Pular para o conteúdo principal

QUANTAS PORRADAS ATÉ VOCÊ ENTENDER?


- Você espera isso mesmo? - ela perguntou, toda sorrisos.
Ele a olhou de uma forma engraçada, quase humorística, apaixonada - Claro. Você não?
Ela acendeu mais um cigarro e pediu ao garçom do Clube Varsóvia que servisse outro Mojito - Adoro esta canção - respondeu, apontando para o DJ do Varsóvia, solitário e em transe na sua cabine.
Ele riu alto, pouco surpreso com a resposta.
- Rindo? Pareço ser engraçada? - ela emendou.
- Parece não, querida, você É engraçada - ele disparou - Engraçada prá caralho.
- Não sei porquê.
- Porque sim. É hilário ver como você foge e como você dribla e como você evita uma das coisas mais inevitáveis da vida.
- Pff... lá vem. Nem precisa me dizer o que é esta "coisa" tão inevitável. Poupe fôlego.
- Não? - ele perguntou, atiçando.
- Não - ela concluiu, enquanto o garçom servia o seu terceiro Mojito naquela noite.
- Tem certeza que sabe tanto assim?
- Querido, eu tenho certeza do que você vai dizer. Vai dizer aquelas besteiras e mentiras que o amor é lindo, o amor é belo, o amor é vida, o amor constrói, o amor o cacete. Nem vem. O que é inevitável mesmo é a frustração, o desespero, o medo, o fracasso, enfim, tudo o que se refere a fracassos amorosos. Não espere nada diferente de pessoas como eu. Especialistas em desilusão e afins.
- Mas eu não espero nada diferente de você.
- Não? - ela perguntou, surpresa.
- Não - ele disse, tranquilo.
- Então, que porra você está dizendo?
- Estou dizendo que você vai se comportar como todas as vezes. Como todas as malditas outras vezes que deu sorte de encontrar alguém. Vai ser tola, infantil, boba, otária, dramática, desesperada, neurótica, medrosa, enfim, vai ser apenas você mesmo.
Ela olhou furiosa para ele, como querendo esmurrá-lo por dizer tantas verdades em uma única maldita frase - A vida é minha. Por que você não vai se foder? - disparou.
Ele a ignorou e prosseguiu, insolente - O que eu espero é dele. Apenas dele. Tudo o que eu espero é que ele consiga te fazer enxergar. Que ele consiga que você seja, uma única vez, capaz de dar alguma chance para alguém que parece realmente gostar de você. Uma única maldita chance para uma única maldita pessoa. Uma única maldita vez.
Ela apenas escutava.
- Você parece sempre querer sofrer. Sempre querer estar no spot do drama. Uma patética estrela do drama. E o que eu espero é que ele consiga fazer você mudar este foco. Quer ser dramática? Louca? Insana? Então seja. Mas, por uma única vez, seja dramática por algo que valha a pena. Seja dramática por amor, por paixão, por tesão, por emoção, por vida.
Ela apenas escutava, brincando com seu celular.
- É óbvio que isto tudo é conversa de botequim. Conversa lugar-comum, conversa clichê. Mas, querida, amar é clichê. E, cá para nós, um clichê muito mais bonito do que o batidíssimo clichê das "mal-amadas". Por que caralhos você não pode ser feliz uma única vez?
Ela acendeu outro Marlboro.
- É apenas isso o que eu espero. Que ELE consiga ser feliz e, quem sabe, leve você junto com ele neste mundo tão desconhecido.
Ela olhou para ele com os olhos borrados, cheios de lágrimas e apertou suas mãos com força.
- Vou indo - ele disse, dando um abraço e um beijo forte nela.

Ela ficou ali, apenas vendo seu amigo desaparecer entre o agito do Varsóvia.

Ao olhar o seu copo quase vazio de Mojito, percebeu um guardanapo amassado, com um número de telefone e uma frase: "Liga prá ele. Seja feliz. Uma única vez em toda a sua vida. Te amo.".

Ela sorriu e chorou ao mesmo tempo, enquanto pedia ao garçom mais uma bebida.

E dali até o final da noite, ninguém mais entendeu o que uma garota tão bonita fazia, ao celular, enquanto todos se divertiam no meio de um clube noturno...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação
REGANDO GIRASSÓIS COM AMOR E SAUDADES - Então é isso? – ela perguntou, quase aflita, com a voz distante. - Creio que sim – ele respondeu, disfarçando a tristeza – Fique tranqüila, a viagem vai ser do caralho. Você vai amar. Você vai, estuda e, logo, logo, vai estar de volta e nós continuaremos juntos. Sempre juntos. E, afinal, nem é tanto tempo assim. - Pô, seis meses é quase uma vida – ela disse. - Não, relaxa, vai passar voando. E você tem razão, vai ser uma vida. A sua vida. A nossa vida. Ela permaneceu em silêncio e ele emendou – Vá tranqüila querida, por favor. Você sabe que eu te amo e tudo o mais e pode apostar que quando você voltar eu vou estar te esperando. Pode estar certa. - Você tem certeza que não quer ir ao aeroporto? – ela perguntou – Já estou quase saindo. - Nós já conversamos sobre isso, não? – ele retrucou, firme. - Tá bem, tá bem, não vou mais discutir isso. Bom, preciso ir. Nossas despedidas já fizemos. O resto vem depois – ela disse, já chorando. -