Pular para o conteúdo principal

PRETÉRITO


pretérito 
pre.té.ri.to
adj (lat praeteritu) Que passou; passado. sm Gram Tempo verbal que exprime ação passada ou estado anterior; passado. P. imperfeito: tempo que indica uma ação passada, em relação ao presente, e que estava se exercendo quando outra se realizou: Estudava, quando ele entrou. P.-mais-que-perfeito: tempo que exprime ação anterior a outra, que já é passada no momento em que se fala: Ele partira, quando eu cheguei. P. perfeito: tempo que exprime ação passada e liquidada: Ele viajou. Futuro do p.: tempo que substituiu o antigo "condicional", e em que o processo indicado como posterior a um momento do passado é anterior ao momento em que se fala. Refere-se comumente a processos que não chegaram a realizar-se: Morreria se não viesses.
(MICHAELIS: Dicionário Língua Portuguesa)

Pretérito.
Em poucas e rasas linhas, o “pretérito” é apenas o “tempo do verbo que determina estado ou ação anterior”, conforme ela leu em algum lugar por aí. Sem se importar aonde foi ou sequer sem se importar em dar o devido crédito ao “ilustre” escritor da definição.
Tola como sempre.
Tola como ontem.
Tola como hoje.
Tola as usual.
Ação anterior.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
Dane-se.
Dane-se. Ao menos por hoje.
É o passado dela e que pertence a ela e somente a ela.
Apenas a ela.
Impossível reescrevê-lo.
Está feito.
Feito com todos os erros e todas as imperfeições praticadas. Com todos os erros e imperfeições perpetradas.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
O pretérito apenas dela. Apenas dela.
Impossível reescrevê-lo.
Definitivamente.
Pretérito.
Muitas vezes perfeito, outras muitas tantas muito mais do que perfeito, porém, na maioria das vezes, na maioria cruel e absoluta das vezes, um pretérito muito imperfeito. Muito mais do que imperfeito.
Por conta do quê?
Por conta dos erros, das mentiras, das bobagens, da falta de maturidade, da falta de coragem, da falta em excesso de tudo, do excesso de amor. Do excesso do medo. Apenas medo de não assumir a vida e as suas responsabilidades.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
O pretérito apenas dela.
O passado e as ações não tomadas apenas por ela quando deveria assim ter feito.
O passado apenas dela.
E as lágrimas também.
E as lágrimas também.
Muitas, aliás.
E a dor vem como consequência.
Uma dura consequência.
Curvas mal viradas e rotas mal assumidas. Escolhas mal feitas.
Escolhas muito mal feitas.
Erros.
Muitos, aliás.
Muitos mesmo.
Simples assim.
Pobre moça.
Pobre moça.
Nem tão nova, porém nem tão velha assim para tanta dor e ressentimento pairando sobre os seus ombros já arqueados.
Nem tão nova, porém nem tão velha assim.
Média da expectativa de vida.
Apenas média.
Ainda há tempo.
Mas ainda há quem ache o tempo.
Será?
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
Futuro do pretérito.
Futuro do pretérito.
Aí sim.
Fato por vir condicionado a algo no passado.
Quem sabe o futuro do pretérito não pode mudar o cenário da sua vida.
E ela sorriu.
Percebeu que depende apenas dela... Depende apenas dela e da sua própria força. Sua própria crença.
Há alguma?
Depende apenas dela...
Dela mesmo.
...
E ela sorriria se não tivesse errado tanto.
Ela sorriria se não tivesse errado tanto, seja em que tempo gramatical for.
...
Ela sorriria...
De verdade...
...
Chorava, quando ele partiu.
Ele partira, quando ela chorou.
Ele foi.
Choraria se não ligasse.
...

Pobre moça triste...




Comentários

@camilaponto disse…
amo este blog, acompanho desde o começo...
é como se fosse uma dose de rivotril!
Izis disse…
Mas é que nem sempre o passado passou :)

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Carvão

leia a ouça: stray fossa || better late than E lá estavam os dois sentados na sala de estar da casa dela. Dois. Os dois. Sempre os dois. Amor. Eles… - Desenha algo para mim? Ele pediu, doce e inseguro. Ela sorriu linda e disse o encarando com seus olhos verdes, grandes e intensos – Oras, não sei desenhar. Você sabe disso. Não sei rabiscar nadinha. Tenho outras habilidades, mas não o desenho. Ele devolveu o sorriso, sorriso agora ainda mais intenso e respondeu - Ah, por favor, tente desenhar qualquer coisa. Qualquer rabisco. Ela o encarou divina com seu olhar esmeralda e respondeu decidida - Claro. Desenho. O que o senhor sedutor em pedidos impossíveis gostaria que eu rabisque? Ele a olhou feliz por vários instantes e disse - O que você quiser. O que te inspira. Qualquer coisa. Qualquer coisa…. desenhe o meu amor por você… - disse, e essa afirmação última em um tom quase inaudível. Ela percebeu o som das palavras quase não ditas, o encar