Pular para o conteúdo principal
BOBAGENS SOBRE CÚPIDOS SÁDICOS

Não há inspiração alguma. Não. Definitivamente não há qualquer inspiração. Nem uma foto, nem um desejo, nem um sorvete, uma dor, uma paixão, uma vida, uma morte. Não. Nada disso. Definitivamente, não há inspiração nesta manha tão cheia de chuva e nuvens chumbo. Pode ser o fim, o começo, o meio, qualquer coisa, mas o caminho parece liso, branco, único. Nada a dizer, nada a declamar, nada pelo que morrer, nada pelo que sonhar. O vazio entediante do espaço explode como uma tragada de nicotina no seu pulmão. E quando o tédio e o vazio são as coisas mais ressonantes em uma vida, ah, aí talvez seja melhor apenas chorar. beber umas tequilas, fumar algum cigarro. Entorpecentes. Escutar um disco de jazz antigo, mas jazz, porra, é das coisas mais chatas que existem na vida. Chato, chato, chato. Não que não seja maravilhoso ser Thelonious Monk ou John Coltrane. Neon e fumaça. Não, é chato apenas porque te faz sonhar e flutuar e lembrar do quão medíocre é e sempre será a sua vida. Melhor um punk rock. Nada como um punk rock para te cansar, distrair, pular, beber, fumar e perder ar. Nada como a vida. mas uma vida cheia, não uma vida rasa, uma vida intensa, não uma vida rala, sem sal, insípida. Não. Uma vida gorda, uma vida cheia, uma vida repleta de tudo o que se pode fazer debaixo do sol. Uma vida ilustre. Uma vida bacana. Uma vida que valha a pena contar aos netos, se é que eles existirão. E se não existirem, foda-se. Os enfermeiros estarão lá para isso mesmo. Para trocar o soro que vai te manter vivo e para ouvir toda a sorte de besteiras e mentiras e maldades e passagens e contos que você viveu ou não viveu. Até o último suspiro. Até o último olhar. Não há inspiração alguma. Nenhuma canção que possa invadir os ouvidos e ativar no cérebro cansado e derretido, alguma lembrança memorável. Não. Nenhuma foto e nenhuma visão. Nada. E tem o vídeo de uma canção antiga do REM. Uma canção do século passado, quando imaginávamos que este século sequer existiria. Uma canção antiga e devastadora, uma canção antiga e arrebatadora. It´s the end of the world as we know it (and I feel fine). É o fim do mundo como o conhecemos (e eu me sinto bem). É esta a maldita tradução. De qualquer forma, no vídeo, tem um garoto e uma casa abandonada e semi-destruída. Apenas isso. E o garoto está com seu skate e usa a casa de todas as formas possíveis. Ele dança, ele canta, ele pula, ele manobra, enfim, ele vive. Ele VIVE. Entendem? Conseguem entender? Como se não houvesse nada além do último luar. Como se não houvesse nada além de hoje. E o mundo não acaba no final. Pior para nós. Pior para quem espera e não vive. Não há inspiração alguma. Não. Não mesmo. E no final das contas, o mundo deveria ter mais cupidos. Cúpidos sádicos e cheios de raiva e vontade de usar suas flechas doces e encantadoras. Flechas em corações e cúpidos sádicos. Definitivamente, haveria mais com o que sonhar...

sem dúvida...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Olhos Verdes

leia e ouça: ride || polar bear “ ... she knew she could fly like a bird  but when she said ‘please raise the roof higher' nobody heard they never noticed a word the light bulbs burn,  her fingers will learn … ” E, do fundo do armário, como mágica, aquele pedaço de papel surgiu no meio de meias ímpares e roupas amassadas. Simplesmente surgiu. E, ela, surpresa e de primeira, conseguiu conter as lágrimas ao segurar aquele pequeno pedaço de papel verde água em suas mãos pequenas e delicadas.  Frágeis. Suadas.  Geladas.  Aflitas. Nervosas. Tristes. Ela, sim, conteve as lágrimas e lembrou do exato momento em que tocou pela primeira vez aquele pedaço de papel. A tristeza passou por UM segundo e ela sorriu da beleza daquele momento. Esqueceu o tremor das mãos e, firme, segurou o papel para seus olhos esmeralda dançarem  e dançarem e dançarem novamente por toda a extensão daquele pedacinho de papel. Correu e correu os olhos pelo desenho de palavras à sua frente. Linda combinação de vogais,

Carvão

leia a ouça: stray fossa || better late than E lá estavam os dois sentados na sala de estar da casa dela. Dois. Os dois. Sempre os dois. Amor. Eles… - Desenha algo para mim? Ele pediu, doce e inseguro. Ela sorriu linda e disse o encarando com seus olhos verdes, grandes e intensos – Oras, não sei desenhar. Você sabe disso. Não sei rabiscar nadinha. Tenho outras habilidades, mas não o desenho. Ele devolveu o sorriso, sorriso agora ainda mais intenso e respondeu - Ah, por favor, tente desenhar qualquer coisa. Qualquer rabisco. Ela o encarou divina com seu olhar esmeralda e respondeu decidida - Claro. Desenho. O que o senhor sedutor em pedidos impossíveis gostaria que eu rabisque? Ele a olhou feliz por vários instantes e disse - O que você quiser. O que te inspira. Qualquer coisa. Qualquer coisa…. desenhe o meu amor por você… - disse, e essa afirmação última em um tom quase inaudível. Ela percebeu o som das palavras quase não ditas, o encar