Pular para o conteúdo principal


USE OS HEADPHONES, POR FAVOR - MANHÃ DE CARNAVAL

E ele ainda estava com os ouvidos zunindo em virtude do barulho e da agitação daquela multidão, somado ao fato de que ele consumiu vários litros de álcool e dezenas de cigarros. E tudo numa noite só. E ele estava cansado. Muito cansado, porém feliz. O sol estava quase nascendo e todos da casa já deviam estar dormindo, exaustos. Inclusive ela, desmaiada de sono e bebida. Mas ele não. Ele estava lá, acordado, à beira da piscina, pensando e pensando e pensando e desejando que o sol levasse horas para nascer. Que a bonita pintura do sol nascendo naquele horizonte cinza durasse por horas e horas. Somente para que ele pudesse sorrir. Sorrir ainda mais. Mas ele sabia que isso não ia acontecer. O dia estava nascendo, independente da sua vontade, as pessoas iriam acordar em breve e eles iriam embora daquele sítio para suas vidas ordinárias e rotinas comuns. Mas antes disso, ele sabia que ela iria lembrar do seu beijo roubado e da sua declaração de amor. E ele não sabia se isso era bom ou ruim. Arroubos de carnaval. Desejos bons. Mas, no fundo, ele não estava disposto a pensar o que iria acontecer. Mais importante era o que já aconteceu durante a madrugada – pensou, enquanto tirava toda a sua roupa para jogar-se naquela piscina fria, ainda não aquecida por aquela manhã de quarta feira de cinzas. E o que a madrugada testemunhou, nem o sol vai poder apagar...ainda bem...



Marcha da Quarta Feira de Cinzas
(Vinícius de Moraes)

Acabou nosso carnaval
ninguém ouve cantar canções
ninguém passa mais
brincando feliz
e nos corações
saudades e cinzas
foi o que restou
Pelas ruas o que se vê
é uma gente que nem se vê
que nem se sorri
se beija e se abraça
e sai caminhando
dançando e cantando
cantigas de amor
E no entanto é preciso cantar
mais que nunca é preciso cantar
é preciso cantar e alegrar a cidade
A tristeza que a gente tem
qualquer dia vai se acabar
todos vão sorrir
chegou a esperança
é o povo que dança
feliz a cantar
Porque são tantas coisas azuis
há tão grandes promessas de luz
tanto amor para dar que a gente nem sabe
Quem me dera viver prá ver
e brincar outros carnavais
com a beleza dos velhos carnavais
que marchas tão lindas
e o povo cantando seu canto de paz
seu canto de paz...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis