Pular para o conteúdo principal

A GAROTA VESTE PRETO


OUÇA: mini dresses || sad eyes
Três e meia da manhã e lá estava ela.
Acesa.
Acordada.
Acordada em plena madrugada, ainda mais uma vez.
Estava em pé observando a cena de guerra em que havia se transformado o seu quarto.
Cena de horror.
Roupas por todo lado.
Uma pilha enorme de peças, parte espalhada sobre a cama e parte jogada no chão, próximo da parede em que estava apoiado o estojo do seu violino.
Tudo por todo o lado.
Roupas por todo o canto.
Roupas pretas, em sua grande maioria.
Sua cor predileta.
A sua cor predileta.
E ela estava acesa.
Muito acordada às três e meia da manhã.
Sabia, no fundo, que estava perdendo tempo ali, parada e observando, pois metade daquelas roupas não ia caber na mala que ela (tentava) preparar para encarar aquela viagem.
Pensou - “... mas... ainda há tempo. A porra do ônibus vai sair às oito. Ainda dá tempo”.
E havia mesmo tempo.
Tempo suficiente para tudo.
- Menos para não sentir medo ela pensou ao perceber novamente o frio crescendo em sua barriga.
Receio.
Sensação tão conhecida em sua vida.
Sensação tão conhecida.
Não, definitivamente não era fácil sair daquela cidade pequena, com vinte e poucos mil habitantes e ir, em um arroubo, para aquela cidade imensa, cheia de som e fúria, cheia de rostos e cores.
Cores?
Sim, mas ela preferia preto.
Ela veste preto.
Sempre.
Equivocada, ela não se achava bonita de primeira, como aquelas garotas lindíssimas que os garotos, ou mesmo outras garotas olham de cara e se apaixonam velozmente como adolescentes embriagados.
Não, ela não se percebia assim.
Tola.
Nunca foi isso.
Puro equívoco.
Tímida, ela veste preto para, com seus cabelos longos e muito negros, arquitetar um quadro para neutralizar aqueles olhos gordos e verdes (absolutamente irretocáveis) que ela possuía.
Vontade de ficar invisível para as vinte e poucas mil pessoas que moram na mesma cidade.
Em vão.
Vã tentativa.
O preto dos cabelos e das roupas acentuava ainda mais o verde dos seus olhos.
Ainda mais.
E perdida entre o frio na barriga e uma pilha de roupas à sua frente ela pensou como havia chegado até ali.
Como havia tido a coragem de comprar a passagem e estar arrumando aquela mala.
Como?
Vontade.
Vontade?
Sim, vontade.
Vontades.
Vontade de sorrir de novo; vontade de fazer o que nunca fez; vontade de tomar cappuccino em um lugar sem ninguém conhecido por perto; vontade de não precisar mais fazer autoanálise através de sites de contos; vontade de conhecer o Clube Varsóvia; vontade de o violino caber na mala; vontade de sair dali; vontade de não ter de explicar que sua cidade ficava perto de outra, maior e mais conhecida; vontade de ir e voltar para aonde estava; vontade de andar sob a chuva; vontade de cantar; e, principalmente, vontade de se apaixonar e não ver isso como um erro como tantas outras vezes ela assim considerou.
Vontades.
Apenas vontades.
Mas uma coisa era absolutamente certa, ela pensou enquanto empurrava a última peça de roupa para dentro da mala Eu nunca vou deixar de vestir preto. Nunca”.
E fechou a sua bagagem com um sorriso no canto da boca e um brilho delicioso e genuíno em seus gordos e deliciosos olhos verdes.
Estava feliz.
Apenas feliz, como há tempos não se sentia.
A garota veste preto.
A garota tem vontades.
A garota está viva.
E há algo melhor?




Photo by Renáta Zaja from FreeImages


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a