Pular para o conteúdo principal
QUEM NÃO PRECISA SER COMUM?

Ela trabalhava no Clube Varsóvia há vários meses. Garçonete (ela detestava este termo, mas mesmo em tempos modernos, chatos e politicamente corretos como os de hoje, ainda é assim que são chamadas as mulheres que trabalham como “garçons” ou no exercício de profissão similar).

De qualquer forma, fosse qual fosse a sua “profissão”, o fato é que ela trabalhava no Clube Varsóvia há vários meses e isso era bastante tempo.

Tempo suficiente para perceber como as pessoas são loucas, psicóticas, insanas, anormais, apaixonadas, verborrágicas, caladas, sentimentais, frias, cruéis, verdadeiras, amigas, tolas, fúteis, interessadas, egoístas, generosas, enfim, toda a sorte e espécie de adjetivo que você possa imaginar na nossa língua portuguesa.

E ela adorou ter percebido isso.

A solidão e a porra da insegurança, que sempre a incomodaram, deram lugar a uma espécie de esperança. Isso, esperança... quem diria.

Pode parecer tolo e idiota e vulgar e clichê e novelesco, porém a nossa doce e adorável e amável “garçonete” ganhou esperança.

Esperança de que mesmo ela, uma moça comum, com um cabelo comum, com um olhar comum, um intelecto comum, uma vida comum, tatuagens comuns, hábitos comuns, vícios comuns, coturnos comuns, tudo comum, seria capaz de encontrar um imbecil qualquer que a amasse da forma como ela estava (e sempre esteve) disposta a amar.

Mas, óbvio, esperança nunca é o bastante. Nunca mesmo. É necessário agir, atuar, procurar, fazer o verbo rolar, estar sempre “alive and kicking” (como seu amigo Zé Edu usualmente costumava pregar), e, sobretudo, ter sorte, muita sorte. E, neste último aspecto, (thanks God!), o acaso conspira – mesmo em favor de “garçonetes” solitárias.

E naquela noite, ele conspirou...

Perdida entre copos com marcas vagabundas de batom, cinzeiros sujos, chão molhado, toalhas engorduradas, mesas imundas e um barulho irritante produzido por um DJ incompetente, ela encontrou, naquela noite, apenas um garoto lindo dentre uma multidão de pessoas desconhecidas.

Um garoto lindo e simpático e com um cabelo comum, com um olhar comum, um intelecto comum, uma vida comum, tatuagens comuns, hábitos comuns, vícios comuns, coturnos comuns, tudo comum.

Comum a ela.

E eles passaram a manhã toda – fim de expediente para ela – conversando no boteco em frente ao Clube Varsóvia.

Felizes e comuns.

Como qualquer começo de amor deve ser.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo