Pular para o conteúdo principal

SURPRESAS... SURPRESAS...


Ela estava triste. Muito triste. E cá para nós, ninguém pode se permitir ser triste no verão. Não no verão. Você pode ser triste em dias cor cinza, em dias chuvosos, em dias solitários, em dias cruéis, mas não no verão. Nunca. Nunca no verão. Mas ela, coitada, estava triste. Muito triste. Mesmo em pleno verão. Até o telefone tocar.
- Alô – atendeu sem a menor vontade, sem o menor saco, sem a menor amizade, achando ser, mais uma vez, algum representante do seu banco cobrando o cheque especial já estouradíssimo antes de o mês começar.
- Leca? – perguntou a suavemente rouca e doce voz feminina do outro lado da linha.
Leca suspirou sem paciência e respondeu rude – Você que me ligou. Com quem quer falar?
- Oi Leca, sempre a mesma, hein? A aspereza em forma de mulher. Sempre armada – brincou a voz doce do outro lado antes de dizer – Sou eu, a Bia. Esqueceu da minha voz?
Um arrepio atravessou as costelas de Leca. Um arrepio intenso e devastador. Como ela não havia reconhecido aquela voz? Como? Como não desligou imediatamente? Como? Permaneceu em silêncio.
- Então Leca, não vai dizer um “alô” sequer? – perguntou Bia, atrevida e provocante.
- Oi Bia – respondeu Leca após um breve suspiro e tentando disfarçar a voz trêmula e hesitante – Tudo bem com você? – perguntou sem vontade.
- Tudo excelente. Tudo excelente. Verão, não é? Dias de alegria, sorrisos e felicidades. Muitas felicidades e coisas boas.
Leca olhou para o teto quase em desespero e disse – Não sei. Não sei. Não acho tudo isso não. Acho um porre tais alegrias forçadas. Verão? Que se dane – prosseguiu.
Bia sorriu alto ao telefone e emendou com carinho – Eu sei querida, eu sei. Você sempre odiou o Reveillon. Lembra? Costumava odiar a obrigação de ser ou estar feliz na data. Lembra?
Os olhos de Leca ficaram repletos de lágrimas, porém ela segurou a onda no timbre de voz – Claro que lembro Bia. Claro que lembro. Você lembra que uma viagem de Reveillon foi a nossa última? A nossa última viagem. Não chegamos ao próximo Carnaval. Lembra? Você e aquela sua maldita banda animando bêbados imbecis na praia. Lembra?
Bia prendeu a respiração e nada disse. Tentou conter-se ao rever o filme em sua mente.
- Então? – prosseguiu Leca – Você é que não vai me dizer nem um “alô” agora? O que houve? – perguntou ácida – Não quer falar?
Bia suspirou e disse com calma – Escute Leca. Deixa isto para lá agora, por favor. Quero te fazer um convite. Apenas isto. E só podia ser assim, te ligando de surpresa mesmo, pois de outra forma você não iria nem me responder.
- Um convite? – perguntou Leca – Sobre?
- Amanhã, às onze da noite vai ter a festa da Eduarda no Clube Varsóvia...
- E? – interrompeu Leca
- Gostaria muito que você fosse. Muito mesmo.
- Eu? No Clube Varsóvia depois de todo este tempo? Ainda mais com você por lá? – perguntou com fina ironia Leca.
- Exato. Comigo lá.
Leca gargalhou ao telefone e respondeu – Nem sonhando. Esquece – respondeu.
- Por favor, Leca – insistiu Bia – Tem uma surpresa para você. Uma surpresa muito grande. Gostaria muito que fosse.
- Olha Bia, vou pensar ok? Não garanto absolutamente nada. Sequer se estarei viva amanhã. Sequer isto.
- Por favor. – insistiu Bia – Por favor. Pensa com carinho. É muito importante, mas muito importante mesmo. Para nós.
Leca respirou fundo, indecisa. Apenas respondeu – Ok Bia. Vou pensar. Vou pensar.
- Beijo meu amor – disse Bia antes de desligar.
Leca nada respondeu.

Leca pensou?
Muito e muito e muito. Insana, sozinha e em claro.
Bia acreditou?
Bastante. Com muita esperança. Insana, sozinha e em claro.
Leca foi?
Não. Claro que não.
Bia chorou?
Horrores. Claro que sim.
A surpresa?
Leca jamais soube. Leca jamais soube e até o fim corroeu-se por isso. Maldito orgulho.
A supresa?
Bia jamais contou. Maldito orgulho.
E elas?
Bem, elas jamais se falaram novamente. Jamais se falaram novamente...





Comentários

Anônimo disse…
Belíssimo...
biaca disse…
Saudades do Clube Varsóvia.
biaca disse…
bianca.pimentelcerqueira@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

O FIM

Este site acaba (acaba?) aqui Como começou. De forma rápida, discreta, surpreendente e sem nenhum alarde. E agora, depois de quase vinte anos, ele vai embora da mesma forma rápida e discreta, mas... (pausa dramática) ...com uma tremenda diferença. Agora, com MUITO alarde, este site acaba aqui, mas suas ideias vão continuar no ar. “Outro Endereço, Outra Vida” como já dizia o título da canção da banda Fellini. O Somente Varsóvia , bem como o Clube Varsóvia com as suas festas, suas lágrimas, seus encontros, seus desencontros, vai continuar a existir nas mentes deliciosas de vocês e, a partir de agora, no site: UNANIMIDADE EM VARSÓVIA Sim, com muita honra e privilégio eu e Lúcio Goldfarb, escritor, diretor e muito mais, juntamos os nossos sites. Ele, que escreve desde 2013 o seu Toda Unanimidade e eu, que escrevo o meu Somente Varsóvia desde 2003, fundimos nossos espaços para dar lugar ao UNANIMIDADE EM VARSÓVIA, site no qual escreveremos e compartilharemos nossos textos, letras, vídeos,