Pular para o conteúdo principal

CHUVA ÁCIDA.


Quatro e meia da manhã.


Quatro e meia da manhã de mais uma quinta feira.


Quatro e meia da manhã. Madrugada quase no fim. E chovia demais naquela madrugada. Chovia demais. Muito. Muito mesmo.


E ele, pobre tolo, imbecil sem rumo, apenas restava parado em pé na esquina daquela rua de bairro, rua tão deserta àquela hora da madrugada.


Estava completamente ensopado, totalmente molhado. Completamente ensopado dentro do seu casaco sujo cor cru.


Um totem de estupidez.


Ele parecia um totem de estupidez, erguido por algum ser insano em homenagem aos otários e imbecis da madrugada. Um totem fixado bem embaixo daquela marquise decadente em neon anos oitenta daquela padaria tão estúpida. Tão estúpida e ridícula. Completamente molhado em seu casaco sujo cor cru.


Os seus dedos úmidos tentavam com dificuldade acender mais um cigarro. Apenas mais um cigarro. O décimo quinto daquela madrugada.


A marquise protegia um pouco da água espirrada pela chuva, mas o vento não. Definitivamente não. O vento era cruel e frio. Poucas coisas estavam ao seu favor naquela madrugada. Muito poucas coisas.


Mas quem insiste consegue e ele, portanto, conseguiu. Acendeu a porcaria do seu cigarro. Acendeu o seu décimo quinto Marlboro e ficou como um imbecil, tragada em tragada, apenas olhando sem parar para a janela do sexto andar do prédio antigo erguido em frente àquela maldita padaria.


Quatro e quarenta e cinco da manhã. Madrugada já no fim. E chovia demais naquele início de manhã. Chovia demais. Muito. Muito mesmo.


Viu, sem jeito, o funcionário abrir a padaria e lhe desejar um “bom dia” tímido e constrangedor.


Ele apenas sorriu de volta. Nada disse.


A chuva começou a cair ainda mais forte.


Maldito fim de madrugada. Maldito início da manhã. Maldita vida.


Ele, fraco forte, ficou por mais alguns minutos olhando incessantemente para a janela do sexto andar do prédio em frente àquela velha padaria que lhe servia de abrigo.


Imaginou em vão e como um imbecil, que as luzes se acenderiam naquele distante sexto andar e algo anormal aconteceria.


Ela poderia lhe acenar.


Ela poderia lhe convidar a subir.


Ela poderia lhe jogar uma rosa.


Ela poderia lhe mandar um beijo.


Nada.


Nada aconteceu.


Nada.


Apenas nada.


Somente restou a escuridão quebrada por um relâmpago desesperador e pelo neon vagabundo daquela padaria. Nada mais.


Ele apenas imaginou. Imaginou em vão.


Cretino do inferno.


Cinco da manhã.


Jogou a bituca do seu cigarro no meio fio e entrou na padaria já aberta pelo funcionário trabalhador.


Foi brecado por um cartaz ao lado do caixa que o “matou”: “Não servimos bebidas alcoólicas das cinco às dez da manhã. Normas da casa. Favor não insistir”.


Ele nada disse ao funcionário e começou a chorar como uma criança ao partir da padaria.


Não olhou para os lados e nem para o apartamento deixado ao fundo. Nada como uma boa tempestade para esconder as lágrimas. Nada como uma boa tempestade para esconder as lágrimas...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TO THE END

- O que vc quer de mim? – ela perguntou, aos gritos – Que porra você quer de mim?. Ele olhou para o chão, triste. Não queria responder, não sabia responder. Preferiu o silêncio. - Vai responder, seu filho da puta? Vai? – ela gritou, enquanto dava socos no peito dele. Socos não fortes, porém socos repletos de raiva, desespero e dor. Ele ficou em silêncio. Ficou em total e absoluto silêncio, sem ter nada a dizer. Ela ter visto aquele beijo já era o suficiente. - Seu idiota. Seu completo e estúpido idiota. Sai daqui. Agora! – ela gritou. E ele saiu do pequeno apartamento e foi embora, descendo as curtas escadas daquele prédio tão antigo. E enquanto descia, podia ouvir, com desespero, o choro e a dor daquela garota tão especial, outrora o grande amor da sua vida. E caiu em choro e lamento. Pobre diabo...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a

O RIDÍCULO CANSAÇO EM UM BALCÃO DE BAR.

Chovia. Muito. Madrugada alta. Chovia para caralho e eles estavam lá. Tolos, sentados, entediados, apenas bebendo e esperando a chuva passar. Amigos. Muito amigos. Cúmplices. Muito mais que isso. - Cansado? – ela perguntou suave e gentil, sabendo da exaustão dele. Exaustão física e psicológica. Exaustão. Física e psicológica. Apenas exaustão. Muita. Muita exaustão. Ele apenas consentiu com cabeça enquanto tomava mais um gole da sua vodka e tragava seu cigarro mentolado. Ficou em silêncio. Ela sabia o que ele queria dizer. O que queria responder. - Você não está bem, certo? – ela insistiu, afirmando e concordando. Sabia que era isso. Tinha certeza do que falava. Conhecia ele há "séculos". - Sim. Muito cansado. Saco cheio. – ele respondeu sem energia - De saco cheio e muito, mas muito cansado mesmo. De tudo – ele emendou. Ela ficou com a expressão triste. Nada disse. O silêncio é fundamental em certos mo

A SAÍDA É LOGO ALI

OUÇA: casino || ponte Ela pensou que seria possível esquecer os seus problemas. Todos os seus problemas. Todos. Ela realmente acreditou e pensou que seria fácil. Simples como tomar um destilado forte, bebericar um café sem açúcar ou descolar uma anfetamina qualquer. Acreditou que pudesse esquecer tudo e, para tanto, apenas alguns trocados no bolso e um carro bastaria. Um carro que a levasse para longe dali e pudesse fazê-la seguir em frente e rasgar todas as estradas possíveis, todos os caminhos reais ou mesmo imaginários. E assim ela fez. Em uma sexta-feira úmida e cinza - como os seus olhos aliás - ela acordou bem cedo. Era madrugada, quase manhã. Encheu a sua mochila gasta de tantas viagens com uma porção de maços de cigarro, alguns pendrives com as suas músicas prediletas, livros de poesia barata e, claro, fotos antigas. Fotos suas e de seus amigos. Fotos que ela adoraria ver, caso sentisse saudade. Ela detestava ver fotos digitais e aquele conjunto de fotos impressas era um tesour

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação