Pular para o conteúdo principal
GAROTOS E GAROTAS. MOLEQUES E...

- Então tá – ele disse, ríspido – Faça o que bem entender da sua vida.
Ela apenas o olhou com um ligeiro ar de superioridade – falsa e fugaz superioridade – e disparou, fingindo ser má – Eu sempre fiz o que quis da minha vida. Só que você, idiota, nunca percebeu – finalizou, virando mais um gole de tequila.
Ele a encarou por alguns segundos - Tem razão querida. Tem toda a razão. Eu nunca percebo nada da sua vida, nada do que você faz, nada do que você pensa, nada do que você é, enfim, nada do que se passa ao meu redor – ele disse, agora irônico – Absolutamente nada. Porra nenhuma. Nada, nada e nada!
Ela sorriu, marota - É por isso que você é meu melhor amigo – sentenciou, com um belo e lindo sorriso.
Ele retribuiu o sorriso e falou, com todo o afeto, como o quintal da casa da avó – Você é um doce, sabia? Um doce. De verdade. Um adorável presente. Daquelas pessoas que surgem na nossa vida do nada, apenas para torná-la mais suportável a cada dia, mais confortável a cada briga, mais...mágica. Mais mágica a cada dia.

Ela apenas abaixou os olhos, agora completamente sem graça.

- Olha só. Não precisa ficar sem graça. É sério, querida. Não estou te sacaneando ou coisas afins. Estou dizendo a verdade. Apenas isso. Quer um cigarro?
- Você precisa parar de fumar seu tonto – ela advertiu – Está ficando cada dia mais crônico esse vício.
- Dos poucos vícios que eu tenho, talvez esse seja o menor.
- Poucos vícios? Hahaha, sei – ela gargalhou – Bem, preciso ir. Depois nos falamos, my dearest and beautiful friend. Tchau – ela disse, indo embora do Clube Varsóvia

- Ei? – ele disse, antes de ela partir – Estela.
Ela virou-se e disse – O quê?
- Estela.
- Quem é Estela? – ela perguntou.
- Era o nome dela. Estela. Uma garota adorável, fantástica. Um doce.
- E?
Ele encarou o fundo do copo de tequila, agora vazio, e disse, nostálgico – Uma garota na minha classe do colegial. Nunca vi tanta molecagem e tanta brincadeira e tanta vida e tanta energia naquela garota. Ela sabia de rock, de garotos, de cigarros, de bebidas, de namoros, de brincadeiras, de poesia, de tantas coisas. E estava sempre sorrindo. Sempre. Uma moleca. Uma adorável e irresponsável moleca, mas, porra, quem precisa ser responsável quando se tem a vida toda pela frente?
- E o que aconteceu com ela?
Ele a olhou nos olhos e disse – Não sei. Nunca mais soube dela.
- Mais uma das suas molecagens, então. Sair da sua vida sem avisar.
- Você não vai fazer isso comigo também, né? – ele perguntou, charmoso.

Ela nada disse. Apenas assoprou um beijo, mostrou a língua, deu seu melhor sorriso e começou a ir embora do Varsóvia.

Ele ficou lá sentado por algum tempo, pensando em todas as bobagens da sua vida, quando, do nada, foi interrompido por um garçom com um bilhete na mão.

Claro que não, seu bobo. Claro que não. A minha maior molecagem é estar sempre do seu lado.
Beijos
Ana


E ele sorriu. Feliz por ter e por também não ter a sorte de que tanto precisava. De que tanto precisava.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DISCOS DE VINIL NÃO SALVAM VIDAS? - Discos de vinil não salvam vidas - Bia sentenciou, profana e canalha Nanda abriu os olhos em choque - Não? Como não? - Não, porra. Definitivamente, discos de vinil ou fitas cassete ou ipods ou seja lá o diabo, não salvam vidas. Não. - Você enlouqueceu? - disse Nanda. Bia sorriu um sorriso sinistro, triste, inadequado à felicidade. Adequado ao seu momento. - Claro que salvam. Se você não desistir de se matar ao ouvir Marvin Gaye e Tammi Terrell juntos e cantando apaixonadamente, então não sei o que mais pode te ajudar. - Nhá. Isso é para você, ingênua e esperançosa. - Se eu me fodesse, não me afogaria em etanol barato. Me afogaria em lágrimas ao som de um bom soul dos 60s. Estaria salva. - Que patético. - Você precisa de um choque de realidade. Um choque de vida. Você precisa de cores. = Vai começar. Já te disse para parar - pediu Bia. - Parar nada. Você precisa mesmo. De vida, porra. - Pára de encher. Você está me irritando - disse Bia. - Eu precis
PAPEL MOLHADO Boomp3.com - Você vai? - ele perguntou. - Talvez. E você? – ela devolveu, ansiosa. - Não sei. Gosto da Lu e tals, mas ainda não sei. - Vá! – ela pediu – Vou gostar disso. - Devo? – ele perguntou. - Claro. Acho que deve. Mas você decide. - Bem, então ta. Nos falamos. - Ok. Besos – ela respondeu e desligou o telefone. A festa rolava demente no Clube Varsóvia. Pessoas de todo o tipo, cores, tamanhos e desejos comemoravam, bebiam, celebravam. Todos pelo aniversário da Lu. Ela? Ela aguardava ele. Ele? Não chegava. Ela bebia vodka. Ele ainda não chegava. Ela fumava cigarros e maconha. Ele? Claro que não. Ao final da noite, ela estava exausta. Bêbada e cansada. Exausta por esperar demais pessoas erradas. Cansada de errar. Errar tão fodidamente feio. E ela decidiu ir embora do Clube Varsóvia. Lá fora, a chuva estava infernal. Imprudente, entrou no carro toda molhada e ensopou os bancos sujos. Tão de saco cheio, ela sequer percebeu o bilhete pardo dissolvendo-se no seu pár
O SECAR DAS LÁGRIMAS (É TÃO DOCE) "...it´s getting better all the time..." - Puca cantarolou do nada, para espanto de Lee. - Está? - Lee perguntou, completando na seqüência - E meu Deus, você vai sussurrar esta canção a tarde toda? - Claro que sim - Puca respondeu - Estou feliz, pô. Não vejo o menor problema em expressar isto. - Você é um saco. ...it´s getting better prá lá, it´s getting better prá lá. E peraí porra, isto é Beatles? Certo? - Lee perguntou fast and furious, após cair a ficha. Puca olhou com um ar fake de superioridade para a amiga e com um sorriso quase revelador, apenas assentiu com a cabeça. - Jesus, como você está ficando cafona, Puca - Lee reclamou - O que pode estar ficando melhor nesta porra de dia cinza? Ainda mais ao som de uma banda dos meus pais? - Como você é pesssimista Lee. Caráleo. Como você é pessimista. Você é uma garota tipicamente "quarta feira de cinzas". Um porre não, uma ressaca completa. Você sucks demais. Lee sorriu com a