Pular para o conteúdo principal

SOPHIE DÉJÀ-VU



- Te conheço, não é? – ele perguntou de modo suave e alegre, logo atrás daquela garota alta de cabelos castanhos à sua frente na fila do balcão do bar.
Três da madrugada e a fila do balcão do bar do Clube Varsóvia era o lugar a não se estar, seja pelo excesso de gente, seja pelo excesso de sede.
Calor na madrugada de quinta-feira.
Ela parou a conversa com sua amiga e virou apenas um pouco a sua cabeça, desviando o olhar apenas o mínimo necessário para observá-lo. Sem nem um sorriso ou simpatia, respondeu direta – Não.
Ele a olhou com certa surpresa e retrucou – Não? Mas você sequer me olhou direito. Não prestou atenção, fala a verdade – ele afirmou querendo ser simpático.
Ela virou mais uma vez e o olhou com atenção. Dessa vez, fez de tal forma que ele realmente percebesse que ela o observou com cuidado e disse novamente – Não. Não te conheço – sentenciou.
Ele não desistiu do sorriso e disse – Ah, talvez seja por causa do horário, né? Já está tarde e com o Clube Varsóvia tão cheio hoje, você já deve ter bebido várias vodcas. Bem, sem querer ser indelicado, mas é o que moças bonitas como você fazem aqui no Varsóvia – completou com um sorriso doce.
Ela não achou muita graça no comentário e respondeu – Eu só bebo água com gás. Quer checar minha comanda? – disse ríspida.
Ele a olhou com ainda mais um sorriso franco e emendou – Melhor ainda. Adoro água com gás. Vai ver é daí que te conheço.
- Não, não deve ser. Provavelmente eu me lembraria – ela disse, olhando para ele agora com curiosidade.
- Bem, então da onde deve ser? – ele perguntou, sentindo uma esperança no ar.
Ela o encarou sem paciência, pois o breve momento de chance que ele teve com ela passou, veloz como veio e disse- De lugar nenhum, com certeza. Nunca te vi. Espero que encontre quem procura – finalizou, virando novamente para o bar.
Ele desistiu do sorriso e fez um gesto ondulado e cordial de despedida com as mãos e disse – “C'est la vie, belle Mademoiselle. C'est la vie”.
E partiu em direção à pista.
Ao ouvir aquela frase, em francês perfeito, ela assustou.
Sentiu a sua nuca rígida e percebeu como ficou arrepiada.
Como um toque de mágica.
Algo que ela viveu sem lembrar.
Mágica.
- Vai querer o que? – o som de uma voz grossa e cansada invadiu os seus ouvidos e ela, finalmente, percebeu que chegou a vez de pedir a sua água com gás.
- Uma vodca, por favor – pediu ao bartender.
- Vodca Sophie? Vodca? – Não ia beber água? – disse Carol, a amiga que estava ao seu lado e testemunhou a cena.
- Não – respondeu distante, olhando para trás e procurando aquele sujeito que estava logo atrás dela.
Carol a olhou estranha e disse – O que houve? Você conhece aquele cara, afinal?
Ela tremeu ao lembrar daquela voz, daquele tom e sentiu saudade de algo que não viveu.
Em tom desconcertado respondeu – Não. Claro que não. É alguma cantada barata. Vamos dançar? 

E enquanto ela dançava com Carol e os seus olhos viajavam pelo Clube em vão, à procura de alguém que não mais estava lá, ela apenas pensou – Não. Deixa de ser boba. Não pode ser. Claro que não. Claro que não.
E não sorriu, quase chorou.

E quem, além do nosso coração, pode garantir que sentimos o que sentimos, não é mesmo?
Quem?



Photo by Stephen Davies from FreeImages

Comentários

Lúcio disse…
Não tem botão de curtir nessa plataforma?
Unknown disse…
Amei ⚘

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis