Pular para o conteúdo principal

BANDA DESENHADA À LUZ DE VELAS



Não havia luz.
Não.
Nada de luz.
E, ainda assim, ele permanecia esparramado no sofá, olhando atento para a fraca luz azul que saía da tela do seu celular, apenas a observar as barras indicativas do status da bateria do aparelho, diminuírem.
Diminuírem rapidamente.
Diminuírem de forma inadequada e veloz. De modo incrivelmente injusto.
Ao menos naquela noite.
Ao menos naquela madrugada.
E ele, ainda assim, apenas observava e aguardava – sem paciência - algum pop-up explodir na porra da tela de seu celular e anunciar uma nova mensagem dela.
Apenas observava, enquanto ouvia o som dos trovões que explodiam sem parar naquela noite.
Não havia luz elétrica no apartamento.
Havia apenas a luminosidade dançante provocada pelas velas vagabundas que formavam figuras disformes e incríveis na parede descascada do seu apartamento.
Pequeno apartamento à luz de velas.
Não havia energia e nem previsão de retorno da eletricidade.
Chuva implacável.
Verão infernal com suas tempestades surpresas.
Ao menos fosse inverno, porra – ele pensou egoísta como sempre.
Mas era verão e a tempestade estava lá fora.
Cruel.
E a luz não estava dentro do seu apartamento.
Não. Nada de luz.
Maldita companhia de energia.
Inoportuna tempestade.
E logo naquela noite, ele lamentou ao acender (mais) um cigarro.
Logo naquela noite.
Logo naquela noite em que ele finalmente havia a reencontrado depois de tanto tempo.
Quase uma era do gelo de tempo.
Ele, definitivamente, não acertava uma.
Deixou o cigarro sobre o cinzeiro sujo ao seu lado e levou as mãos à cabeça quando a luz azul finalmente morreu.
Acabou a bateria, acabou a conversa.
Não havia mais celular.
Não havia mais contato.
Ao menos até que a luz voltasse
Ao menos até a luz voltasse (e se voltasse).
Ele prestou ainda mais atenção à chuva desabando demente lá fora e pegou alguns amassados papéis em branco jogados ao lado do cinzeiro na mesinha de lado.
Pensou em uma banda desenhada.
Pensou em criar e desenhar uma história em quadrinhos para retratar a situação.
Deu mais uma profunda tragada em seu cigarro e sorriu como um tolo com aquele monte de papéis na mão esquerda.
Sorriu como um idiota ao lembrar que não sabia sequer segurar um lápis, um pincel, um carvão, uma caneta, enfim, o que quer que fosse necessário para retratar o momento.
Não sabia desenhar nada e, tampouco, desenhar aquele momento.
A banda desenhada à luz de velas não lhe foi possível criar.
Ele sorriu mais uma vez e fez o que conseguia fazer.
Tomou um gole do seu conhaque barato, deu uma tragada em seu cigarro e começou a escrever.
Apenas começou a escrever.
Escrever com um sorriso esperando a luz voltar.
E ela voltaria.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac