Pular para o conteúdo principal


DEPOIS DA TEMPESTADE
(inspirado e semi-escrito por...bem não há necessidade de dizer. Não mesmo)

E ele acordou cedo aquela manhã. Muito cedo. Talvez em razão do barulho da tempestade que estava para começar. O barulho dos raios e trovões estava assustadoramente alto. O vento também parecia querer derrubar e destruir a janela do quarto. Ele não sabia o que estava acontecendo. Tateou na cama e percebeu que ela não estava lá. Percebeu que ela havia deixado a cama há muito tempo, uma vez que o lado em que ela costumava dormir já estava bastante frio. Ele não percebeu que ela havia saído durante a madrugada. Não percebeu nada. Ele nunca percebia, não é mesmo? Chamou por ela enquanto se levantava, mas percebeu, pela ausência da sua bolsa, que ela havia ido embora. Levantou e sentiu uma tontura. Levantou rápido demais. Olhou pela casa toda e não a encontrou. Encontrou apenas um pequeno pedaço de papel deixado sobre o aparelho de som, preso entre um cd dos Smiths e um tape do Placebo. Abriu lentamente o pedaço de papel. Nele podia sentir o seu perfume. Começou a ler e a entender a razão daquelas letras miúdas, rabiscadas de um modo nervoso e aflito durante a madrugada...

Preciso te contar uma história. Caso você tenha saco de ouvir. É a história de uma garota. Uma mulher na verdade. Ela tinha 26, e se sentia exatamente como se um furacão tivesse acabado de passar sobre si. Uma mulher que ainda insistia em achar que era menina.
Em pouco tempo tinha ido ao paraíso, com passagem súbita para o mais profundo e quente dos infernos. Nunca tinha sofrido tanto...experimentado aquela dor que não cabia no peito, nem na alma, e nem no corpo...Era uma dor que parecia engolir sua essência, tudo aquilo que a tornava ela mesma. Perdeu a identidade, perdeu sua marca, que sempre tinha sido seu largo sorriso. Seus gostos, que faziam dela aquela garota , tinham ficado pelo caminho, ou se derretido com suas lágrimas. Nunca tinha sido tão feliz. Nunca tinha sido tão triste. Não suportou estar no olho do furacão, foi demais para seu coração, que estava dilacerado. Não podia mais viver, simplesmente tocar para frente, não tinham sobrado forças não tinha sobrado nada. Tudo que ouvia das bocas alheias era que aquilo passaria, que o tempo tudo curava. Mas não lhe interessava o que saía daqueles lábios estranhos e ordinários. Ninguém jamais entendera sua dor, e nem o que de fato a tinha levado a sentir-se daquele jeito.
Ninguém, precisava saber mesmo, ninguém poderia ajudar. Onde estava tudo aquilo no que ela acreditava? Suas crenças, sua fé? Tinham partido junto com seus sonhos, e com todo o resto de esperança que ela ainda tinha de viver uma linda história, uma cena de filme. O furacão já passou... tinha sido dragada, e depois cuspida de volta para sua pobre e sonsa realidade. Não era triste, e nem feliz. Tinha tornado-se seca, sem nada dentro, oca. Vivia os dias, por viver, um atrás do outro, e as vezes chorava. Chorava escondida, ouvindo Spiritualized, e tendo a sensação de que tantas daquelas letras eram a mais pura tradução do que ela sentia. Não havia razão para tristeza, mas nem para alegria. Parecia ter perdido o brilho, dos olhos, do sorriso e o próprio brilho de sempre querer fazer da vida um lugar legal, e de viver, uma tarefa intensa e divertida. Tinha se apagado. E assim seguiam-se os dias...um e depois outro e outro, sem novidades, sem emoções, sem acreditar que finais felizes existem na vida real, sem um propósito. Agora eram só restos, e restos, e restos...
E eu não quero ser essa menina...nunca mais...não mais


Ele desviou os olhos do pedaço de papel e pôs-se a observar as gotas imensas que começavam a despencar do céu, formando um verdadeiro ballet de dor e desespero...acendeu um cigarro e apenas ficou lá, sentado no chão próximo a janela, pensando no que aconteceria a ele depois da tempestade...depois daquela maldita tempestade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TIJOLOS APARENTES

OUÇA: kate bollinger || candy
- Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no seu olhar. Só pr…

SHALL WE DANCE

OUÇA: rosalyn || loverfriend
- Então, aceita dançar esta música? – ele pediu, com gentileza e suavidade. Ela sorriu. E ele estava trêmulo e nervoso. Ansioso. Ela estava alegre e linda. Serena. E quando as primeiras notas do piano soaram na caixa de som, os dois se aproximaram e os seus braços se encontraram. Entrelaçaram. Um elegante e suave toque em uma condução apropriada para o som de notas belas e delicadas. Ela o conduzia. Ele também. E a canção era densa e envolvente, apaixonada, e as notas voavam e flutuavam pela sala da sala. Os braços entrelaçados revelavam uma cumplicidade sem igual. Rara. Poucas vezes vista. Poucas vezes sentida. Nunca? Não daquela maneira. Não como naquela noite. Talvez em outros tempos, mas não como naquele exato instante. E entre braços entrelaçados e desejos agora não mais escondidos, o perfume dos cabelos misturado ao cheiro das tintas era inebriante. Aroma de camomila. Aroma de vontades. Desejos e sorrisos. Ela o conduzia. Ele também. O toque entre eles era suave, assim como os…

ERA O QUE FARIA LOU REED

OUÇA: antoine diligent || nobody loves u
Clube Varsóvia, duas e meia da madrugada. Mais uma noite. Mais um cigarro. Mais um chato chegando perto. - Oi – o garoto loiro disse, com aquela voz quase bêbada e mole, derretendo as sílabas. A moça alta de preto nem o olhou e ficou em silêncio. Aproveitou e brincou com o seu cigarro entre os seus longos e espessos dedos antes de dar mais uma tragada naquele Marlboro. - Oi – ele insistiu – E aí? Tudo bem? Ela pensou um instante, desistiu do cigarro, pegou o copo cheio de gim à sua frente e tomou mais um gole. Ausência de resposta em retorno. “Ainda bem que há um DJ no local” – ela agradeceu em pensamento. - Ah, fala alguma coisa – ele pediu – Você é bonita, sabe? Bastante bonita. Ela tomou ainda mais um gole, deixou o copo no balcão e se virou na direção do garoto loiro. Depois de alguns momentos o observando, disse – Oi. Está tudo bem sim. Exceto o incômodo. - É, realmente. Um incômodo. Também acho que o volume está muito alto hoje. O DJ devia perceber is…