Pular para o conteúdo principal
EM UM DIA COMO ESSE QUEM É (FOI) MAIS COVARDE?

O dia estava cinza. A areia da praia parecia uma película antiga. Uma película antiga e mal cuidada de um filme antigo. Antigo, porém lindo. Um filme de Audrey Hepburn. Um filme de Bette Davis. Um filme de Hayworth. Enfim, um caleidoscópio estrelado por alguma musa hollywoodiana dos anos trinta, quarenta, cinqüenta, no máximo. Foda-se – ela pensou.

O dia estava cinza e a areia, fria. Por um instante, ela percebeu que chumbo seria uma boa cor para preencher o seu coração. Chumbo. Cor forte, porém sem vida. Cor marcante, porém sem cor. Cor cinza, porém chumbo. Pesada. Perfeita para rimar com a palavra amor, em um verso cafona de alguma canção cafona, de péssimo gosto.

O mar estava bravo. A garoa, fina e fria. As gotículas que despencavam do céu pareciam açoitar o seu corpo da cabeça aos pés. Dos seus cabelos levemente vermelhos até as unhas indiscretamente pintadas de preto. Cor da noite. Parente próxima do chumbo.

Ela observava o céu chumbo e o mar bravo. Estava bem pouco se fodendo pela inevitável futura gripe a vir ser causada por aquela maldita garoa fria.

Bem pouco se fodendo.

Ela odiava aquele menino.

Em um dia como esse, ele apenas foi embora daqui. Em um dia como esse, ele apenas decidiu ir embora, sem dizer adeus. Em um dia como esse, ele fugiu. Em um dia como esse, ele apenas a deixou ali. Chorando e chorando e chorando. Apenas pensando como é vulgar ainda acreditar em heróis – como dizia a velha canção.

Em um dia como esse quem é o mais covarde: quem foge, quem chora ou quem não luta por amor?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NUCA

Ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Definitivamente não. Sem contas, protestos, cobranças ou ligações indesejadas. Nada. Nada a perturbar. Existiam apenas os lábios de Fernanda em sua nuca. Lábios deliciosos e densos. Intensos. Sempre pintados de uva. Sempre lindos. E os arrepios. Muitos arrepios. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. Muito feliz. Não existiam mais as más notícias. Não. Defitivamente não. Havia um aroma de uva no ar. Um perfume. E palavras sussuradas na dose certa. Na dose certa. E ela entrava em transe. Transe total. O lábio de Fernanda em sua nuca a deixava completamente feliz. Muito feliz. E molhada. E o abraço que vinha depois era como um gatilho para uma boa noite. Toques. Reflexos. Seios.

Primeira Pessoa

leia e ouça: heaven knows I'm miserable now || vitamin string quartet performs The Smiths Eu. Primeira pessoa do singular. Eu. Eu mesmo. Muito prazer. Vivo. Eu. Na primeira pessoa. Vivendo. Escrevendo. Vivo (ainda). Sempre. Eu, na primeira pessoa. Escrevendo. Sempre (ainda bem). E naquela noite eu a encarei com firmeza, vontade, desejo, decisão e amor, muito, mas muito amor. E minha vida mudou. Tudo mudou. Tudo. Nunca esqueci aquele dia. Nunca. Fevereiro. Nunca me esqueci. Olhos grandes, gordos, verdes e lindos, absolutamente lindos. Lindos demais. Eu morri e fui ao céu (o céu existe?) ao ver aquela lindeza. Linda. Linda. Linda demais. Eu a olhei e a pedi em tudo. Em compromisso, em casamento, em namoro, em cumplicidade, em vida, enfim, em tudo, tudo, tudo, mas, ainda EU, eu… ainda precisava (e ainda preciso) me organizar. E ela percebeu isso. Ela percebeu o quanto EU, a primeira pessoa, apenas eu, precisava aprender. Me organizar. Viver. Aprender a viver. Dedicar menos, mas MUITO

Vida? Muito Prazer.

leia e ouça: all I want is You || vitamin string quartet performs U2 Eu erro. Ah, erro. E muito. E na primeira pessoa (que é a forma mais verdadeira de falar e admitir). Eu erro e erro e erro (e me arrependo, mas nada posso fazer) muito mais do que acerto. Mas também acerto (e, às vezes, no alvo). Sem dúvida. Não duvido mais disso. Erros e acertos. Vida. Eu erro e acerto e vivo (mas não me dava conta disso até um sábado à noite). Eu tento. Eu tento. Todos os dias. Eu busco me achar. Me encontrar. Sorrir. Ser feliz. E me achei (quer dizer, estou me achando). Aqui mesmo, dentro de mim e, claro, nela. Nela. Ela… Linda. Generosa. Única. Um farol de olhos esmeralda, as usual . 20 pontos, 20 itens, uma lista. Uma vida. A minha vida. A minha vida que coloquei no papel e não tinha me dado conta de tudo e do tanto que estava fora de lugar vindo do passado e eu sequer, mas sequer pensei nisso antes. Jamais. Não pensei. E diante da lista, me assustei. Me apavorei. Chorei. Mas, não caí. Ah, não. O