Pular para o conteúdo principal
PAPEL MOLHADO

Boomp3.com

- Você vai? - ele perguntou.
- Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa.
- Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei.
- Vá! – ela pediu – Vou gostar disso.
- Devo? – ele perguntou.
- Claro. Acho que deve. Mas você decide.
- Bem, então ta. Nos falamos.
- Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone.

A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu.
Ela?
Ela aguardava ele.
Ele?
Não chegava.
Ela bebia vodka.
Ele ainda não chegava.
Ela fumava cigarros e maconha.
Ele?
Claro que não.
Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio.
E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia.
Lá fora, a chuva estava infernal.
Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pára-brisa. Ligou o limpador ficou ainda mais puta “Guarda imbecil. Só um filho da puta para multar com uma chuva destas”.

Foi embora.

Ao chegar em casa, trôpega, retirou com fúria os restos de papel colados ao pára-brisa. Jogo a massa fora e sequer viu do que se tratava.
Subiu direto e jogou-se na cama como se a mesma fosse um troféu. Uma medalha de honra ao mérito por erros de amor.
E apagou rapidamente, com sua saia rodada e suas meias arrastão, tendo a certeza de que jamais o veria de novo.
Não sonhou.

Lá fora, no lixo, a mensagem contida numa massa disforme enrugada era clara. Bastante clara: “Vim. Vim, porém decidi não entrar. Prefiro você sozinha a não perto da Lu. Quero você. Muito. Pensa no que quer. Me liga amanhã. Do contrário, volto em seis meses. Madri é logo ali. Beijos enormes”.

E no resto daquela madrugada, enquanto ela dormia e ele ouvia Bowie, a chuva caía sem parar. Não mais por capricho da natureza, mas apenas por lágrimas de anjos novos manhosos. Ainda desacostumados a desencontros de amor. Insensíveis e impotentes e, principalmente, desacostumados a desencontros de amor...

Comentários

Anônimo disse…
Aaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiii... Essa foi de cortar o coração. *sigh*
carol disse…
sempre corro pra cá com os dedos rápidos... "será que ela atualizou"? e, de repente... nada.
droga.
rs
carol disse…
bem, quando se tem idéias o tempo é o que menos conta. dois minutos pra descrever emoções de dois anos. pelo menos comigo é assim rs uma sacada, um cigarro e a música certa. dois minutos.
mas... ajudar? acho que sou meio apaixonada por você - ou pelos seus personagens...não sei ao certo. então, aproveite-se da situação e disponha. haha
beijos
Cecília Veloso disse…
meu Deus... até hj vc escreve?
que lindo encontrarrr seu blog...
acho que não vai lembrar de mim...
mas vou te colocar como favorito no meu blog
pq sempre será meu favorito
saudade...
Anônimo disse…
eu acho que to morrendo...
Frexxxx disse…
eu disse que faria outro blog
;)

eu amo meus "queridos diários"

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis