Pular para o conteúdo principal

LOOP


Ela entrou no apartamento e apenas observou.
Tudo estava igual.
Tudo estava absolutamente do mesmo modo que ela havia deixado quando saiu, um pouco antes do anoitecer.
O copo americano ainda estava sujo de café.
A garrafa de refrigerante estava aberta e, óbvio, já sem gás.
O caderno com as anotações rabiscadas e com as páginas amassadas estava no mesmo lugar.
Os lápis continuavam sem ponta e as canetas estavam distribuídas sem cuidado pelo tapete felpudo.
Os vinis estavam espalhados ao lado da vitrola antiga, herança de seu avô.
Os maços de cigarros estavam vazios perto da mesinha de canto.
Algumas roupas insistiram em ficar penduradas junto a estante, na mesma posição que ela havia deixado para secar perto do meio-dia. Bem, ao menos para alguma coisa servia o sol naquele apartamento – ela pensou.
O relógio ainda estava parado e a fez lembrar de algo que não iria fazer mesmo: comprar baterias.
Cinco da madrugada.
Ela apenas permaneceu imóvel na sala de seu apartamento, olhando a cena.
Tudo estava igual.
Tudo estava absolutamente do mesmo modo que ela havia deixado quando saiu horas antes, um pouco antes do anoitecer.
Largou a bolsa no chão, desprendeu seus cabelos, descalçou o par de tênis e procurou, sem sucesso, um cigarro no bolso do casaco.
Agradeceu não ter encontrado um.
Respirou fundo e foi em direção a janela.
Olhou com atenção o desenho da cidade que se formava à sua frente.
Suspirou ao perceber as estrelas sumindo bem devagar, pouco a pouco engolidas pelo céu alaranjado de mais um dia verão que estava prestes a nascer.
Ela estava de volta ao lar.
De volta ao início.
Lembrou de cada detalhe da noite que estava morrendo.
Cada detalhe daquela festa no Clube Varsóvia.
Lembrou dos olhos, lembrou do corpo, lembrou do toque, lembrou do perfume, lembrou da vontade, lembrou da troca, lembrou do desejo, lembrou dos lábios, lembrou da dança, lembrou da entrega, lembrou das palavras, lembrou da sinceridade, lembrou da despedida e lembrou do adeus.
Lembrou do adeus.
Sim, ele ia mesmo embora.
Tentou não chorar.
Conseguiu.
Conseguiu segurar.
Por pouco tempo, é verdade.
Ela respirou fundo e tentou sorrir, afinal, estava de volta ao lar.
De volta ao seu apartamento.
De volta ao início.
De volta ao seu mundo.
Como se o roteiro do filme de sua vida fosse marcado por sequências de altos e baixos, rompantes abruptos, relâmpagos velozes e alegrias imprevisíveis, nada durável.
Nada.
Como se tudo se resumisse a um loop sem sentido de uma bolha de sabão.
Mesmo cansada, ela decidiu não dormir.
Não.
Ah, se eu tivesse tido a coragem de ter dito tudo o queria – ela pensou.
Pensou, mas não disse.
Determinada e com raiva, ela decidiu que ainda não iria dormir.
Não.
Ela decidiu esperar.
Decidiu esperar muito acordada até o telefone ou o interfone, foda-se, tocar e a sua vida tão parecida com um loop sem sentido de uma bolha de sabão pudesse estourar.
Como se aquela bolha de sabão pudesse simplesmente estourar e aquele cansativo loop parasse de ser parte do cenário, ao menos uma vez em toda a sua vida.
Respirou fundo e, então... adormeceu.
Ela apenas adormeceu.
Loop.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Carvão

leia a ouça: stray fossa || better late than E lá estavam os dois sentados na sala de estar da casa dela. Dois. Os dois. Sempre os dois. Amor. Eles… - Desenha algo para mim? Ele pediu, doce e inseguro. Ela sorriu linda e disse o encarando com seus olhos verdes, grandes e intensos – Oras, não sei desenhar. Você sabe disso. Não sei rabiscar nadinha. Tenho outras habilidades, mas não o desenho. Ele devolveu o sorriso, sorriso agora ainda mais intenso e respondeu - Ah, por favor, tente desenhar qualquer coisa. Qualquer rabisco. Ela o encarou divina com seu olhar esmeralda e respondeu decidida - Claro. Desenho. O que o senhor sedutor em pedidos impossíveis gostaria que eu rabisque? Ele a olhou feliz por vários instantes e disse - O que você quiser. O que te inspira. Qualquer coisa. Qualquer coisa…. desenhe o meu amor por você… - disse, e essa afirmação última em um tom quase inaudível. Ela percebeu o som das palavras quase não ditas, o encar