Pular para o conteúdo principal

SOPHIE DÉJÀ-VU



- Te conheço, não é? – ele perguntou de modo suave e alegre, logo atrás daquela garota alta de cabelos castanhos à sua frente na fila do balcão do bar.
Três da madrugada e a fila do balcão do bar do Clube Varsóvia era o lugar a não se estar, seja pelo excesso de gente, seja pelo excesso de sede.
Calor na madrugada de quinta-feira.
Ela parou a conversa com sua amiga e virou apenas um pouco a sua cabeça, desviando o olhar apenas o mínimo necessário para observá-lo. Sem nem um sorriso ou simpatia, respondeu direta – Não.
Ele a olhou com certa surpresa e retrucou – Não? Mas você sequer me olhou direito. Não prestou atenção, fala a verdade – ele afirmou querendo ser simpático.
Ela virou mais uma vez e o olhou com atenção. Dessa vez, fez de tal forma que ele realmente percebesse que ela o observou com cuidado e disse novamente – Não. Não te conheço – sentenciou.
Ele não desistiu do sorriso e disse – Ah, talvez seja por causa do horário, né? Já está tarde e com o Clube Varsóvia tão cheio hoje, você já deve ter bebido várias vodcas. Bem, sem querer ser indelicado, mas é o que moças bonitas como você fazem aqui no Varsóvia – completou com um sorriso doce.
Ela não achou muita graça no comentário e respondeu – Eu só bebo água com gás. Quer checar minha comanda? – disse ríspida.
Ele a olhou com ainda mais um sorriso franco e emendou – Melhor ainda. Adoro água com gás. Vai ver é daí que te conheço.
- Não, não deve ser. Provavelmente eu me lembraria – ela disse, olhando para ele agora com curiosidade.
- Bem, então da onde deve ser? – ele perguntou, sentindo uma esperança no ar.
Ela o encarou sem paciência, pois o breve momento de chance que ele teve com ela passou, veloz como veio e disse- De lugar nenhum, com certeza. Nunca te vi. Espero que encontre quem procura – finalizou, virando novamente para o bar.
Ele desistiu do sorriso e fez um gesto ondulado e cordial de despedida com as mãos e disse – “C'est la vie, belle Mademoiselle. C'est la vie”.
E partiu em direção à pista.
Ao ouvir aquela frase, em francês perfeito, ela assustou.
Sentiu a sua nuca rígida e percebeu como ficou arrepiada.
Como um toque de mágica.
Algo que ela viveu sem lembrar.
Mágica.
- Vai querer o que? – o som de uma voz grossa e cansada invadiu os seus ouvidos e ela, finalmente, percebeu que chegou a vez de pedir a sua água com gás.
- Uma vodca, por favor – pediu ao bartender.
- Vodca Sophie? Vodca? – Não ia beber água? – disse Carol, a amiga que estava ao seu lado e testemunhou a cena.
- Não – respondeu distante, olhando para trás e procurando aquele sujeito que estava logo atrás dela.
Carol a olhou estranha e disse – O que houve? Você conhece aquele cara, afinal?
Ela tremeu ao lembrar daquela voz, daquele tom e sentiu saudade de algo que não viveu.
Em tom desconcertado respondeu – Não. Claro que não. É alguma cantada barata. Vamos dançar? 

E enquanto ela dançava com Carol e os seus olhos viajavam pelo Clube em vão, à procura de alguém que não mais estava lá, ela apenas pensou – Não. Deixa de ser boba. Não pode ser. Claro que não. Claro que não.
E não sorriu, quase chorou.

E quem, além do nosso coração, pode garantir que sentimos o que sentimos, não é mesmo?
Quem?



Photo by Stephen Davies from FreeImages

Comentários

Lúcio disse…
Não tem botão de curtir nessa plataforma?
Unknown disse…
Amei ⚘

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a