Pular para o conteúdo principal

Carvão


leia a ouça: stray fossa || better late than

E lá estavam os dois sentados na sala de estar da casa dela.

Dois.

Os dois.

Sempre os dois.

Amor.

Eles…

- Desenha algo para mim? Ele pediu, doce e inseguro.

Ela sorriu linda e disse o encarando com seus olhos verdes, grandes e intensos – Oras, não sei desenhar. Você sabe disso. Não sei rabiscar nadinha. Tenho outras habilidades, mas não o desenho.

Ele devolveu o sorriso, sorriso agora ainda mais intenso e respondeu - Ah, por favor, tente desenhar qualquer coisa. Qualquer rabisco.

Ela o encarou divina com seu olhar esmeralda e respondeu decidida - Claro. Desenho. O que o senhor sedutor em pedidos impossíveis gostaria que eu rabisque?

Ele a olhou feliz por vários instantes e disse - O que você quiser. O que te inspira. Qualquer coisa. Qualquer coisa…. desenhe o meu amor por você… - disse, e essa afirmação última em um tom quase inaudível.

Ela percebeu o som das palavras quase não ditas, o encarou e nada comentou. Pegou um pedaço de lápis que estava sobre o móvel de centro, abaixou a cabeça e começou a rabiscar um pedaço de papel verde mar que estava largado sobre a mesa.

Ela suspirou e olhou para ele por vários e longos minutos antes de abaixar a sua cabeça repleta de seus bagunçados cabelos escuros e deitar os olhos sobre o pedaço de papel verde água à sua frente. Sorriu.

Ele a olhou em transe. Dançou com seus olhos por todo o corpo daquela mulher sentada próxima a ele, em seu cenário. Adorava ver como os cabelos curtos e deliciosamente desgrenhados dela dançavam enquanto fazia qualquer movimento. Qualquer movimento.

E, apesar de parecer um universo infinito de tempo, ela desenhou e foi breve. O tempo real durou curtos, porém intensos instantes Concentrada, rápida, determinada, ela logo terminou. Levantou a cabeça, mexeu seus cabelos, abriu um sorriso sereno, jogou o resto de lápis sobre a mesa de centro da sala e disse segurando o papel verde amassado - Pronto. Aqui.

- Pronto? Rápido assim? - ele perguntou.

- Exato. Rápido assim.

- Posso ver? - ele pediu, curioso.

- Claro que pode. Mas daqui a pouco, daqui a pouco – respondeu e emendou: Quero um chá antes – pediu.

- Ótima ideia. Pode ser hortelã? Combina com seus olhos - ele brincou.

Ela sorriu ciente do que seus olhos provocavam nele e respondeu quase em sussurro -E, na companhia do amor da vida, eles brilham e combinam mais ainda. Pode apostar... – completou.

Ele a olhou encantado e surpreso - Amor da vida? – ele perguntou repetindo o que havia pensado ter acabado de ouvir. Surpreso por ouvir algo assim da parte dela. Sempre tão discreta, sempre tão suave. sempre tão ela.

Ela, por sua vez, sorriu como boba. Não sabia ser tão explícita. Não estava acostumada a ser tão visível. E era exatamente o caso naquele instante.

- Não – ela respondeu – Apenas quero um chá de hortelã. Apenas isso.

Ele se levantou e foi até a cozinha e depois de um tempo que pareceu uma vida inteira voltou. Entregou a ela uma caneca com a bebida quente e esfumaçante e falou, tranquilo – Adorei. Simplesmente, eu adorei.

- O quê? – ela perguntou, aceitando o copo repleto de bebida quente.

Direto, ele respondeu - Ser amado. Não sei o que é isso. Não sei. Mas, simplesmente adorei.

- Não? – ela perguntou, acesa.

Ele franziu o rosto charmoso, como se estivesse fazendo uma gigantesca força para lembrar de alguma situação e disse – Para não dizer nenhuma. Não gosto de admitir assim, de primeira, minha total inaptidão em romances e relacionamentos. Insegurança. Medo. Eu.

- Discordo – ela respondeu – Seja você. Seja sempre, sempre você.

- Você é apenas gentil. Apenas isso. Mas, o que desenhou, afinal? – perguntou, tentando mudar o assunto.

Ela ficou em silêncio alguns segundos e disparou – Desenhei sua doçura.

Ele virou o copo de café que segurava antes de dizer – Doçura? Como assim?

- Desenhei algo que – para mim – retrata um bocadinho de você. Seu toque, seu perfume, sua gentileza, beleza, seu talento, todas as coisas boas que você me traz, enfim, desenhei mais ou menos isso. O toque que você consegue alcançar em meu coração.

Ela entregou o papel verde rabiscado a ele.

- Eu te amo - ela disse.

Ele olhou para o papel e ficou surpresa e com lágrimas nos olhos. Muitas. Muitas lágrimas. O desenho era claro e direto. Era apenas o desenho da sua própria grande mão direita, com todos os seus anéis e dedos longos e grossos e unhas tão, tão, tão curtas. A sua própria mão direita.

Ela não esperou por qualquer comentário dele e disparou – Eu te amo e sei que você me ama. Seja você, seja maior, seja o que você é. Hoje em dia, nestes tempos de ira e fúria, nada me parece tão suave quanto a sua gigantesca mão. Nada. O seu toque no meu corpo, nos meus cabelos, no meu braço, rosto, nos meus lábios, enfim, tudo. Tudo dentro de mim entorpece ao seu toque. Até a alma e o meu coração, que você não os toca, mas alcança. Alcança com suas mãos e com o seu olhar, tão preciso e precioso para mim.

Os olhos dele encheram-se ainda mais de lágrimas absolutamente gordas. Um dilúvio de sentidos explodiu. Começou a chorar. Cry Baby Cry - EU TE AMO - ele disse quase sem conseguir - Eu te amo - repetiu.

Ela sorriu sabendo exatamente o que ele sentia por ela e com um sorriso que apenas moças lindas e mulheres gigantes costumam sorrir. Abraçou ele e aquele seu corpo largo, tão cheio de marcas e medos por dentro e apertou com força, com muita força, como se pudesse engoli-lo.

E, neste instante, a lua cheia e amarela tinha certeza de estar testemunhando uma das cenas de amor mais intensas e lindas, desde sempre. Uma cena de amor repleta de beijos, carinhos, toques, desenhos, pinturas, chás de hortelã e verdades. Uma cena de amor entre duas pessoas tão sinceras. Tão intensas. Tão verdadeiras.

E, horas depois, quando o sol insistiu em nascer, sobre o piso de tacos novos, o desenho em carvão de lápis da grande mão do homem inseguro repousava suave em cima do tapete.

Eles? Dois corpos cansados e ainda grudados que descansavam felizes. Corpos felizes e exaustos. Corações simplesmente apaixonados. Surpreendentemente em amor intenso.

E o mundo lá fora?

O mundo fazendo sentido.

O mundo fazendo sentido de vez, pela primeira vez para eles.

Pela primeira vez…

E lá ficaram os dois deitados na sala de estar da casa dela.

Dois.

Os dois.

Sempre os dois.

Amor.

Eles…

Photo By Imogen Cunningham





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TO THE END

- O que vc quer de mim? – ela perguntou, aos gritos – Que porra você quer de mim?. Ele olhou para o chão, triste. Não queria responder, não sabia responder. Preferiu o silêncio. - Vai responder, seu filho da puta? Vai? – ela gritou, enquanto dava socos no peito dele. Socos não fortes, porém socos repletos de raiva, desespero e dor. Ele ficou em silêncio. Ficou em total e absoluto silêncio, sem ter nada a dizer. Ela ter visto aquele beijo já era o suficiente. - Seu idiota. Seu completo e estúpido idiota. Sai daqui. Agora! – ela gritou. E ele saiu do pequeno apartamento e foi embora, descendo as curtas escadas daquele prédio tão antigo. E enquanto descia, podia ouvir, com desespero, o choro e a dor daquela garota tão especial, outrora o grande amor da sua vida. E caiu em choro e lamento. Pobre diabo...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo

A SAÍDA É LOGO ALI

OUÇA: casino || ponte Ela pensou que seria possível esquecer os seus problemas. Todos os seus problemas. Todos. Ela realmente acreditou e pensou que seria fácil. Simples como tomar um destilado forte, bebericar um café sem açúcar ou descolar uma anfetamina qualquer. Acreditou que pudesse esquecer tudo e, para tanto, apenas alguns trocados no bolso e um carro bastaria. Um carro que a levasse para longe dali e pudesse fazê-la seguir em frente e rasgar todas as estradas possíveis, todos os caminhos reais ou mesmo imaginários. E assim ela fez. Em uma sexta-feira úmida e cinza - como os seus olhos aliás - ela acordou bem cedo. Era madrugada, quase manhã. Encheu a sua mochila gasta de tantas viagens com uma porção de maços de cigarro, alguns pendrives com as suas músicas prediletas, livros de poesia barata e, claro, fotos antigas. Fotos suas e de seus amigos. Fotos que ela adoraria ver, caso sentisse saudade. Ela detestava ver fotos digitais e aquele conjunto de fotos impressas era um tesour

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação