Pular para o conteúdo principal
DEDILHADO EM NOITE MOLHADA E FRIA
(não tão molhada e, também, não tão fria)


boomp3.com

A noite estava molhada e fria.
Não tão fria, para falar a verdade, e também nem tão molhada.
A impressão de umidade e gelo era menos real e mais fantástica.
Era conseqüência da chuva fina, porém intensa, que havia parado de desabar há pouco na cidade cinza.
O asfalto, palco, tornou-se brilhante, vivo e aceso. Um mosaico de cores e texturas. Um carrossel de delírios e reflexos.
Palco perfeito para putas, drug dealers, travestis, ingênuos, vividos, enfim, toda sorte de pessoas. Normais ou não.
O asfalto, ainda úmido, tornou-se espelho. Espelho de rostos desconhecidos, de desejos lascivos e impertinentes. Desejos típicos e comuns. Desejos devassos e sinceros.
Solidão e medo.
Medo da luz e do que se pode ver com ela.
Medo e desejo.
Enfim, a noite no centro velho da cidade cinza estava molhada e fria.
Não tão fria, para falar a verdade, e também nem tão mais molhada.
E ele, sozinho, da sacada pequena do seu apartamento observava a noite na metrópole. A noite como só percebida em filmes noir, filmes B, filmes antigos, filmes bobos, filmes p&b, filmes sobre amores desfeitos.
Ele, sozinho.
Sozinho à própria sorte. Sozinho ao próprio azar.
Na companhia dos sonhos e do medo.
Na companhia do violão clássico que rasgava o alto falante da jukebox semi-quebrada que “enfeitava” a sala única do apartamento.
E o vinil velho rodava e rodava e rodava e rodava sem parar no toca-discos (Deus, ainda se usa toca-discos?). Um álbum qualquer de um violonista qualquer dos anos setenta. Anos em que ele foi garoto. Anos em que ele foi feliz (talvez).
E enquanto o vinil rodava e rodava e rodava e rodava sem parar no toca-discos e o dedilhado do violão era implacavelmente delicioso, o pensamento dele era apenas descompassado.
Pensamentos vagabundos e desimportantes.
Pensamentos idiotas.
O cigarro, acabando.
A bebida? Não.
"Prefiro morrer de vodka do que de tédio".
Alguém disse isso, mas provavelmente morreu de vodka e de tédio.
E no meio da ciranda imbecil de pensamentos escrotos, ele percebeu a garota loira emoldurada na janela do prédio em frente ao seu.
Grata surpresa.
Delicioso presente em uma noite fria e molhada.
Não tão fria, para falar a verdade, e também nada mais molhada.
Uma garota loira.
Linda.
Cabelos compridos e soltos, com o olhar perdido na cidade.
Exatamente como ele.
Viva.
Não exatamente como ele.
E ele olhou fixamente, apenas para tentar adivinhar o que ela vestia embaixo da regata. Uma calça? Calcinha? De que cor? Pijama? Nada? Que bom.
E prosseguiu na sua veloz loucura, tentando imaginar o ambiente daquela garota. Como era o seu habitat. Como era o apartamento, se ela estava sozinha, o que gostava de fazer quando estava em casa, o que gostava de ouvir, beber, fumar, etc etc etc etc etc, enfim o que ERA aquela garota.
Do nada, tudo mudou.
Ela o percebeu.
Óbvio.
Ela o percebeu ali.
Um estorvo.
Quieto. Sentado e fumando e olhando com fome em sua direção.
Ela simplesmente virou o olhar para a cidade, sem se importar com a presença dele.
Ele sorriu, idiota.
Ela o ignorou, soberba.
Ele concluiu que ela realmente devia ser linda.
Ela nem se deu ao trabalho.
E por instantes, a única realidade era o dedilhado e o sangue nas cordas.
O violão rasgando seus ouvidos, a fumaça abrindo seu pulmões e ele, queimando seus desejos.
Brusca, ela virou.
Olhou em sua direção e deu adeus com um sorriso lindo, suave e doce.
Um sorriso tenro, porém cruel.
Tortura.
Ele quis dizer qualquer coisa e ficou mudo.
Ela? Apenas se virou e entrou no seu apartamento.
Estava cansada da noite.
Ele quis gritar para ela ficar apenas ali. Parada e observando. Imóvel retrato.
Porém, ele nada disse, como sempre em sua vida.
Como em todos os momentos.
Nada de viver e tentar.
Nada.
Mais uma vez a personagem foi a noite.
Uma noite fria e molhada.
Não tão fria, repito, e também nada molhada
E novamente, a única realidade era o dedilhado e o sangue nas cordas.
O delicioso violão clássico rasgando os seus ouvidos, a fumaça abrindo seu pulmões e a cabeça queimando de desejos.
...
Ela nunca mais apareceu na porra da janela.
Ele também nunca quis se arriscar a olhar.
No final das contas, sabia que podia contar com os adoráveis sons de violão.
Adoráveis sons de violão...

Comentários

ah_sei_lah disse…
Milagre! Milagre! Ele publicou um doas 4372 textos que tem guardados na gaveta!
Tô indo pra SP amanhã, wish me luck rs
Besos
Nina 512 disse…
amei o texto.
pensei que tivesse abandonado o blog de vez "dessa vez".
espero e creio que não.
e como sempre, abandonado ou não, leio e releio tudo o que aqui foi deixado.

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…