Pular para o conteúdo principal
GAROTOS E GAROTAS. MOLEQUES E...

- Então tá – ele disse, ríspido – Faça o que bem entender da sua vida.
Ela apenas o olhou com um ligeiro ar de superioridade – falsa e fugaz superioridade – e disparou, fingindo ser má – Eu sempre fiz o que quis da minha vida. Só que você, idiota, nunca percebeu – finalizou, virando mais um gole de tequila.
Ele a encarou por alguns segundos - Tem razão querida. Tem toda a razão. Eu nunca percebo nada da sua vida, nada do que você faz, nada do que você pensa, nada do que você é, enfim, nada do que se passa ao meu redor – ele disse, agora irônico – Absolutamente nada. Porra nenhuma. Nada, nada e nada!
Ela sorriu, marota - É por isso que você é meu melhor amigo – sentenciou, com um belo e lindo sorriso.
Ele retribuiu o sorriso e falou, com todo o afeto, como o quintal da casa da avó – Você é um doce, sabia? Um doce. De verdade. Um adorável presente. Daquelas pessoas que surgem na nossa vida do nada, apenas para torná-la mais suportável a cada dia, mais confortável a cada briga, mais...mágica. Mais mágica a cada dia.

Ela apenas abaixou os olhos, agora completamente sem graça.

- Olha só. Não precisa ficar sem graça. É sério, querida. Não estou te sacaneando ou coisas afins. Estou dizendo a verdade. Apenas isso. Quer um cigarro?
- Você precisa parar de fumar seu tonto – ela advertiu – Está ficando cada dia mais crônico esse vício.
- Dos poucos vícios que eu tenho, talvez esse seja o menor.
- Poucos vícios? Hahaha, sei – ela gargalhou – Bem, preciso ir. Depois nos falamos, my dearest and beautiful friend. Tchau – ela disse, indo embora do Clube Varsóvia

- Ei? – ele disse, antes de ela partir – Estela.
Ela virou-se e disse – O quê?
- Estela.
- Quem é Estela? – ela perguntou.
- Era o nome dela. Estela. Uma garota adorável, fantástica. Um doce.
- E?
Ele encarou o fundo do copo de tequila, agora vazio, e disse, nostálgico – Uma garota na minha classe do colegial. Nunca vi tanta molecagem e tanta brincadeira e tanta vida e tanta energia naquela garota. Ela sabia de rock, de garotos, de cigarros, de bebidas, de namoros, de brincadeiras, de poesia, de tantas coisas. E estava sempre sorrindo. Sempre. Uma moleca. Uma adorável e irresponsável moleca, mas, porra, quem precisa ser responsável quando se tem a vida toda pela frente?
- E o que aconteceu com ela?
Ele a olhou nos olhos e disse – Não sei. Nunca mais soube dela.
- Mais uma das suas molecagens, então. Sair da sua vida sem avisar.
- Você não vai fazer isso comigo também, né? – ele perguntou, charmoso.

Ela nada disse. Apenas assoprou um beijo, mostrou a língua, deu seu melhor sorriso e começou a ir embora do Varsóvia.

Ele ficou lá sentado por algum tempo, pensando em todas as bobagens da sua vida, quando, do nada, foi interrompido por um garçom com um bilhete na mão.

Claro que não, seu bobo. Claro que não. A minha maior molecagem é estar sempre do seu lado.
Beijos
Ana


E ele sorriu. Feliz por ter e por também não ter a sorte de que tanto precisava. De que tanto precisava.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE VEM DEPOIS DO RELÂMPAGO?

OUÇA: alexander biggs || low Assim, de repente, ela lembrou. ... Ela lembrou que choveu muito naquela tarde. Muito mesmo. Mais do que em qualquer outro dia da sua vida que não aquele. Cruel. Ela lembrou que o tempo estava bom até então, mas o céu, caprichoso, optou pela rebelião. O céu, assim de repente, tornou-se cinza. Absurdamente cinza. Cinza chumbo, quase noite. E choveu muito, mas muito mesmo naquela tarde. Como jamais ela pensou que poderia chover naquela época do ano ou em qualquer outra época, na verdade. Maldade. Ela recordou que estava no Parque Central, quieta, apenas pensando nas verdades que havia ouvido horas antes e arquitetando uma fuga mirabolante do viciado e repetitivo labirinto caótico em que a sua vida tinha se transformado. Lembrou-se, também, que não tinha feito tanto sol e nem tampouco estava abafado e, portanto, não havia razão para tantas nuvens no céu capazes de provocar aquela tempestade gigantesca que se formou. Não mesmo. Ironia. Mas, ainda assim, tudo ac

TIJOLOS APARENTES

OUÇA:  kate bollinger || candy - Então? – ela perguntou com um olhar indisfarçável de carinho e cuidado, antes de abrir a porta para ele sair. Ele sorriu, meneou a cabeça e não soube responder de primeira. - Então? – ela insistiu e continuou – Não vai me dizer nada? Nada? Ele levantou a cabeça e a olhou com a maior ternura do mundo e respondeu – Eu adorei. Simplesmente adorei. Ela não escondeu um sorriso genuíno e disse – Fico contente. Você nem imagina o quanto. Nem imagina. - Imagino sim. Imagino sim. - Do que mais gostou? – ela prosseguiu em sua suave inquisição. Doce inquisição. - Do que mais gostei? – ele repetiu. Ela assentiu com a cabeça e disse – Sim. Não vou deixá-lo ir embora sem me responder. Não posso. Você ficou aqui a tarde toda comigo e eu apenas adoraria saber. Ele a olhou com carinho e ternura. Disse, divertido – Do que mais gostei? Bem, além de você servir um adorável capuccino ? Ela sorriu e emendou – Deixa de ser bobo. Não foi capuccino nenhum. Fale. Eu sinto no se

O FIM

Este site acaba (acaba?) aqui Como começou. De forma rápida, discreta, surpreendente e sem nenhum alarde. E agora, depois de quase vinte anos, ele vai embora da mesma forma rápida e discreta, mas... (pausa dramática) ...com uma tremenda diferença. Agora, com MUITO alarde, este site acaba aqui, mas suas ideias vão continuar no ar. “Outro Endereço, Outra Vida” como já dizia o título da canção da banda Fellini. O Somente Varsóvia , bem como o Clube Varsóvia com as suas festas, suas lágrimas, seus encontros, seus desencontros, vai continuar a existir nas mentes deliciosas de vocês e, a partir de agora, no site: UNANIMIDADE EM VARSÓVIA Sim, com muita honra e privilégio eu e Lúcio Goldfarb, escritor, diretor e muito mais, juntamos os nossos sites. Ele, que escreve desde 2013 o seu Toda Unanimidade e eu, que escrevo o meu Somente Varsóvia desde 2003, fundimos nossos espaços para dar lugar ao UNANIMIDADE EM VARSÓVIA, site no qual escreveremos e compartilharemos nossos textos, letras, vídeos,