Pular para o conteúdo principal

NUCA


Ela entrava em transe. Transe total.
O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz.
Muito feliz.
Não existiam mais as más notícias.
Não.
Definitivamente não.
Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas.
Nada.
Nada a perturbar.
Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca.
Lábios deliciosos e densos.
Intensos.
Sempre pintados de uva.
Sempre lindos.
E os arrepios.
Muitos arrepios.
E ela entrava em transe.
Transe total.
O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz.
Muito feliz.
Não existiam mais as más notícias.
Não.
Defitivamente não.
Havia um aroma de uva no ar.
Um perfume.
E palavras sussuradas na dose certa.
Na dose certa.
E ela entrava em transe.
Transe total.
O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz.
E molhada.
E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite.
Toques.
Reflexos.
Seios.
Desejos.
Pelos.
E a chuva lá fora não importava mais.
O que importava era o vinho e a luz torpe da sala.
Os corpos se juntando.
E o delicioso aroma de uva invadindo a sala.
Um perfume.
Um perfume avassalador.
E palavras sussurradas na dose certa.
Na dose certa.
Medida ideal.
E elas entravam em transe.
Transe total.
Elas.
Apenas elas.
E a vagabunda sala de estar como testemunha...
Testemunha ocular...


Comentários

Anônimo disse…
We have put together a information that will present you the ins and outs 카지노사이트 of on line casino cell recreation advertising. Customer help staff via Live Chat or email and the pleasant staff at the prime NetEnt casinos will provide assistance. You can play for as long as|for so long as} you need, without ever having to worry about shedding your cash. Mega Roulette maintains the acquainted features of the single-zero Roulette experience, solely enhanced with features that make it unmatched.

Postagens mais visitadas deste blog

...e de todas as coisas mais feias e mais belas do mundo, a única que a fazia sorrir era o mar, pois o reflexo no espelho causava angústia e vontade de chorar... e ele disse "eu não sei fazer poesia, mas que foda". ela concordou com a cabeça e lhe deu um beijo fabuloso, formidável, maravilhoso. ela chorou, sem saber se de felicidade ou tristeza... apenas sem saber...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

Brindando Palavras Repetidas

  leia e ouça: richard hawley || coles corner - Você é repetitivo. Ele a olhou com uma surpresa muda,  - Você é muito repetitivo - ela disse, certeira, sabendo que o havia atingido em seu ponto mais fraco, mais vulnerável, mais dolorido. Não sorriu. Ele a olhou com certa surpresa sabendo que, no fundo, ela estava certa - Como assim? - perguntou, querendo ter certeza. - Repetitivo. Repetitivo. Você usa as palavras de forma inconsequente e repete sempre as mesmas coisas. Faz isso o tempo todo. - Faço? - ele disfarçou. Ela então sorriu levemente - Claro que faz. Mas o que me deixa ainda mais fascinada é esta sua cara de pau. Você sabe que é assim, desse modo, desse jeito e ainda assim continua nesta direção. Ele fingiu indignação, mas por puro orgulho. Ela estava absolutamente certa. Ele tomou um gole do que estava bebendo e ficou quieto, esperando a próxima porrada. - Não? Você não sabe disso? - ela insistiu. - Talvez - admitiu, sem admitir. - Então, por que você não tenta mudar? - Você

Vinte

  leia e ouça: anthony lazaro || someone like you - Ei, hoje não é o último dia da primavera, início do verão? – ele perguntou, enquanto observava o sol morrer pela janela, quieto, belo, brilhante. Precisamos celebrar - concluiu. - Que dia é hoje? – ela perguntou. - Dia 20 – ele respondeu, enquanto deixava a paisagem do pôr do sol para lá e se concentrava em um casal de velhinhos fantásticos que andavam de mãos dadas pela calçada. - Não. Amanhã é o último dia da primavera, então – ela disse, com um sorriso adorável indo em sua direção e com aqueles olhos verdes tão e tão e tão e tão devastadores. Linda. Apenas ela. Ele sorriu e emendou - Eu detesto quando a primavera termina. Eu simplesmente detesto quando as coisas, no geral, terminam. Eu não gosto disso. Não gosto do fim das coisas, não gosto de encerramentos. Não gosto de fins. Eu sempre choro nas cerimônias de encerramento das olimpíadas, copa, essas coisas – disse, com um sorriso. Lindo, por sinal, e prossegui