Pular para o conteúdo principal


DERRETENDO EM LÁGRIMAS E CHOCOLATES

POR FAVOR, USE OS HEADPHONES
(SEMISONIC - SUNSHINE AND CHOCOLATE)


- Não entendo você – ela disse, atordoada com a porrada que havia acabado de levar.
- Não entende o quê? Que eu não te quero mais? Cansei porra, qual o problema com isso?
- Qual o problema? Qual o problema? – gritou – O problema, seu filho da puta, é que você não pode e não tem o direito de entrar na porra da minha vida da forma como entrou, mergulhando de cabeça nela, me fazendo acreditar numa série de coisas e agora, sem mais nem menos, você acorda e diz “tchau”, “valeu”, “é isso aí”, “nos encontramos na vida”. Vá se foder otário. Você pensa que pode fazer o que bem entender? – berrou, tentando com todas as suas forças não chorar. Ao menos na frente dele.
- Dan, eu posso ter feito uma porrada de bobagens e ter agido como um tremendo um filho da puta. Mas eu quero que você entenda que eu não fiz nada disso para magoar você. Eu realmente acreditei que poderíamos dar certo. Muito certo.
- É? Verdade? – ela disse com sarcasmo – Vai me dizer que tudo mudou do nada, que eu sou legal, mas não sou a pessoa certa, que eu não sou a mulher que você sonhou? Vai dizer isso?
- Não – ele respondeu, seco e triste – Vou apenas dizer que não te amo mais. Apenas isso – disse, abrindo a porta e saindo da casa.

Ela olhou com tristeza a maldita porta amarela. Seus olhos encheram-se de lágrimas e ela começou a gritar de dor. Passou o resto da noite acordada e comendo chocolates e chorando e desejando que o dia nascesse logo. Mas, no fundo, tudo o que ela queria era saber porque na sua vida tudo acontecia sempre tão tarde. Tarde demais...



Sunshine and Chocolate
(Semisonic)

All my life I've been looking for
The perfect mate
And when I finally found the one
It was almost too late
Underneath the auditorium
She showed me why
I would have waited all of my life
For somebody like

Sunshine and chocolate all over me
In my mouth and on my tree
Round my body under my hat
Sunshine and chocolate just... like... that

I was alone when I woke up
And found the note
It said you surely know how to fuck
But I gotta go
I hope you find someone to take care of
And give yourself to
And until I get to kiss you again I wish you

Sunshine and chocolate every day
In your work and in your play
In your mouth and down your back
I wish you, I wish you, I wish you that
Sunshine and chocolate all over you
Over everything you do
On your body and in your mind
Sunshine, chocolate, everything fine

Now my eyes are open wide
As I travel around
Maybe some summer day I'll find
Her face in the crowd singing...

Sunshine and chocolate everyday
In your work and in your play
In your mouth and down your back
I wish you, I wish you, I wish you that
Sunshine and chocolate all over you
Over everything you do
On your body and in your mind
Sunshine, chocolate, everything fine

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis