Pular para o conteúdo principal

SOPHIE DÉJÀ-VU



- Te conheço, não é? – ele perguntou de modo suave e alegre, logo atrás daquela garota alta de cabelos castanhos à sua frente na fila do balcão do bar.
Três da madrugada e a fila do balcão do bar do Clube Varsóvia era o lugar a não se estar, seja pelo excesso de gente, seja pelo excesso de sede.
Calor na madrugada de quinta-feira.
Ela parou a conversa com sua amiga e virou apenas um pouco a sua cabeça, desviando o olhar apenas o mínimo necessário para observá-lo. Sem nem um sorriso ou simpatia, respondeu direta – Não.
Ele a olhou com certa surpresa e retrucou – Não? Mas você sequer me olhou direito. Não prestou atenção, fala a verdade – ele afirmou querendo ser simpático.
Ela virou mais uma vez e o olhou com atenção. Dessa vez, fez de tal forma que ele realmente percebesse que ela o observou com cuidado e disse novamente – Não. Não te conheço – sentenciou.
Ele não desistiu do sorriso e disse – Ah, talvez seja por causa do horário, né? Já está tarde e com o Clube Varsóvia tão cheio hoje, você já deve ter bebido várias vodcas. Bem, sem querer ser indelicado, mas é o que moças bonitas como você fazem aqui no Varsóvia – completou com um sorriso doce.
Ela não achou muita graça no comentário e respondeu – Eu só bebo água com gás. Quer checar minha comanda? – disse ríspida.
Ele a olhou com ainda mais um sorriso franco e emendou – Melhor ainda. Adoro água com gás. Vai ver é daí que te conheço.
- Não, não deve ser. Provavelmente eu me lembraria – ela disse, olhando para ele agora com curiosidade.
- Bem, então da onde deve ser? – ele perguntou, sentindo uma esperança no ar.
Ela o encarou sem paciência, pois o breve momento de chance que ele teve com ela passou, veloz como veio e disse- De lugar nenhum, com certeza. Nunca te vi. Espero que encontre quem procura – finalizou, virando novamente para o bar.
Ele desistiu do sorriso e fez um gesto ondulado e cordial de despedida com as mãos e disse – “C'est la vie, belle Mademoiselle. C'est la vie”.
E partiu em direção à pista.
Ao ouvir aquela frase, em francês perfeito, ela assustou.
Sentiu a sua nuca rígida e percebeu como ficou arrepiada.
Como um toque de mágica.
Algo que ela viveu sem lembrar.
Mágica.
- Vai querer o que? – o som de uma voz grossa e cansada invadiu os seus ouvidos e ela, finalmente, percebeu que chegou a vez de pedir a sua água com gás.
- Uma vodca, por favor – pediu ao bartender.
- Vodca Sophie? Vodca? – Não ia beber água? – disse Carol, a amiga que estava ao seu lado e testemunhou a cena.
- Não – respondeu distante, olhando para trás e procurando aquele sujeito que estava logo atrás dela.
Carol a olhou estranha e disse – O que houve? Você conhece aquele cara, afinal?
Ela tremeu ao lembrar daquela voz, daquele tom e sentiu saudade de algo que não viveu.
Em tom desconcertado respondeu – Não. Claro que não. É alguma cantada barata. Vamos dançar? 

E enquanto ela dançava com Carol e os seus olhos viajavam pelo Clube em vão, à procura de alguém que não mais estava lá, ela apenas pensou – Não. Deixa de ser boba. Não pode ser. Claro que não. Claro que não.
E não sorriu, quase chorou.

E quem, além do nosso coração, pode garantir que sentimos o que sentimos, não é mesmo?
Quem?



Photo by Stephen Davies from FreeImages

Comentários

Lúcio disse…
Não tem botão de curtir nessa plataforma?
Unknown disse…
Amei ⚘

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…