa tranqüilidade inesperada, a noite estava agradável no Varsóvia. Uma noite realmente agradável. E surpreendente.

No centro da pista estava ela. Dançando e cantando e vivendo e sendo feliz, na medida do possível, na medida do que lhe era permitido ser. E enquanto dançava e pulava, acompanhada apenas de um copo de vodka, ela foi interrompida por um adorável moço estranho, um adorável moço desconhecido.

- Oi – ele disse, tímido e desconfiado, como não querendo, mas, no fundo, desejando ardentemente interrompê-la.
- Oi – ela respondeu
- Você dança muito bem – ele disse, sorrindo.

Ela o olhou com atenção e respondeu direta – Nem tanto, nem tanto. Apenas danço com vontade. Veja bem – disse enquanto saltitava - Eu apenas pulo de um lado para o outro, sem o menor critério, e chuto o ar, também sem o menor ensaio, e fico aqui, quieta no meu canto, orando fervorosamente para não acertar ninguém que queira me bater depois, caso isso aconteça – riu da própria piada.
Ele devolveu o sorriso e disse – Que viagem. Ninguém seria capaz de se incomodar com você. Essa pista fica tão mais linda com você deslizando sobre ela.

Ela sorriu da cantada rasteira e nada disse. Apenas observou melhor aquele lindo garoto plantado à sua frente. Afastou seus tolos pensamentos de que não era capaz de interessar a alguém tão bonito e perguntou – Vamos tomar alguma coisa?
- Não. Mais tarde. Ensina-me a dançar? – ele pediu
Ela olhou surpresa para aquele menino lindo e consentiu com a cabeça, meio sem jeito, meio sem graça.
- O que você quer aprender a dançar? – ela perguntou
- Espera aí – ele disse, indo em direção ao DJ para falar baixinho ao seu ouvido.
Ela o aguardou curiosa e tão logo ele se aproximou ela disse – O que você pediu ao DJ?
Ele a olhou com segurança e disse – Apenas uma música – e sorriu
- Posso saber que tipo – ela insistiu.
Assim que começaram os primeiros acordes, ela ficou surpresa. Feliz e surpresa. Como por encanto, ele havia escolhido uma de suas músicas prediletas. Uma de suas músicas favoritas. - - O tipo de música? – ele disse - Música para ser feliz. Apenas música para beijar a moça mais bonita do baile e dizer que o sol pode significar muito mais do que um outro dia. Só isso.

E enquanto beijavam-se, os seus pensamentos afogaram-se em sorrisos e ela decidiu, naquela pista, jamais deixar de confiar na única pessoa em que poderia confiar para ser feliz. Ela própria...



WALK AWAY
(Ben Harper)


Oh no
Here comes that sun again
That means another day
Without you my friend
And it hurts me
To look into the mirror at myself
And it hurts even more
To have to be with somebody else
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
With so many people
To love in my life
Why do I worry
About one
But you put the happy
In my ness
You put the good times
Into my fun
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
And head for the door
We've tried the goodbye
So many days
We walk in the same direction
So that we could never stray
They say if you love somebody
Than you have got to set them free
But I would rather be locked to you
Than live in this pain and misery
They say time will
Make all this go away
But it's time that has taken my tomorrows
And turned them into yesterdays
And once again that rising sun
Is droppin' on down
And once again you my friend
Are nowhere to be found
And it's so hard to do
And so easy to say
But sometimes
Sometimes you just have to walk away
Walk away
And head for the door
You just walk away
Walk away


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…