Pular para o conteúdo principal

NEON GUIPURE


OUÇA: killkiyoshi || if only zamboni
Quatro e quatorze da madrugada e lá estava ele, todo aceso, encostado próximo à janela e olhando na direção da cama, admirado.
Admirando-a.
Ela.
Ela estava lá, desajeitada sobre a cama e dormindo de forma profunda, quase desnuda, toda linda.
Desarmada.
Quatro e quinze da madrugada e aquilo não era insônia.
Não, não era insônia.
Definitivamente não.
Não mesmo.
Era felicidade.
Apenas felicidade.
Quatro e dezesseis da madrugada e lá estava ele, despido, segurando um copo de vodka com as mãos que ele sorvia em breves e cuidadosos goles.
Bebia lentamente a generosa dose vodka, de modo intencional.
Pretendia retardar, ao máximo, a perda do sabor daquela linda garota ainda impregnado em seus lábios.
Não quis acender um cigarro para não perturbá-la.
Não quis nem pensar em arriscar acordá-la.
Seria um crime.
O crime do século, desconstruir aquela cena.
Cena adorável.
Adoravelmente bela.
Encantadora.
Quatro e dezessete e o que mais ele podia querer, além do que já possuía naquele exato instante? Naquele exato momento da madrugada?
Quatro e dezoito e ela, toda linda, ao alcance dos seus olhos.
O perfume suave e com toques doces exalava da sua delicada pele, sobressaindo no ambiente e afastando o aroma urgente do sexo apaixonado há pouco praticado.
Quatro e dezenove da madrugada e a luz do letreiro do prédio comercial vizinho invadia, sem cerimônia ou permissão, aquele aconchegante quarto de apartamento e abraçava a delicada renda guipure envolta no corpo dormido dela.
Uma dança sensual de luz neon sobre um palco de renda guipure.
Como se fosse possível.
E era.
Quatro e vinte e ele estava acordado.
Mais do que nunca.
Mais do que nunca.
Acordado e feliz.
Feliz.
Bastante feliz.
Espectador de uma cena adorável.
Cena de algum belo e inédito filme antigo.
Coadjuvante de uma cena explícita de amor.
Ele, o coadjuvante.
Ela, a protagonista.
Sem dúvida alguma.
O neon?
O neon era a fotografia.
E a renda guipure o figurino ideal, a moldura perfeita para aquele quadro de paixão.
Uma bela tela de cinema real.
O mais belo quadro.
A mais bela tela.
Ela.
Quatro e quarenta e nove; quatro e cinquenta e dois; quatro e cinquenta e oito; cinquenta e nove; e, ele, ainda estava lá.
Ainda acordado e com o mesmo, exatamente o mesmo, sorriso no rosto, apenas desejando em pensamento que o relógio parasse, ainda que por mais vinte e tantas horas.
E isso não era pedir demais.
Definitivamente, não era pedir demais.




Photo by Shonna  Clark from FreeImages


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a