3.1.18

OUVINDO CORES


- O que você pretende? – Tina perguntou de forma apressada para Lia – O que pretende? Investir em nada? Nada? Em quem nem quer saber de você? – disse de forma cruel.
Lia abaixou a cabeça e nada disse.
Limitou-se ao seu baseado vagabundo e sua vodka de quinta categoria.
- Não adianta Lia, porra. A caixa postal do seu celular ordinário jamais vai receber uma mensagem dela. Ela te deu um foda-se, entende? Entende?
Lia olhou-a trêmula, esperando apoio, apenas apoio – Talvez não. Talvez não. Talvez ela não tenha conseguido ligar. Apenas isso. Apenas não tenha conseguido ligar.
Tina olhou para o alto sem a menor paciência. A menor paciência. Ficou em silêncio.
- Sabe de uma coisa? – pergunntou Lia.
Tina respondeu seca, porém com afeto – Nem tenho idéia, Lia. Nem tenho idéia, ainda mais vindo de você. Nem tenho idéia.
- Eu gosto de ouvir cores – disse Lia direta.
Tina a olhou com espanto e disse – Ouvir cores? Tem certeza que, ao menos desta vez você comrpou um baseado não malhado? Não creio.
Lia sorriu e respondeu – Não. Eu gosto de ouvir cores. Ainda mais quando estou triste. Ainda mais quando estou triste.
Tina sorriu com um carinho imenso. Amava aquela menina. Simplesmente amava.
- Eu costumo, desde pequena, associor as cores aos sentimentos e adoro imaginar que elas estão por aí, soltas no ar, e que posso pegá-las e transformar no som que quero. Melodias tristes ou felizes. Apenas isso. Depende de mim. Apenas do que sinto.
Tina a encarou com carinho e perguntou – E que cor você está ouvindo agora?
Após um longo silêncio Lia respondeu – Duas.
- Duas? Tina perguntou.
- Sim. Duas.
- Posso saber quais? – Tina perguntou curiosa.
Lia sorriu seu sorriso mais triste e mais apaixonado e disse em tom baixo – Cinza pela ausência de respostas e Azul pela companhia de uma pessoa especial que às vezes não me dou conta de que está perto e muito, mas muito perto mesmo do meu coração. E ás vezes nem percebo.
Tina sorriu com as lágrimas quase escorrendo.
Lia também.
E afinal de contas, as cores não são para sempre serem ouvidas?
Sempre ouvidas?




Nenhum comentário: