Pular para o conteúdo principal
ESCOLHAS, APENAS MALDITAS ESCOLHAS

- Então, vamos combinar uma coisa? - ela disse, toda confusa, toda triste, toda encantada, toda decepção.
- O quê - ele perguntou, todo confuso, todo triste, todo encantado, todo decepção.
- Daqui a uns doze, treze, quinze meses, o tempo você me diz agora, nos encontramos aqui, neste bar, neste mesmo horário, que tal?
Ele olhou para os seus olhos pretos, lindos, e emendou, meio sem jeito, sem esperança - Mas, e se eu nem voltar? Você vai apenas esperar sozinha. Não quero isso, apesar de tudo.
Ela odiou aquela crueldade tola e tentou, em vão, esconder as lágrimas que explodiam em seus olhos pretos, lindos, doloridos. Ficou em silêncio.
- Não dá para combinarmos nada. Nada mesmo. Você entende? Apenas posso prometer que vou te escrever.
Ela o olhou com raiva, com dor, como se fosse matá-lo - Não - quase gritou.
- Não? - ele perguntou, surpreso.
- Não. Não quero cartas, cartões postais, palavras escritas de favor. Palavras escritas com pena. Palavras escritas com culpa. Malditas palavras escritas. Prefiro as boas lembranças, prefiro apenas as suas boas lembranças.
Ele entendeu com a cabeça e nada disse. Não quis se defender.
- A melhor combinação entre nós é deixar de combinar qualquer coisa - ela decidiu.
- Então, ficamos como? Apenas assim? Acabados?
- Você decidiu viajar, você decidiu sumir, você decidiu o que quis da sua vida e sequer me perguntou o que eu achava. Então...
- Ei - ele a interrompeu - Isso não é verdade. Você podia ter vindo junto.
- Você não desistiria desta porra de aventura por mim, certo? - ela perguntou.
- Não - ele respondeu, seco e sem enrolar.
- Então, acho que é isto. Melhor ir, acho que daqui a pouco seu vôo parte.

E houve abraços e lágrimas e despedidas e muita, mas muita mágoa e ressentimento.

Momento de adeus.

E enquanto ela andava em direção à saída, amassou e jogou a passagem áerea guardada em seu bolso no cesto de lixo mais próximo.

Colocou seus óculos escuros, acendeu um cigarro e decidiu que estava aliviada por ter escolhido, pela primeira vez em toda a porra da sua vidae ainda que à custa de muita dor, o seu próprio destino.


foto: raquel avani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…