Pular para o conteúdo principal

TEMPESTADES DE NATAL


Ela acordou de repente, com um grito. Era madrugada e ela acordou absolutamente assustada. Estava suada e sua cama completamente encharcada. Suor frio. O pesadelo havia sido insano. Era preciso ter nervos de aço para dormir naqueles dias. Nervos de aço. E ela levantou da cama tremendo. Foi direto para a cozinha, se é que há diferença entre o quarto e a cozinha naquela porra de apartamento em que ela morava. Ou se escondia? Ao lado do filtro de água pegou um copo americano. Abriu o armário e encheu de conhaque. Não conhaque dos bons, claro. Ela não tinha grana para este tipo de luxo. O máximo que ela conseguia comprar era algum destilado vagabundo, sempre dos mais baratos. Sempre dos mais escrotos. Seu fígado já nem se importava. Ele estava pouco se fodendo com o líquido, o cérebro queria o efeito. Sentou à mesa e pegou seu maço de cigarros. Os cigarros sim, mais caros do que o usual. Morrer de tédio ou morrer de vodka barata ok, mas se é para morrer de câncer causado por cigarro, que seja causado por cigarro bom – ela costumava pensar, sem o menor sentido ou lógica. Totalmente idiota. Acendeu o seu Marlboro e percebeu que estava uma tempestade lá fora. Uma tempestade de verão daquelas que sempre afundam São Paulo. Por sorte é de madrugada – ela pensou – Se fosse durante o dia foderia ainda mais a minha vida – ela pensou, lembrando do trabalho com salário vagabundo, do metrô, da sua rasa rotina. Enquanto tragava o cigarro e tomava o conhaque lembrou do pesadelo que a havia acordado. Tremeu novamente. Sentiu medo por estar naquela situação, sem perspectiva alguma, sem noção de para onde ir. Decidiu usar o único bem precioso e de algum valor que possuía: o seu Ipod. Um antigo, claro, presente da sua mãe em algum lugar do passado. The Clash era o que restava aquela noite. Nada de músicas tristes ou melancólicas, pois morava no décimo sexto andar e não estava com a menor vontade de a vizinhança e seu Genésio, o porteiro, verem como eram os seus miolos e seu corpo espatifado por dentro. Não queria ser notícia em vagabundos programas policialescos. Tomou o conhaque, fumou seu cigarro, ouviu sua canção até o fim. Levantou em silêncio da cadeira da cozinha pronta para tentar voltar a dormir. Lembrou, porém, que o Natal era na semana que vem e que a única companhia que teria seria a de Papai Noel e, talvez Rodolfo, a rena do nariz vermelho, pois o seu amor já não a amava mais e sua família morava em outro Estado. Amigos? Não lembrava quais. Pegou mais um bocado de conhaque barato, sentou novamente na cadeira velha, acendeu um cigarro e ligou o seu Ipod. Começou a chorar compulsivamente, quase gritando. Desejou ardentemente aquela noite, mais do que quando era aquela criança com sonhos que havia deixado de existir, como seria bom ter por perto Papai Noel e Rodolfo, a rena do nariz vermelho.

E a tempestade não passou...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis