Pular para o conteúdo principal

QUANDO O REFLEXO NA JANELA DE UM ÔNIBUS VELHO E SUJO REVELA A SUA VIDA SEM VOCÊ DESEJAR. SEM VOCÊ DESEJAR...

Manhã de segunda feira de julho em São Paulo.
Maldita manhã de segunda feira em São Paulo. Em qualquer lugar do mundo.
Maldita manhã de segunda feira em qualquer grande cidade de qualquer lugar do mundo.
Manhã de segunda feira cinza, chuvosa e fria. Muito fria. Fria demais.
Ninguém, mas ninguém no mundo merece uma segunda feira de manhã cinza, fria e chuvosa demais. De verdade. Do fundo do meu coração não desejo isso a ninguém.
E, de bobeira, em um ato de verdadeira idiotice, percebi o reflexo do meu próprio rosto na janela do ônibus em que eu estava e que rasgava insano, em alta velocidade, aos trancos e barrancos e sem medo, a Avenida Francisco Matarazzo, zona oeste de São Paulo.
E fiquei perplexo com a pequenez do que vi. Perplexo. Perplexo demais com tamanha pequenez.
O que vi não ajudou em nada a minha vida, a minha esperança, a minha perspectiva de um futuro melhor. Ah, futuro melhor... Só rindo mesmo.
Vi e percebi apenas um velho homem gordo com uma barba ridícula, com muito poucos trocados no bolso e muita decepção no coração.
Muita decepção.
Muita.
Mesmo.
Quando eu tinha vários cartões de crédito eu era notado por todos. Por todos. Sem exceção. Quando eu tinha um computador, meu Facebook era lotado. Cheio de inúteis que sequer sabem o número do meu telefone para me dar os parabéns no dia do meu aniversário. Sequer sabem que telefone é para FALAR com alguém e não ficar apenas em aplicativos imbecis e sem graça que levam o “nada” a “lugar nenhum”. Quando eu tinha um carro, ele ia e vinha por todos os cantos da cidade, sempre cheio de gente. Sempre cheio de gente. Sempre. Gente de todos os tipos, de todas as cores, com todas as flores. Sempre cheio. Até de desconhecidos. Mas isto quando havia um carro, vários cartões de crédito e um notebook. Hoje? Não. Hoje não há mais nada disso e quase nuinguém. Há apenas um reflexo na janela de um ônibus sujo e bem vazio que te leva para casa numa manhã de segunda feira fria, chuvosa e cinza. Mas casa? Casa? Porra, casa também não há mais. Claro que não. Há um lugar, ainda bem, aonde consigo me abrigar da chuva, do sol, da noite, do frio, enfim, um lugar qualquer. Mas não é o meu lar. Definitivamente não é o meu lar. Aliás, hoje em dia, lugar nenhum é o meu lar, mas Deus (se é que isto existe) ajudou-me e consigo ao menos abrigar-me da chuva, do sol da noite, do frio, enfim, de muitas coisas, inclusive da falta de perspectiva (só não da minha imbecilidade).
Quando eu era alguém, há muito tempo atrás, quando eu não era mentiroso e canalha, quando tinha um carro, cartões de crédito, uma porra de um notebook e podia decidir alguma coisa, sempre havia alguém me bajulando. Sempre. Claro que sim. Para o bem ou para o mal. Hoje? Nada disso. Restou apenas uma porra de um reflexo embaçado em um ônibus velho e sujo. Apenas isso.
O reflexo de um mentiroso e de um homem velho que errou muito. Errou mais dos que devia. Muito mais do que devia e podia.
E não fosse uma pequena pessoa que ainda acredita em mim (ingênuo ainda, claro, pois logo vai adquirir discernimento e perceber a verdade e entender o que todos entendem sobe a minha pessoa e, óbvio, me deixar de lado), talvez este texto estivesse onde merecia estar: no limbo, sem ter sequer sido escrito...
Manhã de segunda feira.
Manhã de segunda feira cinza, chuvosa e fria. Muito fria. Fria demais.
Ninguém, mas ninguém no mundo merece uma segunda feira de manhã cinza, fria e chuvosa demais. De verdade. Do fundo do meu coração.
E, de bobeira, em um ato de verdadeira idiotice, percebi o reflexo do meu próprio rosto na janela do ônibus em que eu estava e que rasgava insano, em alta velocidade, aos trancos e barrancos e sem medo, a Avenida Francisco Matarazzo, zona oeste de São Paulo.
O que vi?
A mim mesmo... Talvez o maior erro da minha vida, pois odiei o que vi e amei o que lembrei, porém, detestei o que pressenti que há por vir.
Simplesmente detestei o que há por vir...
Do fundo do meu coração eu simplesmente detestei o que vi, pois não há felicidade quando o reflexo na janela de um ônibus velho e sujo revela a sua vida. O inteiro desperdício da sua vida. O inteiro desperdício da sua própria vida, a não ser por um pequeno ser que ainda acredita ser possível ser feliz ao meu lado... Pobre tolo.
Manhã de segunda feira...
Insuportável presságio de um dia ruim...
E no meio do desabafo, lembrei de uma velha canção do Paulo Ricardo. Quem???? Que dizia de forma megalômana e apaixonada que “Eu andei / por onde o amor me levou / eu voltei / por onde o amor me chamou / eu amei / como homem nenhum nunca amou / o amor me escolheu / logo eu / que de amor nada sei...”.
Não mesmo. Nada sei sobre amor e sequer sobre amor próprio. Muito menos sobre amor próprio. Definitivamente.
Mas, o que eu quero? O que eu quero?
Um copo de vodka? Não, claro que não, pois esta escolha já me tomou muita coisa. Muita coisa mesmo. A minha própria vida.
Quero apenas um copo de água e um dia de sol e que aquela pequena pessoa que mencionei acima jamais perceba, tenha discernimento ou tenha consciência de quem eu realmente sou, fui ou sempre serei.

É pedir demais, eu sei... É pedir demais aos quarenta e cinco do segundo tempo quando a goleada contra já está formada... Pedir demais...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação
REGANDO GIRASSÓIS COM AMOR E SAUDADES - Então é isso? – ela perguntou, quase aflita, com a voz distante. - Creio que sim – ele respondeu, disfarçando a tristeza – Fique tranqüila, a viagem vai ser do caralho. Você vai amar. Você vai, estuda e, logo, logo, vai estar de volta e nós continuaremos juntos. Sempre juntos. E, afinal, nem é tanto tempo assim. - Pô, seis meses é quase uma vida – ela disse. - Não, relaxa, vai passar voando. E você tem razão, vai ser uma vida. A sua vida. A nossa vida. Ela permaneceu em silêncio e ele emendou – Vá tranqüila querida, por favor. Você sabe que eu te amo e tudo o mais e pode apostar que quando você voltar eu vou estar te esperando. Pode estar certa. - Você tem certeza que não quer ir ao aeroporto? – ela perguntou – Já estou quase saindo. - Nós já conversamos sobre isso, não? – ele retrucou, firme. - Tá bem, tá bem, não vou mais discutir isso. Bom, preciso ir. Nossas despedidas já fizemos. O resto vem depois – ela disse, já chorando. -