Pular para o conteúdo principal
ROCKET MAN ou LAZY MOON

- Hoje é sexta, né?
- Bem, tecnicamente é sábado. Já são quase três da manhã.
- Ah, é um saco isso. Para mim, ainda é noite de sexta.
- Noite de sexta foi ontem. De quinta para sexta. Hoje, de forma correta, já é sábado.
- Odeio estas convenções.
- Você pode odiar o quanto quiser Lu, mas hoje É sábado.
- Como você é irritante, não?
- Nisso você tem razão. Até eu concordo.
- Foda-se isso. Não está linda?
- Linda? O quê?
- A noite. A noite de hoje, seja sábado ou seja sexta ou seja o que for, está absolutamente linda. Olha este céu, porra. Que céu! Tão escuro e tão cheio de estrelas. Maravilhoso.
- Hmmm. É. Você tem razão. Está uma noite bonita hoje. Clara. Mas eu confesso que não tenho muito saco para reparar nisto não. Prefiro ficar aqui, sentado nesta sacada, apenas curtindo.
- E eu não sei? Claro. Você só se preocupa com estas suas drogas, estas suas pílulas, estes baseados vagabundos que você mal sabe enrolar. Pena, você perder o melhor da noite.
- E daí? Qual o problema? Para mim, o melhor da noite é estar aqui, nesta sacada, conversando com você.
- Ok. Vou acreditar. O maior problema é que você deixa de perceber as coisas boas da vida, querido. Este é o problema. Fica concentrado em apenas uma.
- Eu percebo as coisas da vida que merecem minha atenção. Pode estar certa disso, "querida".
- Irônico...
- Como assim?
- Nada. Você adora ser irônico. Isso me enerva.
- Eu não sou sempre irônico. Claro que não. Eu percebo mesmo as coisas que realmente importam.
- Dê um exemplo. E sem pensar muito.
- Você, por exemplo. Eu percebo você.
- Hahahahahahaha. Certo.
- Claro que percebo. Este seu olhar de quem quer me devorar, de quem quer me possuir. Impossível não percebê-lo.
- Hahahahahaha. Você está ficando louco. Todos estes excessos psicotrópicos vão acabar derretendo o seu cérebro mole.
- Tomara. Fritar neurônios. Boa idéia.
- Se você me percebesse mesmo, já tinha me dado um puta beijo, daqueles cinematográficos.
- Aí você não iria querer mais nada comigo.
- Não?
- Não. Preciso te conquistar aos poucos, sabe? De um jeito todo especial, até que você caia de amor por mim, por toda a eternidade.
- Você é um palhaço.
- Eu sei. Mas ainda vou provar que estou certo quando você se apaixonar por mim.
- Amizade entre homem e mulher então, não existe?
- Bem, ao menos da minha parte, Lu, não.
- Hahahahahahaha. Está bem. Vamos esperar para ver.
- Eu queria ser astronauta. Um rocket man, saca?
- Astronauta? Hahahahahahahaha. Toda criança já quis ser astronauta. Só para dançar na lua?
- Deixa eu reformular, eu QUERO ser astronauta. Para tudo o que eu puder. Dançar na lua, gozar na lua, fumar na lua, mas, principalmente, para poder olhar a Terra lá de longe. Lá do alto.
- Sem se envolver?
- Sem me envolver com os problemas daqui. Sem sofrer.
- Seria tão bom se pudéssemos fazer isso.
- Ver a Terra lá de cima?
- Não. Seria tão bom se pudéssemos não sofrer. Ainda mais por amores indesejados.
- Seria bom se todos fôssemos astronautas.
- Muito bom. A noite está mesmo linda, né? Uau.
- É... muito linda! - ele disse - E seria tão melhor se você percebesse o quanto eu te amo, sua idiota - ele pensou enquanto acendia um cigarro, querendo mais do nunca pôr os seus pés na lua que ele jamais alcançará, por mais alto que viaje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Carvão

leia a ouça: stray fossa || better late than E lá estavam os dois sentados na sala de estar da casa dela. Dois. Os dois. Sempre os dois. Amor. Eles… - Desenha algo para mim? Ele pediu, doce e inseguro. Ela sorriu linda e disse o encarando com seus olhos verdes, grandes e intensos – Oras, não sei desenhar. Você sabe disso. Não sei rabiscar nadinha. Tenho outras habilidades, mas não o desenho. Ele devolveu o sorriso, sorriso agora ainda mais intenso e respondeu - Ah, por favor, tente desenhar qualquer coisa. Qualquer rabisco. Ela o encarou divina com seu olhar esmeralda e respondeu decidida - Claro. Desenho. O que o senhor sedutor em pedidos impossíveis gostaria que eu rabisque? Ele a olhou feliz por vários instantes e disse - O que você quiser. O que te inspira. Qualquer coisa. Qualquer coisa…. desenhe o meu amor por você… - disse, e essa afirmação última em um tom quase inaudível. Ela percebeu o som das palavras quase não ditas, o encar