Pular para o conteúdo principal

BANDA DESENHADA À LUZ DE VELAS



Não havia luz.
Não.
Nada de luz.
E, ainda assim, ele permanecia esparramado no sofá, olhando atento para a fraca luz azul que saía da tela do seu celular, apenas a observar as barras indicativas do status da bateria do aparelho, diminuírem.
Diminuírem rapidamente.
Diminuírem de forma inadequada e veloz. De modo incrivelmente injusto.
Ao menos naquela noite.
Ao menos naquela madrugada.
E ele, ainda assim, apenas observava e aguardava – sem paciência - algum pop-up explodir na porra da tela de seu celular e anunciar uma nova mensagem dela.
Apenas observava, enquanto ouvia o som dos trovões que explodiam sem parar naquela noite.
Não havia luz elétrica no apartamento.
Havia apenas a luminosidade dançante provocada pelas velas vagabundas que formavam figuras disformes e incríveis na parede descascada do seu apartamento.
Pequeno apartamento à luz de velas.
Não havia energia e nem previsão de retorno da eletricidade.
Chuva implacável.
Verão infernal com suas tempestades surpresas.
Ao menos fosse inverno, porra – ele pensou egoísta como sempre.
Mas era verão e a tempestade estava lá fora.
Cruel.
E a luz não estava dentro do seu apartamento.
Não. Nada de luz.
Maldita companhia de energia.
Inoportuna tempestade.
E logo naquela noite, ele lamentou ao acender (mais) um cigarro.
Logo naquela noite.
Logo naquela noite em que ele finalmente havia a reencontrado depois de tanto tempo.
Quase uma era do gelo de tempo.
Ele, definitivamente, não acertava uma.
Deixou o cigarro sobre o cinzeiro sujo ao seu lado e levou as mãos à cabeça quando a luz azul finalmente morreu.
Acabou a bateria, acabou a conversa.
Não havia mais celular.
Não havia mais contato.
Ao menos até que a luz voltasse
Ao menos até a luz voltasse (e se voltasse).
Ele prestou ainda mais atenção à chuva desabando demente lá fora e pegou alguns amassados papéis em branco jogados ao lado do cinzeiro na mesinha de lado.
Pensou em uma banda desenhada.
Pensou em criar e desenhar uma história em quadrinhos para retratar a situação.
Deu mais uma profunda tragada em seu cigarro e sorriu como um tolo com aquele monte de papéis na mão esquerda.
Sorriu como um idiota ao lembrar que não sabia sequer segurar um lápis, um pincel, um carvão, uma caneta, enfim, o que quer que fosse necessário para retratar o momento.
Não sabia desenhar nada e, tampouco, desenhar aquele momento.
A banda desenhada à luz de velas não lhe foi possível criar.
Ele sorriu mais uma vez e fez o que conseguia fazer.
Tomou um gole do seu conhaque barato, deu uma tragada em seu cigarro e começou a escrever.
Apenas começou a escrever.
Escrever com um sorriso esperando a luz voltar.
E ela voltaria.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…