Pular para o conteúdo principal

QUANDO O REFLEXO NA JANELA DE UM ÔNIBUS VELHO E SUJO REVELA A SUA VIDA SEM VOCÊ DESEJAR. SEM VOCÊ DESEJAR...

Manhã de segunda feira de julho em São Paulo.
Maldita manhã de segunda feira em São Paulo. Em qualquer lugar do mundo.
Maldita manhã de segunda feira em qualquer grande cidade de qualquer lugar do mundo.
Manhã de segunda feira cinza, chuvosa e fria. Muito fria. Fria demais.
Ninguém, mas ninguém no mundo merece uma segunda feira de manhã cinza, fria e chuvosa demais. De verdade. Do fundo do meu coração não desejo isso a ninguém.
E, de bobeira, em um ato de verdadeira idiotice, percebi o reflexo do meu próprio rosto na janela do ônibus em que eu estava e que rasgava insano, em alta velocidade, aos trancos e barrancos e sem medo, a Avenida Francisco Matarazzo, zona oeste de São Paulo.
E fiquei perplexo com a pequenez do que vi. Perplexo. Perplexo demais com tamanha pequenez.
O que vi não ajudou em nada a minha vida, a minha esperança, a minha perspectiva de um futuro melhor. Ah, futuro melhor... Só rindo mesmo.
Vi e percebi apenas um velho homem gordo com uma barba ridícula, com muito poucos trocados no bolso e muita decepção no coração.
Muita decepção.
Muita.
Mesmo.
Quando eu tinha vários cartões de crédito eu era notado por todos. Por todos. Sem exceção. Quando eu tinha um computador, meu Facebook era lotado. Cheio de inúteis que sequer sabem o número do meu telefone para me dar os parabéns no dia do meu aniversário. Sequer sabem que telefone é para FALAR com alguém e não ficar apenas em aplicativos imbecis e sem graça que levam o “nada” a “lugar nenhum”. Quando eu tinha um carro, ele ia e vinha por todos os cantos da cidade, sempre cheio de gente. Sempre cheio de gente. Sempre. Gente de todos os tipos, de todas as cores, com todas as flores. Sempre cheio. Até de desconhecidos. Mas isto quando havia um carro, vários cartões de crédito e um notebook. Hoje? Não. Hoje não há mais nada disso e quase nuinguém. Há apenas um reflexo na janela de um ônibus sujo e bem vazio que te leva para casa numa manhã de segunda feira fria, chuvosa e cinza. Mas casa? Casa? Porra, casa também não há mais. Claro que não. Há um lugar, ainda bem, aonde consigo me abrigar da chuva, do sol, da noite, do frio, enfim, um lugar qualquer. Mas não é o meu lar. Definitivamente não é o meu lar. Aliás, hoje em dia, lugar nenhum é o meu lar, mas Deus (se é que isto existe) ajudou-me e consigo ao menos abrigar-me da chuva, do sol da noite, do frio, enfim, de muitas coisas, inclusive da falta de perspectiva (só não da minha imbecilidade).
Quando eu era alguém, há muito tempo atrás, quando eu não era mentiroso e canalha, quando tinha um carro, cartões de crédito, uma porra de um notebook e podia decidir alguma coisa, sempre havia alguém me bajulando. Sempre. Claro que sim. Para o bem ou para o mal. Hoje? Nada disso. Restou apenas uma porra de um reflexo embaçado em um ônibus velho e sujo. Apenas isso.
O reflexo de um mentiroso e de um homem velho que errou muito. Errou mais dos que devia. Muito mais do que devia e podia.
E não fosse uma pequena pessoa que ainda acredita em mim (ingênuo ainda, claro, pois logo vai adquirir discernimento e perceber a verdade e entender o que todos entendem sobe a minha pessoa e, óbvio, me deixar de lado), talvez este texto estivesse onde merecia estar: no limbo, sem ter sequer sido escrito...
Manhã de segunda feira.
Manhã de segunda feira cinza, chuvosa e fria. Muito fria. Fria demais.
Ninguém, mas ninguém no mundo merece uma segunda feira de manhã cinza, fria e chuvosa demais. De verdade. Do fundo do meu coração.
E, de bobeira, em um ato de verdadeira idiotice, percebi o reflexo do meu próprio rosto na janela do ônibus em que eu estava e que rasgava insano, em alta velocidade, aos trancos e barrancos e sem medo, a Avenida Francisco Matarazzo, zona oeste de São Paulo.
O que vi?
A mim mesmo... Talvez o maior erro da minha vida, pois odiei o que vi e amei o que lembrei, porém, detestei o que pressenti que há por vir.
Simplesmente detestei o que há por vir...
Do fundo do meu coração eu simplesmente detestei o que vi, pois não há felicidade quando o reflexo na janela de um ônibus velho e sujo revela a sua vida. O inteiro desperdício da sua vida. O inteiro desperdício da sua própria vida, a não ser por um pequeno ser que ainda acredita ser possível ser feliz ao meu lado... Pobre tolo.
Manhã de segunda feira...
Insuportável presságio de um dia ruim...
E no meio do desabafo, lembrei de uma velha canção do Paulo Ricardo. Quem???? Que dizia de forma megalômana e apaixonada que “Eu andei / por onde o amor me levou / eu voltei / por onde o amor me chamou / eu amei / como homem nenhum nunca amou / o amor me escolheu / logo eu / que de amor nada sei...”.
Não mesmo. Nada sei sobre amor e sequer sobre amor próprio. Muito menos sobre amor próprio. Definitivamente.
Mas, o que eu quero? O que eu quero?
Um copo de vodka? Não, claro que não, pois esta escolha já me tomou muita coisa. Muita coisa mesmo. A minha própria vida.
Quero apenas um copo de água e um dia de sol e que aquela pequena pessoa que mencionei acima jamais perceba, tenha discernimento ou tenha consciência de quem eu realmente sou, fui ou sempre serei.

É pedir demais, eu sei... É pedir demais aos quarenta e cinco do segundo tempo quando a goleada contra já está formada... Pedir demais...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…