Pular para o conteúdo principal

NÃO HÁ MAIS O SUOR NAS MÃOS

OUÇA: baseball game || woman


Silêncio.

O piano estava lá.
O piano estava lá posicionado à sua frente.
As mãos?
Quentes.
Ela estava com as mãos aquecidas como nunca.
Sensação agradável de calor.
Naquele instante, não havia nada em sua mente além de paz.
Muita paz.
Ela estava feliz e contente como há tempos desejava estar.
Há tempos.
Ela pensou em como havia lutado, brigado, gritado, escalado, desenhado, pintado, composto enfim, como havia feito tudo o que fez para estar lá naquela sala e naquele momento.
Para estar lá naquela sala, exatamente naquele instante e naquele momento à frente do seu piano.
O seu piano e a sua vida.
Muita desconstrução e, ainda mais necessária, muita reconstrução.
Ela deu um suspiro de alívio e sorriu de leve ao lembrar por um breve instante de tudo.
Um relance do passado.
Mas era passado.
Algo que não existia mais.
O presente, sim.
O presente é importante.
Sempre presente e, a partir daquele instante, à sua frente.
Ao seu alcance.
Ela sorriu sem perceber e caminhou lenta em direção ao instrumento.
O reflexo na tampa das cordas do piano causado pela iluminação natural das velas espalhadas pelo ambiente era uma cena adorável.
Adoravelmente bela e emocionante a quem quer que a testemunhasse.
E ela não chorou.
Não.
Sentou-se ao piano, respirou em uma espécie de breve transe particular e pousou com delicadeza os seus dedos finos e longos nas teclas brancas e pretas do instrumento.
Os dedos começaram a correr.
Os pés descalços lentamente acompanharam o movimento das mãos e iniciaram uma dança junto aos pedais.
E ela tocou.
Tocou e tocou e tocou.
Muito.
E à medida em que mergulhou no som gritado e desabafado pelas cordas do piano, o seu corpo, em transe, produziu um espetáculo.
Belíssimo.
Ela dançou uma dança bonita, em que pés, mãos, cabelos e olhos fechados formaram uma coreografia de beleza e prazer.
Uma verdadeira celebração da vida.
Uma celebração do romance e do amor próprio.
Celebração da arte singular em que a sua vida se transformou.
E ela tocou.
Tocou e tocou e tocou.
Muito.
Quanto tempo durou?
Tempo?
E quem se importa?
O “agora” contido naquele momento era suficiente.
Muito mais do que o suficiente.
Muito mais.




Photo by Michal Jarocinski from FreeImages


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis