Pular para o conteúdo principal
QUANDO AS GARRAFAS NÃO PRODUZEM ESTILHAÇOS

- Olha só, está vendo? Na ponta dos pés – ela disse, quase gargalhando e com a voz mais turva possível.
Ele sorriu vendo aquela garota linda, de cabelos escuros como a noite, tentando se equilibrar sobre uma garrafa de champanhe das mais vagabundas em uma praça deserta de algum bairro residencial e chato da cidade - Você está bêbada, querida. Pode se machucar. Melhor parar.
- Feliz ano novo! Feliz ano novo. Feliz ano novo para todos os imbecis do mundo – ela gritava - Eu falei que devíamos viajar. Quem mandou ficarmos nessa porra de cidade nessa data tão fucking special? Agora é isso. Você vai ter que aturar a sua melhor amiga aqui, completamente bêbada e transtornando a sua vida – ela emendou, irônica.
- Bem, ao menos você está tornando um pouco mais divertido esse pé no saco de reveillon – ele concordou.
- Obrigado. Obrigado. Uma salva de palmas para mim. Eu mereço.
- E cá estamos nós. Na primeira madrugada do ano. Ouvindo fogos e gritos idiotas e buzinas descompensadas e sirenes de emergência e sambas enredo insuportáveis. Mais uma vez, sozinhos. Mais uma vez, bêbados. Mais uma vez, contando só um com o outro – ele disse, enquanto acendia o décimo cigarro da noite.
Ela desistiu da garrafa de champanhe, ajoelhou na grama úmida pela noite e o encarou de um modo fixo, curioso, tentando não parecer muito bêbada.
- O que está olhando? – ele perguntou.
- Posso te falar uma coisa? Você jura que morre aqui. Entre nós? – ela pediu, séria.
- Claro. Óbvio. Primeira promessa de ano novo – ele brincou.
- Não. É sério – ela disse.
- Claro. Pode dizer. Morre aqui. Entre nós.
- Em determinado momento desse ano, eu pensei, quero dizer, eu tive a certeza de que jamais veria um outro ano novo, um outro reveillon. Eu tive a certeza de que não teria mais essas pequenas sensações. Esses pequenos prazeres. Não havia nada disso em minha mente, só a certeza de que eu não teria mais nada. Entende?
Ele consentiu com a cabeça, triste.
- Então, eu preciso te dizer – ela continuou – Que eu só estou aqui agora por sua causa. E as marcas de barro e grama no meu corpo são bem mais felizes do que qualquer outra marca que eu poderia fazer. Devo isso a você. A alegria de estar bêbada num reveillon nesta cidade insuportável. Obrigado. Mesmo.
Ele não disse nada. Com lágrimas nos olhos apenas jogou um beijo no ar, prontamente “agarrado” por ela.
Ela se levantou imediatamente, tentou esconder as lágrimas e disse, rápida - Ei, veja. Na ponta dos pés novamente – gritou, voltando mais uma vez a sua atenção para a garrafa de champanhe.
- Que tal abrirmos uma nova? – ele sugeriu – Celebramos e aposto que nessa, depois de vazia, você consegue subir.
Ela apenas sorriu e disse - Com certeza... com certeza... basta você estar por perto...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

kate bollinger || candy- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só preciso …

ERA O QUE FARIA LOU REED

antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber isso. Ela…

E COMO FUGIMOS DAS SOMBRAS?

jye || a shitty love song

E o que eu faço porra?” – ele pensou em desespero, atônito e surpreso ao se dar conta do que ela tinha acabado de presenciar. “Como eu fujo daqui? Como eu fujo da minha própria sombra?” – continuou em pensamento. Suando demais. Suando muito, porém muito mais em razão do desespero do que das doses que havia bebido e das danças que havia dançado. Não sabia o que fazer. Definitivamente não sabia o que fazer. Na verdade não havia o que fazer. Não havia. Simples assim. O erro já havia sido cometido. O erro já estava pronto e acabado. Um delicado e especial presente, gentilmente embrulhado em papel de seda colorida em rosa e violeta, entregue a ele por Blodeuwedd, a irresistível deusa galesa. Um presente. Rosa e violeta. Um presente. Um erro. Mais um erro, mais um. Irremediável? Talvez. Inconsequente? Com certeza. Típico? Típico, sim. Típico dele. Ela? Considerando a velocidade em que ele a viu pelas costas deixando a pista em direção à saída, com certeza a esta altura ela já havia …