Pular para o conteúdo principal

UM BRINDE. FAZER O QUÊ?


- Será? – perguntou Artur, tentando entender exatamente o que estava escutando da sua amiga – Será que você tem razão? – perguntou inseguro.

- Claro – respondeu Ana – Claro que sim. Pode confiar no meu taco.

- Mas e se não for realmente assim? – ele perguntou novamente, enquanto matava seu último gole de vinho na taça – E se for apenas algo da sua cabeça. Um delírio – riu nervoso - Algo que você realmente deseja e que você realmente torça e quer que seja verdadeiro, mas que no final do dia, não é real. Ilusão apenas.

Ana balançou a cabeça negativa e disse – Pode apostar. Falei com a Clara sobre. Não diretamente, claro, mas entendi exatamente o que ela quer. Confia em mim. Ela não quer mais o Paulo. Não ficarão mais juntos. Tenho quase certeza disto.

Neste instante Clara entrou na sala com Paulo que carregava mais uma garrafa de bom vinho tinto e uma excelente sobremesa repleta de Nutella, morangos e sorvete.

- Então – disse Ana – Sei que adoravelmente bebemos demais hoje, mas esta última garrafa será para brindar o quê? – perguntou, divertida, com um sorriso rosa no rosto, tentando descontrair.

Artur a encarou com amizade e afeto, entendendo aonde ela queria chegar e apenas respondeu, complementando a amiga – Coisas simples, porém valiosas. Nossa amizade? Que tal? É uma boa idéia? – sorriu.

Paulo concordou com a cabeça e encaixou o sacarrolha para abrir a garrafa de vinho.

- Podemos brindar a este novo ano, que tal? – sugeriu Clara – Velhos amigos, novos momentos. Nova vida. Novos planos. A etiqueta ainda permite celebrarmos um ano novo em fevereiro.

- Gostei Clarinha – disse Ana – Você sempre acerta em cheio.

- Bem, eu tenho uma idéia em complemento ao que a Clara disse e acho que vocês vão adorar.

- O quê? – perguntou Ana.

Paulo abriu a garrafa e sorriu um dos seus sorrisos mais lindos. Deus, ele era realmente lindo – Vamos brindar a uma novidade.

- Qual? – perguntou Artur, sem disfarçar a ansiedade e enquanto recebia a taça repleta de vinho das mãos de Paulo.

- À nossa viagem – disse Clara – A minha viagem e a do Paulo. Comunico, com muita felicidade – disse solene – que vamos passar os seis meses do meu curso em Paris juntos. Nós nos acertamos, finalmente – sorriu.

- Como? – perguntou Ana com surpresa – Vocês vão embora juntos? – perguntou.

- Sim – disse Paulo – Mas relaxa. Nossa amizade vai continuar a mesma. Quem sabe vocês não conseguem nos visitar naquelas bandas? – finalizou – vamos adorar, completou, não sem antes disparar um beijo delicioso em Clara.

Após alguns segundos de silêncio e goles de vinho tinto Ana disse - Parabéns –completamente sem graça, completamente entristecida.

Artur apenas levantou a taça de vinho tinto. Fez tanta força para segurar as lágrimas que seus olhos pareciam querer explodir.

- Acho melhor parar de beber Artur – disse Clara, brincando – Você está mais vermelho que o vinho.
- Não. Tudo bem. Vamos brindar. Vamos brindar ao nosso futuro.
E celebraram dentro da angústia, da mentira, do amor, da verdade, dos sentimentos. Cada um do seu jeito. Cada um da sua forma. A noite e a celebração/derrota de cada um estava apenas começando.


by eReSaW




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac