Pular para o conteúdo principal

CHUVA ÁCIDA.


Quatro e meia da manhã.


Quatro e meia da manhã de mais uma quinta feira.


Quatro e meia da manhã. Madrugada quase no fim. E chovia demais naquela madrugada. Chovia demais. Muito. Muito mesmo.


E ele, pobre tolo, imbecil sem rumo, apenas restava parado em pé na esquina daquela rua de bairro, rua tão deserta àquela hora da madrugada.


Estava completamente ensopado, totalmente molhado. Completamente ensopado dentro do seu casaco sujo cor cru.


Um totem de estupidez.


Ele parecia um totem de estupidez, erguido por algum ser insano em homenagem aos otários e imbecis da madrugada. Um totem fixado bem embaixo daquela marquise decadente em neon anos oitenta daquela padaria tão estúpida. Tão estúpida e ridícula. Completamente molhado em seu casaco sujo cor cru.


Os seus dedos úmidos tentavam com dificuldade acender mais um cigarro. Apenas mais um cigarro. O décimo quinto daquela madrugada.


A marquise protegia um pouco da água espirrada pela chuva, mas o vento não. Definitivamente não. O vento era cruel e frio. Poucas coisas estavam ao seu favor naquela madrugada. Muito poucas coisas.


Mas quem insiste consegue e ele, portanto, conseguiu. Acendeu a porcaria do seu cigarro. Acendeu o seu décimo quinto Marlboro e ficou como um imbecil, tragada em tragada, apenas olhando sem parar para a janela do sexto andar do prédio antigo erguido em frente àquela maldita padaria.


Quatro e quarenta e cinco da manhã. Madrugada já no fim. E chovia demais naquele início de manhã. Chovia demais. Muito. Muito mesmo.


Viu, sem jeito, o funcionário abrir a padaria e lhe desejar um “bom dia” tímido e constrangedor.


Ele apenas sorriu de volta. Nada disse.


A chuva começou a cair ainda mais forte.


Maldito fim de madrugada. Maldito início da manhã. Maldita vida.


Ele, fraco forte, ficou por mais alguns minutos olhando incessantemente para a janela do sexto andar do prédio em frente àquela velha padaria que lhe servia de abrigo.


Imaginou em vão e como um imbecil, que as luzes se acenderiam naquele distante sexto andar e algo anormal aconteceria.


Ela poderia lhe acenar.


Ela poderia lhe convidar a subir.


Ela poderia lhe jogar uma rosa.


Ela poderia lhe mandar um beijo.


Nada.


Nada aconteceu.


Nada.


Apenas nada.


Somente restou a escuridão quebrada por um relâmpago desesperador e pelo neon vagabundo daquela padaria. Nada mais.


Ele apenas imaginou. Imaginou em vão.


Cretino do inferno.


Cinco da manhã.


Jogou a bituca do seu cigarro no meio fio e entrou na padaria já aberta pelo funcionário trabalhador.


Foi brecado por um cartaz ao lado do caixa que o “matou”: “Não servimos bebidas alcoólicas das cinco às dez da manhã. Normas da casa. Favor não insistir”.


Ele nada disse ao funcionário e começou a chorar como uma criança ao partir da padaria.


Não olhou para os lados e nem para o apartamento deixado ao fundo. Nada como uma boa tempestade para esconder as lágrimas. Nada como uma boa tempestade para esconder as lágrimas...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Brindando Palavras Repetidas

  leia e ouça: richard hawley || coles corner - Você é repetitivo. Ele a olhou com uma surpresa muda,  - Você é muito repetitivo - ela disse, certeira, sabendo que o havia atingido em seu ponto mais fraco, mais vulnerável, mais dolorido. Não sorriu. Ele a olhou com certa surpresa sabendo que, no fundo, ela estava certa - Como assim? - perguntou, querendo ter certeza. - Repetitivo. Repetitivo. Você usa as palavras de forma inconsequente e repete sempre as mesmas coisas. Faz isso o tempo todo. - Faço? - ele disfarçou. Ela então sorriu levemente - Claro que faz. Mas o que me deixa ainda mais fascinada é esta sua cara de pau. Você sabe que é assim, desse modo, desse jeito e ainda assim continua nesta direção. Ele fingiu indignação, mas por puro orgulho. Ela estava absolutamente certa. Ele tomou um gole do que estava bebendo e ficou quieto, esperando a próxima porrada. - Não? Você não sabe disso? - ela insistiu. - Talvez - admitiu, sem admitir. - Então, por que você não tenta mudar? - Você