Pular para o conteúdo principal


LÁGRIMAS DE NEVE

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(GENESIS – MORE FOOL ME)


E lá estava ele naquele país estranho, com pessoas diferentes do seu mundo, que não falavam a sua língua e não entendiam o que ele sentia. E lá estava ele sozinho, como de hábito. Sozinho e em Varsóvia. Polônia. Em pleno começo de inverno e sentindo um frio quase igual ao da sua alma. Glacial. E ele mal lembrava como havia ido parar naquela gelada e distante cidade. O que começou como uma fuga, acabou virando a sua vida. Uma vida de estações de trem, cozinhas de restaurantes baratos, cigarros grosseiros, roupas sujas e desgastadas e pouco, bem pouco dinheiro. O destino final? A fria Varsóvia. Foda-se – ele pensou – Ao menos faço o que quero da vida.

Só que sozinho. Sem ela. E em pleno inverno glacial.

E naquela manhã, ao sair da cama, ele nem percebeu que a noite mal dormida foi apenas um prenúncio de que, após seis meses de fuga, o passado estava de volta para lhe encarar, lhe ferir, lhe machucar. Ele saiu da cama e, enquanto acendia o primeiro cigarro do dia, resolveu abrir a velha e suja cortina bordô do seu quarto. Entrou em uma espécie de transe ao olhar através da janela. A rua estava coberta de neve. Branca como nuvem, cruel como “ela”, fatal como o seu passado e doce como um beijo. E ele lembrou do último dia em que ela quebrou o seu coração. Não, ela não disse “adeus”, tampouco “até mais”, apenas virou-se e foi embora, em silêncio. Num agonizante e desesperador silêncio fúnebre.

E ele chorou e chorou e chorou desesperado. Chorou como uma criança, vendo os brancos flocos cobrindo a calçada.

Era a primeira vez que via neve na vida. E não queria que fosse assim. Dolorido como perder o primeiro grande amor. Dolorido como perder a própria vida.



More Fool Me
(Gênesis)


Here am i
Who while away the mornings
Since you’ve gone
Too long have I lay alone
Not knowing which way to turn.

And there you are
Quite sure that you were right
Knowing full well
That I’d be the first one
To go down.

And you’d be the one who was laughing
Except when things weren’t going your way
And then the lady would say that she’d had enough
Wandering around on her own.

The day you left
Well I think you knew you’d not be back
Well at least it would seem that way
Because you never said goodbye.
But when it comes round to you and me
I’m sure it will work out alright.

And you’d be the one who was laughing
And giving me something I don’t need
And you know, I’d always hold you and keep you warm
Oh! more fool me.

Ah, but when it comes
Round to you and me
I ask myself
Do I really believe
In your love.

Yes, I’m sure it will work out alright.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis