Pular para o conteúdo principal
O MELHOR DE UMA FESTA SURPRESA ENTRE DOIS AMIGOS (AMIGOS???)

- Então tá - ele disse, com sua sempre igual e adorável cara de cínico, que ela conhecia tão bem e há tanto.
- Então tá? Só isso? - ela perguntou, irritada diante dele. Irritada por sempre cair no papo dele. Irritada por gostar tanto e tanto e tanto dele. Irritada por ser AMIGA dele - Você esquece o meu aniversário, eu não aguento, reclamo com você, peço carinho e você apenas pede desculpas?
- Oras, o que mais você queria? - ele se defendeu, tentando ter a situação sob controle. Tentando parecer apenas ele.
- Talvez eu merecesse mais.
- E eu não te dou sempre mais? - ele perguntou, esboçando um sorriso e acendendo um cigarro - Vamos dançar?
Ela o olhou de forma inacreditável. Com um misto de surpresa e raiva, de amor e ódio, de fúria e decepção, de paixão e paixão.
Apenas balançou a cabeça.
- Porra, hoje é meu anivresário e você, além de esquecer, me traz aqui no Clube Varsóvia. Lugar nada especial.
- Pô - ele quase gritou - Como assim "lugar nada especial". Foi aqui que eu te conheci.
Ela sorriu com desdém, feliz com seu sarcasmo, feliz com sua ironia, feliz por ter acertado o alvo. Em cheio - É mesmo? Eu não lembrava.
Ele percebeu o descaso e apenas retribuiu o sorriso - Olha, deixa eu dizer uma coisa. Não foi à toa que eu te trouxe aqui.
Os olhos dele brilharam. Agora estava ansiosa - Não?
- Não. Deixa eu te dizer uma coisa.
- O quê? - ela perguntou, agora rápida e ansiosa.

Ele fez um sinal com a cabeça e o dj mandou uma canção antiga, uma balada, uma canção cheia de idas e vindas. Uma canção deles.

- Somos amigos ou não? - ele perguntou.
Ela sorriu com a cabeça - Somos né?

Quando a gente conversa / Contando casos, besteiras

- Eu quero mais que isso.

Tanta coisa em comum / Deixando escapar segredos

Ela o encarou de uma forma surpresa - Como? Não entendi.

E eu não sei que hora dizer / Me dá um medo

- Porque você não ouve de vez em quando?

que medo

Ela levou a mão a boca, tentando disfarçar o sorriso, tentando disfarçar a alegria, tentando mostrar o amor e conter as lágrimas - Não estou entendendo - ela disse, não querendo acreditar.

Eu preciso dizer que eu te amo / Te ganhar ou perder sem engano

- Eu te amo, porra!

Eu preciso dizer que eu te amo

E o beijo que a pista presenciou foi absolutamente lindo, lindo, lindo. Dois amigos, uma história de amor. Um empurrãozinho para a confissão, o medo deixado de lado.

...tanto

E eu, pobre diabo, assisti naquela noite a tudo isso, largado no balcão do Clube Varsóvia, tomando minha vodka gelada e vagabunda e fumando meus Marlboros nada light.

E sorri como um tolo, feliz por, novamente, presenciar o amor, em sua mais simples e ingênua forma, porém a mais verdadeira...

... e agora não posso deixar de contar a vocês que o amor ainda existe...

... sorte nossa...

... toda nossa!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis