Pular para o conteúdo principal
ROCKET MAN ou LAZY MOON

- Hoje é sexta, né?
- Bem, tecnicamente é sábado. Já são quase três da manhã.
- Ah, é um saco isso. Para mim, ainda é noite de sexta.
- Noite de sexta foi ontem. De quinta para sexta. Hoje, de forma correta, já é sábado.
- Odeio estas convenções.
- Você pode odiar o quanto quiser Lu, mas hoje É sábado.
- Como você é irritante, não?
- Nisso você tem razão. Até eu concordo.
- Foda-se isso. Não está linda?
- Linda? O quê?
- A noite. A noite de hoje, seja sábado ou seja sexta ou seja o que for, está absolutamente linda. Olha este céu, porra. Que céu! Tão escuro e tão cheio de estrelas. Maravilhoso.
- Hmmm. É. Você tem razão. Está uma noite bonita hoje. Clara. Mas eu confesso que não tenho muito saco para reparar nisto não. Prefiro ficar aqui, sentado nesta sacada, apenas curtindo.
- E eu não sei? Claro. Você só se preocupa com estas suas drogas, estas suas pílulas, estes baseados vagabundos que você mal sabe enrolar. Pena, você perder o melhor da noite.
- E daí? Qual o problema? Para mim, o melhor da noite é estar aqui, nesta sacada, conversando com você.
- Ok. Vou acreditar. O maior problema é que você deixa de perceber as coisas boas da vida, querido. Este é o problema. Fica concentrado em apenas uma.
- Eu percebo as coisas da vida que merecem minha atenção. Pode estar certa disso, "querida".
- Irônico...
- Como assim?
- Nada. Você adora ser irônico. Isso me enerva.
- Eu não sou sempre irônico. Claro que não. Eu percebo mesmo as coisas que realmente importam.
- Dê um exemplo. E sem pensar muito.
- Você, por exemplo. Eu percebo você.
- Hahahahahahaha. Certo.
- Claro que percebo. Este seu olhar de quem quer me devorar, de quem quer me possuir. Impossível não percebê-lo.
- Hahahahahaha. Você está ficando louco. Todos estes excessos psicotrópicos vão acabar derretendo o seu cérebro mole.
- Tomara. Fritar neurônios. Boa idéia.
- Se você me percebesse mesmo, já tinha me dado um puta beijo, daqueles cinematográficos.
- Aí você não iria querer mais nada comigo.
- Não?
- Não. Preciso te conquistar aos poucos, sabe? De um jeito todo especial, até que você caia de amor por mim, por toda a eternidade.
- Você é um palhaço.
- Eu sei. Mas ainda vou provar que estou certo quando você se apaixonar por mim.
- Amizade entre homem e mulher então, não existe?
- Bem, ao menos da minha parte, Lu, não.
- Hahahahahahaha. Está bem. Vamos esperar para ver.
- Eu queria ser astronauta. Um rocket man, saca?
- Astronauta? Hahahahahahahaha. Toda criança já quis ser astronauta. Só para dançar na lua?
- Deixa eu reformular, eu QUERO ser astronauta. Para tudo o que eu puder. Dançar na lua, gozar na lua, fumar na lua, mas, principalmente, para poder olhar a Terra lá de longe. Lá do alto.
- Sem se envolver?
- Sem me envolver com os problemas daqui. Sem sofrer.
- Seria tão bom se pudéssemos fazer isso.
- Ver a Terra lá de cima?
- Não. Seria tão bom se pudéssemos não sofrer. Ainda mais por amores indesejados.
- Seria bom se todos fôssemos astronautas.
- Muito bom. A noite está mesmo linda, né? Uau.
- É... muito linda! - ele disse - E seria tão melhor se você percebesse o quanto eu te amo, sua idiota - ele pensou enquanto acendia um cigarro, querendo mais do nunca pôr os seus pés na lua que ele jamais alcançará, por mais alto que viaje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

...e de todas as coisas mais feias e mais belas do mundo, a única que a fazia sorrir era o mar, pois o reflexo no espelho causava angústia e vontade de chorar... e ele disse "eu não sei fazer poesia, mas que foda". ela concordou com a cabeça e lhe deu um beijo fabuloso, formidável, maravilhoso. ela chorou, sem saber se de felicidade ou tristeza... apenas sem saber...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

Brindando Palavras Repetidas

  leia e ouça: richard hawley || coles corner - Você é repetitivo. Ele a olhou com uma surpresa muda,  - Você é muito repetitivo - ela disse, certeira, sabendo que o havia atingido em seu ponto mais fraco, mais vulnerável, mais dolorido. Não sorriu. Ele a olhou com certa surpresa sabendo que, no fundo, ela estava certa - Como assim? - perguntou, querendo ter certeza. - Repetitivo. Repetitivo. Você usa as palavras de forma inconsequente e repete sempre as mesmas coisas. Faz isso o tempo todo. - Faço? - ele disfarçou. Ela então sorriu levemente - Claro que faz. Mas o que me deixa ainda mais fascinada é esta sua cara de pau. Você sabe que é assim, desse modo, desse jeito e ainda assim continua nesta direção. Ele fingiu indignação, mas por puro orgulho. Ela estava absolutamente certa. Ele tomou um gole do que estava bebendo e ficou quieto, esperando a próxima porrada. - Não? Você não sabe disso? - ela insistiu. - Talvez - admitiu, sem admitir. - Então, por que você não tenta mudar? - Você
CORES (AZUL, AMARELO, VERMELHO, VERDE...) A sensação de calor e tédio predominava naquela sala de aula. Calor insano. Tédio insano. Noite insana. As palavras da pessoa em pé diante de todos aqueles alunos soavam como nada aos seus ouvidos. Soavam tão interessantes quanto nada. A sensação de calor e tédio que predominava naquela sala de aula era insana e desumana. Mas ela estava lá. Como sempre, como todos os dias. Ela observava, curiosa, aquele garoto lindo de morrer que estava sentado próximo a ela, na última fila. Ela observava com muita curiosidade o movimento das suas mãos. Eram mãos firmes, jovens, lindas, rápidas, que faziam a caneta deslizar por sobre o caderno velho, como se fosse Fred Astaire. Ele desenhava a paixão. Ele desenhava o amor. Ele desenhava como se fosse possível uma caneta dançar uma linda canção de amor. Ela não imaginava o que ele estava desenhando. Não, ela não imaginava. Mas estava curiosa. Muito curiosa. Seus olhos não desgrudavam daquelas mãos