Pular para o conteúdo principal
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE)


"...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee.
- Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda?
- Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto.
- Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha.
Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça.
- Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais?
- Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais.
Lee sorriu com a brincadeira e acendeu um Marlboro, um pouco mais feliz com a piada e com o brilho no olhar da amiga.
- Quer vinho? - Puca perguntou.
- Tem vodka? - Lee respondeu.
- Tem. Vou pegar. E enquanto pegava um copo americano qualquer, Puca continuou - Você anda estressada demais, Lee. Esta dor de coração, de paixão, de perda, de tudo, ainda vai te matar. Você devia relaxar um pouco e aprender que a vida pode ser contemplativa. Totalmente contemplativa. O amor está aí. Basta ver.
- Contemplativa? O que eu tenho para contemplar? - Lee disse - O espelho para ver como eu sou troux...
- EU - interrompeu Puca, com um sorriso disfarçado, lindo, delicado, completamente APAIXONADO - Você pode me contemplar. Sempre. Entende a porra do que digo?
Lee ficou em silêncio, surpresa (e com coração aos pulos).
- Então você não entende nada de amor e de assuntos de menininhas como este, por exemplo - disse Puca, aproximando-se de Lee e dando-lhe um dos beijos mais apaixonados e molhados que aquela sala já havia visto.
"... It´s getting better all the time..." - pensou Puca, feliz.
"...And in your way / In this blue shade / My tears dry on their own..." - pensou Lee, feliz.
O inevitável aconteceu. E elas sabiam disso...
E entre beijos lânguidos, molhados e apaixonados, apenas duas garotas, um sofá, vários toques, alguns perfumes e uma certeza: o amor está aonde menos se espera, mas ele está. Podem apostar.

Comentários

mto bom... voltou em grande estilo!
otimismo... preciso de uma boa dose disso...
preciso voltar a escrever meus contos tbm.. saudades!

grande beijo...
ah_sei_lah disse…
Muito bom ver que vc está levando a volta a sério (ou tentando rs).
Vou te escrever amanhã, trate de responder, tá????
Ah! Adorei a idéia de colocar as músicas disponíveis aqui...
Bjs
Anônimo disse…
caraaaaaaammmmmba.... má num é q ficou MTO incrível? pra variar né.. AMEI!!!!!!!!!!!!!
Ladyhell*** disse…
Linda volta Guzi....excelente conto, e uma última frase arrebatadora. Posso apostar, mesmo?
beijos saudades
Anônimo disse…
Olà!Amei esta historia e queria esta presente nela.Acho que estou apaixonda por alguém assim.Bjs valeu>>>

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend - Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre ele