Pular para o conteúdo principal

LOOP


Ela entrou no apartamento e apenas observou.
Tudo estava igual.
Tudo estava absolutamente do mesmo modo que ela havia deixado quando saiu, um pouco antes do anoitecer.
O copo americano ainda estava sujo de café.
A garrafa de refrigerante estava aberta e, óbvio, já sem gás.
O caderno com as anotações rabiscadas e com as páginas amassadas estava no mesmo lugar.
Os lápis continuavam sem ponta e as canetas estavam distribuídas sem cuidado pelo tapete felpudo.
Os vinis estavam espalhados ao lado da vitrola antiga, herança de seu avô.
Os maços de cigarros estavam vazios perto da mesinha de canto.
Algumas roupas insistiram em ficar penduradas junto a estante, na mesma posição que ela havia deixado para secar perto do meio-dia. Bem, ao menos para alguma coisa servia o sol naquele apartamento – ela pensou.
O relógio ainda estava parado e a fez lembrar de algo que não iria fazer mesmo: comprar baterias.
Cinco da madrugada.
Ela apenas permaneceu imóvel na sala de seu apartamento, olhando a cena.
Tudo estava igual.
Tudo estava absolutamente do mesmo modo que ela havia deixado quando saiu horas antes, um pouco antes do anoitecer.
Largou a bolsa no chão, desprendeu seus cabelos, descalçou o par de tênis e procurou, sem sucesso, um cigarro no bolso do casaco.
Agradeceu não ter encontrado um.
Respirou fundo e foi em direção a janela.
Olhou com atenção o desenho da cidade que se formava à sua frente.
Suspirou ao perceber as estrelas sumindo bem devagar, pouco a pouco engolidas pelo céu alaranjado de mais um dia verão que estava prestes a nascer.
Ela estava de volta ao lar.
De volta ao início.
Lembrou de cada detalhe da noite que estava morrendo.
Cada detalhe daquela festa no Clube Varsóvia.
Lembrou dos olhos, lembrou do corpo, lembrou do toque, lembrou do perfume, lembrou da vontade, lembrou da troca, lembrou do desejo, lembrou dos lábios, lembrou da dança, lembrou da entrega, lembrou das palavras, lembrou da sinceridade, lembrou da despedida e lembrou do adeus.
Lembrou do adeus.
Sim, ele ia mesmo embora.
Tentou não chorar.
Conseguiu.
Conseguiu segurar.
Por pouco tempo, é verdade.
Ela respirou fundo e tentou sorrir, afinal, estava de volta ao lar.
De volta ao seu apartamento.
De volta ao início.
De volta ao seu mundo.
Como se o roteiro do filme de sua vida fosse marcado por sequências de altos e baixos, rompantes abruptos, relâmpagos velozes e alegrias imprevisíveis, nada durável.
Nada.
Como se tudo se resumisse a um loop sem sentido de uma bolha de sabão.
Mesmo cansada, ela decidiu não dormir.
Não.
Ah, se eu tivesse tido a coragem de ter dito tudo o queria – ela pensou.
Pensou, mas não disse.
Determinada e com raiva, ela decidiu que ainda não iria dormir.
Não.
Ela decidiu esperar.
Decidiu esperar muito acordada até o telefone ou o interfone, foda-se, tocar e a sua vida tão parecida com um loop sem sentido de uma bolha de sabão pudesse estourar.
Como se aquela bolha de sabão pudesse simplesmente estourar e aquele cansativo loop parasse de ser parte do cenário, ao menos uma vez em toda a sua vida.
Respirou fundo e, então... adormeceu.
Ela apenas adormeceu.
Loop.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis