Pular para o conteúdo principal

SORRISO ORNAMENTAL


O suor escorria pela sua testa. Intenso. Vivo. Gotas nada discretas e insistentes teimavam em escapar por entre os espaços formados entre a sua touca de mergulho e os seus cabelos (mal) presos. A plataforma era alta. Bastante alta. Altura suficiente para dar medo. Algum medo. E o suor? Bem, por enquanto ele continuaria por lá, lutando contra a teia de silicone de sua touca. Desistiu de pensar nisso. Ela nem se importava mais. Sabia que deveria prestar atenção na técnica, leveza, plasticidade e flexibilidade que não teve, por exemplo, ao longo do seu relacionamento com ele, ao longo de todo o tempo que estiveram juntos. Todo aquele tempo que simplesmente derreteu por um desacerto aqui, um desencontro ali, ou o que quer tenha acontecido entre eles. Todo aquele tempo tão cheio de tudo e que agora, há pouco, virou nada. Quase nada. Queria esquecer. Porra, isso não é hora de lembrar dele – ela pensou com aflição. Voltou ao suor. O suor que deslizava pela testa. Um baile não planejado riscando o seu rosto. Gotas ainda menos discretas e muito mais que insistentes. Alta. A plataforma era alta. Bastante alta, bastante o suficiente para qualquer coisa, qualquer salto, qualquer coreografia aérea que ela desejasse experimentar. Lágrimas? Bem, as lágrimas eram mais insistentes que o suor e tão inevitáveis como os pensamentos que ela queria afastar. Mas tudo estava lá. Claro. Tudo junto e ao mesmo tempo, fazendo companhia a ela sobre a plataforma naquela manhã de domingo. Uma manhã de domingo diante de desconhecidos desimportantes que não sabiam absolutamente nada sobre o que ela pensava ou como ela se sentia. Não fazia diferença alguma. O que ela, plateia, precisava saber era apenas e tão somente se haveria um salto preciso ou não. Nada mais. O que ela, coração partido, precisava mesmo fazer era esquecer o suor que continuava a escorrer pela sua pele diáfana. E assim, tensa, ela respirou fundo. Como em um improviso do destino, inesperado, algo a fez virar o olhar para o público e, porra, ele estava lá. Na plateia. Não – ela pensou. Ele estava lá. Ele estava na plateia que agora já não era mais desimportante. Não. Não era. Ele estava lá. Lindo e com um sorriso aberto, olhando em sua direção e, conforme ela notou, com os dedos cruzados. Não. Ele não devia estar aqui – ela lamentou – Devia? – questionou por um segundo. O suor escorreu ainda mais uma vez por sua testa quando ela lembrou que a plataforma era alta. Bastante alta. Alta o suficiente para qualquer salto, qualquer acrobacia, enfim para o que ela quisesse ser ou fazer em poucos segundos de voo. E então ela respirou.
Respirou fundo e assim o fez: saltou, voou, coreografou, dançou, sorriu e caiu. Linda, leve e doce. Perfeita.
E ela mal sentiu quando a água gelada correu rasgando em contato com o seu corpo. Apenas afundou. Afundou o suficiente e o bastante. O necessário. A água da piscina roubou as lágrimas e quando ela voltou à superfície, feliz, percebeu de imediato que ele ainda estava lá. De pé e aplaudindo. Lindo e com um sorriso largo e franco no rosto. Dedos não mais cruzados e somente um maço de flores embaixo do braço. O suor frio escorreu ainda mais uma vez por sua testa. Finalmente, ele venceu o silicone da touca. Mas, nada disso era mais importante naquele instante. Nada. O que importava de fato, era apenas a vontade que ela tinha em sair da água e tentar de novo. Tentar de novo ainda mais um salto. Tentar de novo, ainda mais uma vez, o que poderia voltar a viver.
E assim, tentou sorriu.
E sorriu.
Feliz.
Ornamental.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a