Pular para o conteúdo principal
O EXATO INSTANTE EM QUE VOCÊ SE TORNA APENAS PASSADO

PASSADO
uma lata vazia
um lençol manchado
um letreiro de um filme
um enterro
uma caixa aberta
um papel rasgado
ela
apenas ela...


...

- E então? Ainda aqui?

A pergunta dele soou dolorida, quase sádica. Uma pergunta perdida em um mar de caos, desordem, dor e desconsolo. Uma pergunta difícil e direcionada a alguém incapaz de saber. Incapaz de responder. E perguntas assim não soam bem. Nunca. Definitivamente não soam como deveriam soar. São perguntas como lascas de pregos enferrujados, repletas de más intenções e vontade de machucar. E, porra, nada tem o direito de ser tão dolorido assim. Ao menos não deveria ter.

E ela continuou deitada e mal levantou a cabeça. Seus cabelos longos e lindos, escuros como o mal, pretos como a noite e descuidados como ela, tentavam, em vão, esconder as lágrimas nas quais os seus maravilhosos olhos azuis se afogavam naquele momento, pois, claro, a pior e mais nojenta coisa a fazer naquele exato instante era se deixar ver chorar por ele. Se deixar ver por ele. Mas não havia como evitar.

E, mesmo deitada, a pergunta cruel continuava no quarto, suspensa no ar como um tiro no escuro.

- E então? - ele insistiu impaciente, ainda mais cruel, ainda mais sádico, ainda mais letal.

Seu corpo cansado e dolorido despertou. Ela levantou-se e insistiu em ofendê-lo uma última vez, deixando, de propósito, de responder àquela maldita pergunta. Agora uma afirmação. Ela calçou as suas botas velhas e rasgadas e nem se preocupou em ajeitar os cabelos arruinados. Acendeu um Marlboro e pegou a velha mochila verde. Abriu o armário ao lado da cama, sem se importar com as dobradiças frouxas. Pegou apenas seu jeans preto e duas ou três de suas camisetas prediletas de bandas. Jogou tudo dentro da tal mochila verde sem o menor cuidado. Pegou seu pequeno estoque de erva e colocou em um dos bolsos da calça. Deixou o resto das suas roupas no armário como se fossem trapos, principalmente as lingeries que agora apenas lhe davam nojo. Olhou para ele com um ódio totalmente incompatível com a cor azul. Olhou para ele como se quisesse matá-lo. Matá-lo de forma lenta, apenas para que ele sentisse dor. Muita dor. Recolheu a meia dúzia de livros e cds e acomodou na mesma mochila, desajeitada. Saiu do quarto, rápida e firme.

Olhou para a sala uma última vez. Antes de abrir a porta da rua, olhou para ele uma última vez.

Não reconheceu aquele garoto lindo parado em frente ao quarto. Não reconheceu nada que pudesse soar como os últimos dois anos. Nem uma sombra, um resquício, nada. Não reconheceu da onde poderia brotar tanta crueldade. Tanta vontade de ferir. Olhou com pena. Muita pena. Pena dela própria e de ter se tornado, assim que saiu daquele apartamento, apenas passado. Passado na vida de alguém.

E chorou com dor e desespero.

Como ninguém jamais chorou antes...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis