Pular para o conteúdo principal

ADORÁVEL CHECK-IN DESASTRADO…

Ele desceu do táxi todo afoito, meio sem ar, muito sem graça. Respirou fundo, ajeitou seu cabelo curto e suspirou. Nunca a tinha visto pessoalmente. Nunca. A conhecia apenas por fotos e coisa que tais. Adentrou ao saguão do aeroporto e olhou ao redor. Como um estranho, como um perdido, como um curioso. Mirou ao redor por vários instantes e no meio daquele caleidoscópio confuso de pisos quadriculados percebeu uma garota nervosa, toda irritada, toda confusa, com o saco cheio, brigando com uma máquina automática de check-in. Visivelmente puta. Visivelmente irritada. Irritada como um cão. Ele a olhou, uma, duas, três vezes e enfim se deu conta e percebeu saber de quem se tratava. Era ela. Definitivamente. Camisa larga, bermuda curta, pernas e braços tatuados, cabelos soltos e curtos. Ele sorriu. Então ele a estava vendo pela primeira vez. Linda. Linda demais, mesmo toda atrapalhada com a máquina automática de check-in de um aeroporto fuleiro. Não sabia aonde olhar, o que fazer, o que dizer. Linda. Demais. Havia tatoos por todos os lados. Pensou novamente no que dizer e hesitou de abordá-la como um louco. Imaginou como seria o seu perfume. Foi a primeira sensação que teve ao se aproximar, antes de falar com ela. Divino. Divino. Ele chegou.
- Moça?
Ela o olhou com dúvida, com dúvida – Moço? – respondeu incrédula – Então você veio – prosseguiu.
Ele apenas sorriu.
- Precisou esperar dez anos para me ver? – ela perguntou.
Ele assentiu com a cabeça – Um bastardo medroso – e sorriu.
- Medroso demais – ela disse com afeto – Mais do que imagina – continuou.
- Tudo tem seu tempo – ele disse.
- É, quem sabe. Tudo tem seu tempo – ela concordou.
Adorável check-in desastrado.
Adorável encontro desastrado e muito, muito desastrado.
Mas ainda assim... adorável.
Depois?
Depois uma amizade se fez.
Um táxi, um outro aeroporto com mais pisos quadriculados, uns cigarros mal resolvidos e a ausência do beijo. O Beijo que nunca houve, mas com o amor que sempre esteve lá...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Brindando Palavras Repetidas

  leia e ouça: richard hawley || coles corner - Você é repetitivo. Ele a olhou com uma surpresa muda,  - Você é muito repetitivo - ela disse, certeira, sabendo que o havia atingido em seu ponto mais fraco, mais vulnerável, mais dolorido. Não sorriu. Ele a olhou com certa surpresa sabendo que, no fundo, ela estava certa - Como assim? - perguntou, querendo ter certeza. - Repetitivo. Repetitivo. Você usa as palavras de forma inconsequente e repete sempre as mesmas coisas. Faz isso o tempo todo. - Faço? - ele disfarçou. Ela então sorriu levemente - Claro que faz. Mas o que me deixa ainda mais fascinada é esta sua cara de pau. Você sabe que é assim, desse modo, desse jeito e ainda assim continua nesta direção. Ele fingiu indignação, mas por puro orgulho. Ela estava absolutamente certa. Ele tomou um gole do que estava bebendo e ficou quieto, esperando a próxima porrada. - Não? Você não sabe disso? - ela insistiu. - Talvez - admitiu, sem admitir. - Então, por que você não tenta mudar? - Você