Pular para o conteúdo principal

BABIES


"Estou deixando a minha vida passar. Isto é grave. Bastante grave. Está passando rapidamente e tudo o que eu queria era poder ter paz. Não beber, não fumar, não fazer merda, enfim, deitar a cabeça no travesseiro de forma tranqüila e calma, e dormir o sono dos bons, o sono dos justos, o sono dos normais. Muito ao contrário, tudo em que me meto remete ao caos, ao desespero, aos problemas. Falta de bom senso, falta de critério, falta de razão, Falta de juízo, como costuma dizer os sábios mais velhos. Ok, ok, juízo também não é tudo na vida. Viver sem um pouquinho de imaturidade ou de risco não é exatamente viver. Mas a vida deve ser vivida de forma alegre e divertida e não necessariamente como um fio de nylon, no qual você tem que caminhar por quilômetros, tendo um abismo colossal abaixo. Não, a vida pode ser mais leve, como um copo de suco gelado, irrepreensível diante de tardes de calor insanas. A vida merece mais, não menos. A vida merece muito, não pouco. Cansei de errar e chorar e chorar e chorar. Não meros erros casuais, surgidos da própria aventura de viver. Falo de erros gritantes, indesculpáveis, gigantes, erros repetitivos, que você comete com a mesma freqüência com que os Stones ainda tocam Satisfaction. Erros em looping sem fim. A vida merece muito. Eu mereço uma noite de sono tranqüila, uma noite de sono sem surpresas, uma noite de sono sem que os sonhos ruins apareçam inesperadamente e me façam acordar à beira do precípio, acordar desesperado, acordar surpreso por lembrar do erro. Surpreso e com medo. Muito medo. Este tipo de noite não é viável, não é saudável, não é nada mais do que puro lixo que eu recuso. Chega. Não quero mais. Quero um copo com água gelada e uma tarde de sol. Quero suspirar de alívio e prazer. Quero gozar e ser feliz. Será que isto é pedir muito? Será que isto é possível? Espero, do fundo do meu coração, que sim. É o que eu quero agora... definitivamente.

Portanto, te digo ADEUS...

Foi bom e tals, porém ADEUS..."


...

Ela baixou os olhos da carta que ele mandou e ficou em silêncio, ouvindo apenas as gotas de chuva espancando a janela naquela madrugada de verão.

Carta... porra, ninguém mais escreve estas merdas hoje em dia, porque ele precisava fazer isso? Escrever uma carta assim, em um papel todo amassado e ser tão cruel. Idiota – pensou, sem rumo.

Ela deixou o papel cair no chão e se encolheu toda no sofá. Chorou como uma pequena garotinha perdida. Chorou como uma adolescente apaixonada e perdida. Chorou como alguém que perdeu o verdadeiro amor. Para todo o sempre...


Comentários

Lorene disse…
...O teu blog também me apetece! me faz muito bem!

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis