Pular para o conteúdo principal

CANSAÇO


- Cansado? – ela perguntou com muito carinho, alisando com suave paixão os longos cabelos dele que encobriam boa parte do seu rosto. A boa parte do seu rosto.
Ele nada disse. Nada. Resignou-se e tomou um gole largo da sua cerveja. Um longo gole. Repleto de satisfação e frustração. Lágrimas gordas formaram-se em seus olhos azuis. Os seus lindos olhos azuis. Não pôde evitar. Preferiu o silêncio.
Ela não aceitou - Ah, querido. Pára. Não fique assim. As coisas mudam. Melhoram. Pode apostar – prosseguiu.
Ele a encarou com desespero e ira - Melhoram? – respondeu com certa raiva, muita indignação, toneladas de desprezo – Melhoram? Tem certeza?
O silêncio se fez. Ela abaixou a cabeça e desviou o olhar. Sabia que não sentia a verdade nas suas próprias palavras. Flagrada na mentira. Muito flagrada na mentira. Sabia que estava mentindo a pior das mentiras. A mentira para si própria.
Ficaram em silêncio.
Ele com sua cerveja.
Ela com seu cigarro.
Ao fundo? O Clube Varsóvia e seu caleidoscópio de situações inusitadas.
Vida. Simples assim.
E Bauhaus nunca foi uma trilha sonora tão perfeita.
Tão perfeita para uma noite tão quente de primavera...
Bem dito DJ...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

kate bollinger || candy- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só preciso …

ERA O QUE FARIA LOU REED

antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber isso. Ela…

E COMO FUGIMOS DAS SOMBRAS?

jye || a shitty love song

E o que eu faço porra?” – ele pensou em desespero, atônito e surpreso ao se dar conta do que ela tinha acabado de presenciar. “Como eu fujo daqui? Como eu fujo da minha própria sombra?” – continuou em pensamento. Suando demais. Suando muito, porém muito mais em razão do desespero do que das doses que havia bebido e das danças que havia dançado. Não sabia o que fazer. Definitivamente não sabia o que fazer. Na verdade não havia o que fazer. Não havia. Simples assim. O erro já havia sido cometido. O erro já estava pronto e acabado. Um delicado e especial presente, gentilmente embrulhado em papel de seda colorida em rosa e violeta, entregue a ele por Blodeuwedd, a irresistível deusa galesa. Um presente. Rosa e violeta. Um presente. Um erro. Mais um erro, mais um. Irremediável? Talvez. Inconsequente? Com certeza. Típico? Típico, sim. Típico dele. Ela? Considerando a velocidade em que ele a viu pelas costas deixando a pista em direção à saída, com certeza a esta altura ela já havia …