Pular para o conteúdo principal
O SEGUNDO BEIJO PERDIDO

Eles estavam bêbados. Bem, na verdade eles estavam “quase” bêbados. A quantidade de vodka e de cerveja que eles haviam consumido e ingerido naquela noite chuvosa e fria dava para afogar até mesmo o herói aquático dos desenhos infantis dos anos setenta, Namor, “O Príncipe Submarino”. Mas isso não importava ou importava muito pouco naquela noite. O que fazia a diferença é que ambos estavam alegres e sorrindo e felizes. Como há tempos não ficavam. E, porra, não podia ser diferente. Eles eram amigos há “séculos”. Desde a época em que ela era a garota prodígio e ele o vilão da escola. E agora ela morava sozinha e eles, como não podia deixar de ser, continuavam amigos. Sempre juntos, sempre ajudando um ao outro, sempre por perto. Que mal há nisso? Nenhum, desde que eles mantivessem sempre bem guardados os seus segredos, os seus medos, os seus sonhos perdidos, os seus desejos recolhidos e as suas vontades sufocadas. Desde que eles tomassem os cuidados devidos...

- Não agüento mais a ausência de nicotina no meu corpo, me dá um Marlboro? – ela pediu, manhosa.
- Você está bêbada – ele gargalhou – Para quem parou de fumar, esse sétimo cigarro da noite é um péssimo sinal, não?
- Foda-se. Foda-se tudo. Foda-se o mundo, o sistema de saúde, os grupos antitabagistas, seja mais o que for – ela sorriu, acendendo o cigarro – A partir de hoje, só vou fazer o que EU quiser, pode ser? Se, por acaso, eu quiser fumar um pacote inteiro de cigarros, que assim seja. Cansei de fazer o que me mandam, o que me pedem, o que me induzem. Simplesmente cansei. Fácil assim.
Ele a observou com um carinho todo peculiar. Sabia o que ela queria dizer. Sabia das suas necessidades. Sabia que ela PRECISAVA viver – Vá em frente. Viva. Você sabe que eu quero que você seja feliz. Muito feliz. Você sabe disso.
Ela o encarou atentamente, após perceber toda a delicadeza e o carinho contido nas suas palavras e a beleza estampada no seu olhar. Ele realmente se importava com ela. E isso era muito especial – Você me ama? – ela perguntou, abrupta, rápida, direta, sem perceber.
Ele continuou com os olhos fixos na fumaça do seu cigarro. Sentiu seu sangue congelar por inteiro. Sentiu seu coração simplesmente bater numa velocidade alucinada. Sentiu sua voz fraquejar – Amo. Claro que amo.

Ambos se olharam fixamente, expressando um amor pouco visto. Um carinho raro e especial. Ambos se olharam fixamente e pareceram congelar no tempo, congelar no espaço. Tudo aquilo durou segundos, instantes talvez, mas rápido demais até ele dizer, confuso – Preciso ir para casa.

Ela o olhou com desespero e consentiu com a cabeça. Permaneceu deitada no sofá, apenas o observando, enquanto ele pegava o seu casaco e sumia pela porta.

O beijo perdido mais uma vez se fez. Um beijo que nunca foi dado. Um beijo que nunca foi dado...para tristeza de quem ama...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a