Pular para o conteúdo principal

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy


- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair.
Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira.
- Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada?
Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei.
Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina.
- Imagino sim. Imagino sim.
- Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição.
Doce inquisição.
- Do que mais gostei? – ele repetiu.
Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber.
Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino?
Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só preciso confirmar.
- Bem – ele começou – Além do capuccino e da sua verdadeira gentileza e generosidade, além das experiências divididas, da terapia trocada, dos quadros lindos e desenhos incríveis, além da orquídea em cima da mesa, além do violão elétrico ao lado da cadeira, além da sua voz, além de você por perto a tarde inteira me salvando, ou tentando, sabe o que eu mais gostei? Mesmo? De verdade?
Ela sorriu sem esconder a pressa e a urgente necessidade em saber.
- Eu gostei dos tijolos na parede.
- O quê? – ela perguntou surpresa.
- Sim. Tijolos. Os tijolos lá em cima – disse ao apontar para cima com seu dedo indicativo adornado por um anel preto vagabundo.
- Na parede junto ao teto – ele continuou - Eu simplesmente amei aqueles tijolos aparentes lá no alto. Distantes de meu toque. Distante de nós, mas perto do nosso olhar.
Ela o encarou curiosa e nada perguntou, sabia que ele ia continuar.
E ele emendou mesmo – Me fez muito bem olhar para eles sempre que eu levantei a cabeça, cada vez que tentei disfarçar de você minha vontade imensa de chorar e de abafar toda minha insegurança. Toda ela.
Ela o abraçou forte e com muito carinho e sussurrou no seu ouvido – É para isso que eles estão lá. É para isso. Para que você sempre levante a sua cabeça. Sempre levante a cabeça e olhe para o alto para ver as coisas boas que existem. E é para isso que eu estou aqui. Para isso que eu estou aqui – disse, terna enquanto fechava com uma das mãos livres novamente a porta para que ele não saísse.
Para que ele ainda não saísse e não fosse embora.
Ainda não.
Para que ele não saísse antes de o sol nascer.
Para que ela não saísse antes de todas as palavras serem ditas e o que precisasse, bem, o que realmente precisasse fosse compreendido.



Foto por Roberta Cetra
(obrigado)



Comentários

Beatriz Villac disse…
Muito bem escrito!!!
Ótimo clima...acho que sei quem são esses dois...

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a