Pular para o conteúdo principal

E TUDO O QUE ELA QUERIA ERA SER COMO MOLLY RINGWALD... APENAS ISSO...


- Rosa? – ele perguntou incrédulo – Não acredito! - concluiu, zombando.
Ela o olhou com desdém e retrucou irritada – Qual o problema? Não posso usar rosa? Imbecil.
Ele acendeu um Marlboro e sorriu com ironia fina – Pode. Pode usar o que você quiser minha querida. O que quiser. Você fica bem até vestindo amarelo. A mais horrível de todas as cores. A pior, mas a pior mesmo de todas as cores. Mas diz, a fumaça horrenda do meu cigarro vai estragar o seu belo vestido? – perguntou irônico.
Ela mostrou o dedo do meio para ele, visivelmente irritada.
Ele conseguiu irritá-la.
Ela não.
Ele sorriu.
Ela não.
- Calma querida, parece até que vai ser o encontro da sua vida. O grande momento da sua vida – ele disse, com sarcasmo – O seu grande amor.
- Você não quer ir se foder? – ela disse irritada, enquanto terminava de experimentar o seu vestido – Seria tão bom. Vá, por favor. Vá lá dar meia hora de bunda que pode te fazer bem. Muito bem, seu imbecil.
Ele sorriu ao dar mais uma tragada de seu cigarro e disse, irônico – Você bem sabe que de imbecil não tenho nada.
- Sei. Infelizmente. Mas é mal. Muito mal. Uma pessoa má, seu cretino. Vai embora, por favor – ela pediu.
- Não – ele respondeu – Alguém tem que te defender. Alguém tem que te defender daquele otário que você escolheu como O grande cara da sua vida e que você vai encontrar em instantes e mesmo te defender deste seu péssimo gosto para vestidos – cutucou – Rosa? Vá se foder, que cor escrota – emendou.
Ela levou as mãos à cabeça e começou a chorar. Copiosamente. Estava realmente abalada.
Ele engoliu em seco e percebeu a burrada que fez. Apagou o cigarro e chegou junto a ela.
- Sai para lá seu idiota – ela gritou, afastando-o com as mãos – Sai para lá. Vai embora porra.
Ele abaixou a cabeça e tentou pensar em alguma palavra de desculpa, alguma palavra de perdão, alguma palavra de conforto. Ficou sem saber o que dizer, o que fazer, como se mover. Ficou mudo. Inerte. Lento.
- Vai embora daqui seu filho de uma puta – ela gritou – Você entende alguma coisa? – perguntou – Você não entende nada de coisa alguma, nada de coisa alguma. Nada de nada. Cai fora da minha casa, do meu canto, do meu santuário, do meu lar. Vai embora – gritou.
Ele assentiu com a cabeça, constrangido, e pegou sua mochila.
- Bem, qualquer coisa que voc... – foi interrompido – ... vai embora seu filho da puta. Vai agora – ela gritou interrompendo-o.
Ele virou as costas sem graça. Não disse nada. Apenas abriu a porta e partiu.
Ela, sozinha, começou a chorar como uma criança. Chorou por vários minutos. Vários. Parou, enxugou as lágrimas, levantou-se e tirou o vestido. Jogou o mesmo em um canto qualquer da apertada sala. Sentou-se ao chão com seu cigarro já acesso e apenas pensou por qual razão ele não percebia que não havia ninguém. Não havia absolutamente ninguém além de jogo de cena e ciúme. Por qual razão ele não percebia que não havia ninguém. Maldito cretino. Havia apenas ele e ele e ele... o eterno imbecil na sua vida... o eterno amor da sua vida...  
Idiota...




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Não Há Mais O Suor Nas Mãos

leia e ouça: the smiths || asleep (piano cover - youtube channle Erzsébet Abyzou) Silêncio.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. O silêncio intenso reinava na sala. A ausência de ruídos contrastava com um solene objeto deixado no canto da sala. Um piano. Sim, apesar do silêncio quase absoluto mortificando o ambiente, o piano estava lá. Intimidador, quieto, solene, impositivo, marcante e… esperando, apenas esperando por ela, como esteve por muito tempo. Tempo demais que ela deixou passar sem perceber.  Ela olhou ao redor da sala e havia apenas silêncio. Esfregou as mãos e percebeu o frio. Geladas. As suas mãos pequenas estavam incrivelmente geladas. Ela estava com as mãos polares como nunca. Ainda bem que minhas unhas estão pintadas em vermelho - ela pensou em um momento banal - Descascadas? Ok, mas o vermelho esconde o roxo do frio, desse gelo, desse medo - continuou em pensamento, lembrando, ainda mais uma vez, como suas mãos estavam frias. Sensação
REGANDO GIRASSÓIS COM AMOR E SAUDADES - Então é isso? – ela perguntou, quase aflita, com a voz distante. - Creio que sim – ele respondeu, disfarçando a tristeza – Fique tranqüila, a viagem vai ser do caralho. Você vai amar. Você vai, estuda e, logo, logo, vai estar de volta e nós continuaremos juntos. Sempre juntos. E, afinal, nem é tanto tempo assim. - Pô, seis meses é quase uma vida – ela disse. - Não, relaxa, vai passar voando. E você tem razão, vai ser uma vida. A sua vida. A nossa vida. Ela permaneceu em silêncio e ele emendou – Vá tranqüila querida, por favor. Você sabe que eu te amo e tudo o mais e pode apostar que quando você voltar eu vou estar te esperando. Pode estar certa. - Você tem certeza que não quer ir ao aeroporto? – ela perguntou – Já estou quase saindo. - Nós já conversamos sobre isso, não? – ele retrucou, firme. - Tá bem, tá bem, não vou mais discutir isso. Bom, preciso ir. Nossas despedidas já fizemos. O resto vem depois – ela disse, já chorando. -