Pular para o conteúdo principal


Por Favor, Use os Headphones
"Dead Leaves And The Dirty Ground"
(The White Stripes)


Ele pegou, sem o menor cuidado, todas as suas roupas daquela porra de armário velho. As velhas camisetas de banda, as velhas bermudas rasgadas, os jeans já quase brancos e castigados pelo uso absurdo, enfim, tudo o que costumava vestir. Jogou tudo de uma vez dentro da pequena mala com cheiro de naftalina e excesso de pó acumulado pelo pouco uso. Abriu uma gaveta e sacou uma pilha de revistas antigas. Pegou seus livros, pegou parte dos cd´s. Pelo menos os que sei que são meus – pensou. Parou próximo a porta e jogou a mala com raiva no chão. Havia esquecido as fotos. Abriu um baú antigo, e procurou por alguns álbuns antigos. Olhou algumas fotos e fechou a porra do baú com força. Desistiu de levar qualquer foto. Queria simplesmente apagar qualquer foto dos últimos três anos.

- Você vai mesmo? – ela perguntou, aborrecida e visivelmente entediada.
- Posso? – ele respondeu, ríspido.
- Já vai tarde, meu chapa – ela retrucou.
- Beleza então. Depois eu pego essas fotos. Quero as mais antigas, mas não estou com o menor saco de procurar agora.
- Como quiser.
- Então tá. A gente se vê.
- A gente se vê – ela respondeu desanimada, virando-lhe as costas e sumindo em direção a cozinha.

Ele a observou sumir cozinha adentro e pegou a pequena maleta cheia de coisas. Deu uma última olhada na pequena sala, toda desarrumada e cheia de velas e incensos acesos e saiu. Assim que saiu pelo quintal ele esmurrou o velho e pesado portão de ferro e pôs-se a chorar, como uma criança, imaginando por que razão a sua vida tinha se tornado um caos.

Enquanto isso a cozinha era inundada por lágrimas. Inundada por sonhos desfeitos e pela triste perspectiva de as folhas mortas sujarem todo o quintal ...

" Dead Leaves And The Dirty Ground "
(The White Stripes)


Dead leaves and the dirty ground
when I know you're not around
shiny pops and soda pops
when I hear your lips make a sound

Seven notes in the mailbox
will tell you that I'm coming home
and I think I'm gonna stick around
for a while so you're not alone

If you can hear a piano fall
you can hear me coming down the hall
if I could just hear your pretty voice
I don't think I need to see at all

Soft hair and a velvet tongue
I want to give you what you give to me
and every breath that is in your lungs
is a tiny little gift to me

I didn't feel so bad till the sun went down
then I come home
no one to wrap my arms around

Well any man with a microphone
can tell you what he loves the most
and you know why you love at all
if you're thinking of the holy ghost

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo