Pular para o conteúdo principal

PRETÉRITO


pretérito 
pre.té.ri.to
adj (lat praeteritu) Que passou; passado. sm Gram Tempo verbal que exprime ação passada ou estado anterior; passado. P. imperfeito: tempo que indica uma ação passada, em relação ao presente, e que estava se exercendo quando outra se realizou: Estudava, quando ele entrou. P.-mais-que-perfeito: tempo que exprime ação anterior a outra, que já é passada no momento em que se fala: Ele partira, quando eu cheguei. P. perfeito: tempo que exprime ação passada e liquidada: Ele viajou. Futuro do p.: tempo que substituiu o antigo "condicional", e em que o processo indicado como posterior a um momento do passado é anterior ao momento em que se fala. Refere-se comumente a processos que não chegaram a realizar-se: Morreria se não viesses.
(MICHAELIS: Dicionário Língua Portuguesa)

Pretérito.
Em poucas e rasas linhas, o “pretérito” é apenas o “tempo do verbo que determina estado ou ação anterior”, conforme ela leu em algum lugar por aí. Sem se importar aonde foi ou sequer sem se importar em dar o devido crédito ao “ilustre” escritor da definição.
Tola como sempre.
Tola como ontem.
Tola como hoje.
Tola as usual.
Ação anterior.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
Dane-se.
Dane-se. Ao menos por hoje.
É o passado dela e que pertence a ela e somente a ela.
Apenas a ela.
Impossível reescrevê-lo.
Está feito.
Feito com todos os erros e todas as imperfeições praticadas. Com todos os erros e imperfeições perpetradas.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
O pretérito apenas dela. Apenas dela.
Impossível reescrevê-lo.
Definitivamente.
Pretérito.
Muitas vezes perfeito, outras muitas tantas muito mais do que perfeito, porém, na maioria das vezes, na maioria cruel e absoluta das vezes, um pretérito muito imperfeito. Muito mais do que imperfeito.
Por conta do quê?
Por conta dos erros, das mentiras, das bobagens, da falta de maturidade, da falta de coragem, da falta em excesso de tudo, do excesso de amor. Do excesso do medo. Apenas medo de não assumir a vida e as suas responsabilidades.
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
O pretérito apenas dela.
O passado e as ações não tomadas apenas por ela quando deveria assim ter feito.
O passado apenas dela.
E as lágrimas também.
E as lágrimas também.
Muitas, aliás.
E a dor vem como consequência.
Uma dura consequência.
Curvas mal viradas e rotas mal assumidas. Escolhas mal feitas.
Escolhas muito mal feitas.
Erros.
Muitos, aliás.
Muitos mesmo.
Simples assim.
Pobre moça.
Pobre moça.
Nem tão nova, porém nem tão velha assim para tanta dor e ressentimento pairando sobre os seus ombros já arqueados.
Nem tão nova, porém nem tão velha assim.
Média da expectativa de vida.
Apenas média.
Ainda há tempo.
Mas ainda há quem ache o tempo.
Será?
Pretérito.
Passado.
Perfeito?
Imperfeito?
Mais que perfeito?
Futuro do pretérito.
Futuro do pretérito.
Aí sim.
Fato por vir condicionado a algo no passado.
Quem sabe o futuro do pretérito não pode mudar o cenário da sua vida.
E ela sorriu.
Percebeu que depende apenas dela... Depende apenas dela e da sua própria força. Sua própria crença.
Há alguma?
Depende apenas dela...
Dela mesmo.
...
E ela sorriria se não tivesse errado tanto.
Ela sorriria se não tivesse errado tanto, seja em que tempo gramatical for.
...
Ela sorriria...
De verdade...
...
Chorava, quando ele partiu.
Ele partira, quando ela chorou.
Ele foi.
Choraria se não ligasse.
...

Pobre moça triste...




Comentários

@camilaponto disse…
amo este blog, acompanho desde o começo...
é como se fosse uma dose de rivotril!
Izis disse…
Mas é que nem sempre o passado passou :)

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

O FIM

Este site acaba (acaba?) aqui Como começou. De forma rápida, discreta, surpreendente e sem nenhum alarde. E agora, depois de quase vinte anos, ele vai embora da mesma forma rápida e discreta, mas... (pausa dramática) ...com uma tremenda diferença. Agora, com MUITO alarde, este site acaba aqui, mas suas ideias vão continuar no ar. “Outro Endereço, Outra Vida” como já dizia o título da canção da banda Fellini. O Somente Varsóvia , bem como o Clube Varsóvia com as suas festas, suas lágrimas, seus encontros, seus desencontros, vai continuar a existir nas mentes deliciosas de vocês e, a partir de agora, no site: UNANIMIDADE EM VARSÓVIA Sim, com muita honra e privilégio eu e Lúcio Goldfarb, escritor, diretor e muito mais, juntamos os nossos sites. Ele, que escreve desde 2013 o seu Toda Unanimidade e eu, que escrevo o meu Somente Varsóvia desde 2003, fundimos nossos espaços para dar lugar ao UNANIMIDADE EM VARSÓVIA, site no qual escreveremos e compartilharemos nossos textos, letras, vídeos,