Pular para o conteúdo principal


A DOR DE OS OLHOS NÃO ENXERGAREM (ciúme)

Já passava das duas da manhã quando ele decidiu sucumbir ao barulho daquela porra de telefone. Era a terceira vez que tocava no meio da noite durante aquela semana. E todas as vezes ele acordou e ele atendeu e ele não obteve resposta. Não era ninguém. Aliás, era alguém. Alguém muito próximo e alguém que ele conhecia bem, mas que se limitava a respirar e a não se identificar. Ele já não sabia mais o que fazer. Não sabia mais o que dizer. Ele apenas queria que aquele martírio acabasse e ele pudesse, enfim, dormir em paz e seguir a sua vida. Mas o barulho do telefone durante a madrugada era implacável.

- Alô – ele disse, com a voz afogada em sono.
Apenas silêncio foi a resposta.
- Alô. Porra, porra, porra – ele gritou - Será que dá para você ligar para cá e ao menos dizer alguma coisa Mariana? Caralho. Será que vou ter que passar o resto das minhas madrugadas tendo que atender aos seus telefonemas insanos e insensatos. O que você ainda quer de mim? O que você quer? – ele perguntou, enfurecido.
- Eu quero você – uma voz pálida, fina, sem brilho, respondeu do outro lado da linha. Uma voz que lembrava vagamente aquela que um dia havia sido Mariana. A sua Mariana.
Depois de alguns segundos de silêncio, ele disse, em tom de voz baixo, bem baixo – Porra Mariana. Não faça isso. Por favor. Não faça isso comigo, contigo, com nosso futuro. Pára. Vá viver o que você tem que viver. A nossa história já deu. Já foi. Acabou. Você sabe disso, não? Eu sei que você sabe. Pára de insistir. Por favor.
- Eu apenas quero você de volta para mim – ela repetiu.
- Você já me teve. Inteiro e por completo. E aí, decidiu que eu deveria ter outra pessoa. E aí, pensou que eu deveria ter essa outra pessoa enquanto estava com você. Aí imaginou e delirou e pirou e me acusou e foi além do que qualquer outra pessoa poderia imaginar. Você e esse seu ciúme doentio, essa vontade de achar que o mundo inteiro conspira contra você.
- Eu posso me enganar? – ela perguntou, contendo o choro.
- Não. Eu cansei disso. Simplesmente cansei. E eu posso voltar a dormir? Creio que já conversamos tudo sobre isso não? – ele retrucou, ríspido.
- Tá. Durma bem – ela respondeu, triste.
- Tchau – ele disse, desligando o telefone e desconectando a linha, na seqüência. Voltou para a cama, apagou a luz, acendeu um cigarro e ficou lá sentado, pensando em como as coisas poderiam ser diferentes se ambos tivessem agido de formas diferentes – Eu não entendo isso. Não entendo. Nunca a traí... – ele pensou.
Ela permaneceu com o telefone preso ao ouvido por alguns minutos mesmo depois de ele ter desligado, como se estivesse em uma espécie de transe. Depois, deixou o telefone explodir no chão, sem o menor cuidado, ao mesmo tempo em que começava a chorar copiosamente – Por que isso? Por que isso? Por que ele me deixou...eu não entendo – pensava, entre lágrimas e lágrimas...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ELA TOMAVA CERVEJA...

E ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. E ambos tomavam cerveja. Muita. Muita e muita e muita. E sorriam e gritavam e comemoravam. Como sempre. As usual. Muita cerveja. Muito amor. Paixão. Amizade. E ele mal sabia onde ela estava. Mal sabia. Mas ambos queriam chegar a algum lugar. A algum lugar. Ambos. Ambos. Ele? Ela? Os dois. Apenas os dois. Apenas os dois... E ela apenas tomava cerveja. Ele? Também... Também...

NÃO SÃO TEMPOS COMO QUAISQUER OUTROS

OUÇA:  spang sisters || king prawn the 1st Ela jogou o livro de lado irritada, ajeitou os cabelos tortos pela cama e levantou-se. Aflita. Ela estava aflita e sem paciência. Nenhuma paciência. Andou de um lado ao outro do quarto procurando algo para pensar, algo para tocar, algo para lembrar, algo para fazer. Não pensou em nada ou, infelizmente, pensou sim tão logo percebeu o baú cor de palha encostado junto a parede. Lembrou das dezenas de fotos e bilhetes e bobagens que estavam ali guardadas. Pensou em abri-lo e considerou que esta seria uma boa ideia. Aproximou-se do baú e percebeu o que estava prestes a fazer. Parou brusca e riu da própria tolice em achar que as velhas lembranças podiam ajudar, ainda que em desespero. Não, nada que lembrasse aquela pessoa poderia ser bom naquele momento - considerou. Culpou o tédio pela burrice. Voltou a si. Sorriu e agradeceu a sei lá quem por ter voltado ao seu juízo normal a tempo. Saiu do quarto. Foi em direção a
DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis