Pular para o conteúdo principal


A VIDA É SEMPRE VELOZ

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Essa frase – pronunciada por um velho amigo - ecoava sem parar na sua cabeça. Sem parar. Ele tem razão - ela pensou – Toda a razão. A vida é extremamente veloz e eu chego a ficar assustada com tudo isso. Feliz? Porra, fico muito feliz, mas também assustada, bem assustada.

Tudo acontece tão rápido nessa vida que eu chego a ficar assustado...

Ela tinha curtos cabelos coloridos. Bem, hoje eles estão menos coloridos. Cor indefinida. Porém, durante toda a sua adolescência, não foram raros os dias em que ela teve que acordar e olhar atentamente para o espelho, com seus olhos grudados de sono, antes de poder afirmar com toda a convicção qual a efetiva cor dos mesmos. Eles já foram de todas as cores possíveis. E, por isso, reclamavam. E o pior é que não reclamavam somente por isso. Reclamavam por tudo. Ela tem tatuagem – reclamavam. Ela fala palavrão – reclamavam – Ela pensa que escreve bem – reclamavam – Ela pensa que vai ser alguém – reclamavam. E reclamavam e reclamavam e reclamavam. Sobre qualquer coisa. Sobre qualquer aspecto da vida daquela garota que os irritava. Quem reclamava? Ora, vocês sabem, os idiotas, os imbecis, aqueles que têm quase nada ou muito pouco a fazer. Aqueles que, por ressentimento ou inveja ou medo ou o caralho, têm medo de viver as suas próprias vidas e, portanto, preocupam-se em aniquilar com a dos outros. Destruir o que vive sozinho. Independente. Qual a importância dessas pessoas? Nenhuma porra, absolutamente nenhuma, mas, confesso, ela teve que respirar muito fundo antes de mandá-las, merecidamente, a uma longa viagem sem volta para o inferno. Mas, deixando de lado os idiotas, ela estava feliz naquela tarde. Naquela tarde ensolarada de início de verão. Naquela tarde, simples, o que realmente importava para ela era o fato de ter finalmente percebido, pela primeira vez em seus vinte e poucos anos, que tudo acontece muito rápido nesta vida. Muito rápido.

Tudo acontece tão rápido nessa vida, que eu chego a ficar assustado...

Naquela tarde cheia de sol e de verão e de brisas frescas e de pessoas vivas andando para lá e para cá, com tanto e tão pouco rumo certo, ela se viu sentada naquele café, tranqüila, bebericando um delicioso copo de chá de hortelã gelado. Ela sorriu da cena que estava protagonizando. Chá de hortelã gelado. O que os idiotas diriam? – pensou, com um sorriso. Nada de vodka, nada de cigarros, nada de noite, nada de fumaça, nada de loucas e deliciosas pirações. Tudo isso ficou para depois. Não para nunca mais, óbvio, apenas para depois, afinal, tudo acontece tão rápido nessa vida que o amanhã daqui a pouco é hoje.

E, assim, ela ficou por toda a tarde naquele café, apenas com o seu chá gelado, com o seu doce dia de verão, com os seus pensamentos e com a sua barriga tão lotada de vida.

Ela estava grávida e feliz... extremamente feliz...

Tudo acontece tão rápido nessa vida... que bom...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a