Pular para o conteúdo principal

Vinte


 leia e ouça: anthony lazaro || someone like you

- Ei, hoje não é o último dia da primavera, início do verão? – ele perguntou, enquanto observava o sol morrer pela janela, quieto, belo, brilhante. Precisamos celebrar - concluiu.

- Que dia é hoje? – ela perguntou.

- Dia 20 – ele respondeu, enquanto deixava a paisagem do pôr do sol para lá e se concentrava em um casal de velhinhos fantásticos que andavam de mãos dadas pela calçada.

- Não. Amanhã é o último dia da primavera, então – ela disse, com um sorriso adorável indo em sua direção e com aqueles olhos verdes tão e tão e tão e tão devastadores. Linda. Apenas ela.

Ele sorriu e emendou - Eu detesto quando a primavera termina. Eu simplesmente detesto quando as coisas, no geral, terminam. Eu não gosto disso. Não gosto do fim das coisas, não gosto de encerramentos. Não gosto de fins. Eu sempre choro nas cerimônias de encerramento das olimpíadas, copa, essas coisas – disse, com um sorriso. Lindo, por sinal, e prosseguiu – Veja aquele casal na rua. Não é lindo? É lindo perceber que o amor existe em pessoas tão vividas. É uma prova de que o amor pode resistir a tudo, quer dizer, a quase tudo, já que certamente um deles morrerá logo e o outro sentirá dor. Muita dor.

- Que pensamento macabro - ela retrucou - Você não deve pensar dessa forma sobre o futuro. Isso é cruel. Você tem que pensar em algo mais imediato. Felicidade presente. Não deixe o passado ou o futuro ser a sua vida. Foda-se a idade deles. O importante é que eles estão juntos e felizes e se amando, AGORA e andando de mãos dadas em pleno fim de tarde de um dia comum de fim de primavera. As coisas às vezes acabam. Simples assim. É necessário isso. Por pior que possa parecer. Por mais dolorido que seja. Mas é preciso e você não deve simplesmente esperar esse fim. Definitivamente, não. Viva, Viva e Viva e Viva o que temos agora. Apenas isso.

Ele o olhou com um carinho intenso, indescritível em palavras. Apaixonado. Amando. Enlouquecido - Foi a nossa melhor primavera, não? – ele especulou, ao mesmo tempo em que a abraçava forte e carinhosamente.

- Foi A nossa primavera – ela afirmou com vontade - A primeira de muitas. A primeira de muitas e muitas e muitas e muitas e apenas para destacar que dia 20 não é o fim da primavera, mas sim o início de tudo. Nós. Nosso início. Nossos primeiros DEZ meses de uma vida inteira que temos pela frente - ela disse com um sorriso, lembrando ele da data tão especial - Isso que importa – ela concluiu, para depois beijá-lo com todo o amor possível, como se não houvessem mais primaveras, verões, outonos e invernos. Como se não houvesse amanhã e qualquer outra coisa que os pudesse incomodar. Como se houvesse apenas amor.

E há.

O amor deles.

O maior de todos.

por todos os dias 20 que ainda existirão.

E existirão.

Infinitamente…

Infinitamente…

Photo: Couple kissing during the Summer Jam at Watkins Glen rock festival. Watkins Glen, NY. July 28th, 1973.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação
REGANDO GIRASSÓIS COM AMOR E SAUDADES - Então é isso? – ela perguntou, quase aflita, com a voz distante. - Creio que sim – ele respondeu, disfarçando a tristeza – Fique tranqüila, a viagem vai ser do caralho. Você vai amar. Você vai, estuda e, logo, logo, vai estar de volta e nós continuaremos juntos. Sempre juntos. E, afinal, nem é tanto tempo assim. - Pô, seis meses é quase uma vida – ela disse. - Não, relaxa, vai passar voando. E você tem razão, vai ser uma vida. A sua vida. A nossa vida. Ela permaneceu em silêncio e ele emendou – Vá tranqüila querida, por favor. Você sabe que eu te amo e tudo o mais e pode apostar que quando você voltar eu vou estar te esperando. Pode estar certa. - Você tem certeza que não quer ir ao aeroporto? – ela perguntou – Já estou quase saindo. - Nós já conversamos sobre isso, não? – ele retrucou, firme. - Tá bem, tá bem, não vou mais discutir isso. Bom, preciso ir. Nossas despedidas já fizemos. O resto vem depois – ela disse, já chorando. -